Mitos Econômicos EP07: A deflação causaria uma depressão catastrófica

Por: Murray N. Rothbard

Nosso país é assolado por muitos mitos econômicos que distorcem o pensamento público sobre problemas importantes e nos levam a aceitar políticas governamentais insalubres e perigosas. Aqui estão dez dos mais perigosos desses mitos e uma análise do que está errado com eles. (Murray N. Rothbard)

Mito 7: “A deflação – queda dos preços – é impensável, e causaria uma depressão catastrófica.”

A memória do senso comum é curta. Esquecemos que, desde o início da Revolução Industrial, em meados do século XVIII até o início da Segunda Guerra Mundial, os preços geralmente caíam ano após ano. Isso porque o aumento contínuo da produtividade e da produção de bens gerados pelo livre mercado fez com que os preços caíssem. Não houve depressão, no entanto, porque os custos caíram junto com os preços de venda. Geralmente, os salários permaneciam constantes enquanto o custo de vida caía, de modo que os salários “reais”, ou o padrão de vida de todos, aumentava constantemente.

Esses custos e preços em queda permitiram que eles explorassem uma característica do mercado de massa do crescimento dinâmico do capitalismo de livre mercado. A “deflação” não trouxe desastre para esse setor.

Praticamente a única vez em que os preços subiram nesses dois séculos foram em períodos de guerra (Guerra de 1812, Guerra Civil, Primeira Guerra Mundial), quando os governos em guerra inflaram tanto a oferta de dinheiro para pagar a guerra, que compensaram os ganhos contínuos em produtividade.

Podemos ver como o capitalismo de livre mercado, livre da inflação do governo ou do banco central, funciona, se observarmos o que aconteceu nos últimos anos nos preços dos computadores. Um computador costumava ser enorme, custando milhões de dólares. Agora, em uma notável onda de produtividade provocada pela revolução dos microchips, os computadores estão caindo de preço enquanto escrevo. As empresas de computadores são bem-sucedidas, apesar da queda dos preços, porque seus custos e preços lhes permitiram explorar uma característica do mercado do crescimento dinâmico do capitalismo de livre mercado. A “deflação” não trouxe desastre para esse setor.

O mesmo vale para outras indústrias de alto crescimento, como calculadoras eletrônicas, plásticos, aparelhos de TV e videocassetes. A deflação, longe de trazer catástrofe, é a marca do crescimento econômico sólido e dinâmico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MP da tarifa de luz
Economia

Segundo ex-diretor da Aneel, MP assinada por Lula para baixar a conta de energia terá efeito contrário

Segundo Edvaldo Santana, ex-diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica, a medida provisória para baixar o valor da conta de luz, assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na terça-feira (9), tem dispositivos que levarão ao efeito contrário. Segundo Edvaldo Santana e outros especialistas, haverá um aumento da tarifa para os consumidores. A MP […]

Leia Mais
Liga Hanseática
Economia

A Liga Hanseática: Um “Império” do Comércio

Era uma vez um fenômeno medieval do norte, tão sujeito a mitos universais e curiosidade quanto o das encantadoras cidades-república florescentes do sul: a Liga Hanseática dos séculos XIII ao XVI. “O Hansa” (alemão antigo para “associações”) ou “A Liga”, como era conhecido, começou como um tratado entre Lübeck e Hamburgo “para limpar a estrada […]

Leia Mais
Murray Rothbard Pânico de 1819
Economia

Pânico de 1819: A Primeira Grande Crise Econômica dos EUA

Em 1819, se iniciava a primeira grande crise econômica dos EUA. A primeira de muitas das grandes crises que vem abalando a maior economia do mundo. No entanto, essa crise teve algumas características que a diferenciam da maioria das crises subsequentes, como a não intervenção do estado para sua resolução, alem de sua curta duração: […]

Leia Mais