Mitos Econômicos EP08: O melhor imposto é um imposto de renda proporcional

Por: Murray N. Rothbard

Nosso país é assolado por muitos mitos econômicos que distorcem o pensamento público sobre problemas importantes e nos levam a aceitar políticas governamentais insalubres e perigosas. Aqui estão dez dos mais perigosos desses mitos e uma análise do que está errado com eles. (Murray N. Rothbard)

Mito 8: “O melhor imposto é um imposto de renda ‘plano’, proporcional à renda em todos os níveis, sem isenções ou deduções.”

É geralmente argumentado por defensores de impostos fixos que a eliminação de tais isenções permitiria ao governo federal cortar substancialmente a taxa atual.

Mas essa visão pressupõe, por um lado, que as deduções presentes no imposto de renda são subsídios imorais ou “brechas” que devem ser fechadas para o benefício de todos. Uma dedução ou isenção é apenas uma “brecha” se você assumir que o governo possui 100{6f48c0d7d5f1babd031e994b4ce143dfcbd9a3bc2a21b0a64df4e7af5a5150a1} da renda de todos e que permitir que parte dessa renda não seja tributada constitua uma “brecha” irritante. Permitir que alguém mantenha parte de sua própria renda não é uma brecha nem um subsídio. Reduzir o imposto geral, abolindo as deduções para assistência médica, pagamentos de juros ou perdas não seguradas, é simplesmente reduzir os impostos de um conjunto de pessoas (aquelas que têm pouco interesse a pagar, despesas médicas ou perdas não seguradas) às custas de criá-los para aqueles que tenham incorrido em tais despesas.

Além disso, não há garantia nem probabilidade de que, uma vez que as isenções e deduções estejam fora do caminho, o governo mantenha sua alíquota no nível mais baixo. Olhando para o histórico do governo, passado e presente, há todas as razões para assumir que mais do nosso dinheiro seria tomado pelo governo, uma vez que elevou a taxa de imposto de volta (pelo menos) para o nível antigo, com uma consequente maior drenagem geral dos produtores para a burocracia.

Suponhamos que o sistema tributário deve ser mais ou menos o dos preços ou da renda no mercado. Mas o preço de mercado não é proporcional à renda. Seria um mundo peculiar, por exemplo, se Rockefeller fosse obrigado a pagar $1.000 por um pão — isto é, um pagamento proporcional à sua renda relativa ao homem médio. Isso significaria um mundo em que a igualdade de renda fosse imposta de forma particularmente bizarra e ineficiente. Se um imposto fosse cobrado como um preço de mercado, seria igual a todo “cliente”, e não proporcional à renda de cada cliente.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MP da tarifa de luz
Economia

Segundo ex-diretor da Aneel, MP assinada por Lula para baixar a conta de energia terá efeito contrário

Segundo Edvaldo Santana, ex-diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica, a medida provisória para baixar o valor da conta de luz, assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na terça-feira (9), tem dispositivos que levarão ao efeito contrário. Segundo Edvaldo Santana e outros especialistas, haverá um aumento da tarifa para os consumidores. A MP […]

Leia Mais
Liga Hanseática
Economia

A Liga Hanseática: Um “Império” do Comércio

Era uma vez um fenômeno medieval do norte, tão sujeito a mitos universais e curiosidade quanto o das encantadoras cidades-república florescentes do sul: a Liga Hanseática dos séculos XIII ao XVI. “O Hansa” (alemão antigo para “associações”) ou “A Liga”, como era conhecido, começou como um tratado entre Lübeck e Hamburgo “para limpar a estrada […]

Leia Mais
Murray Rothbard Pânico de 1819
Economia

Pânico de 1819: A Primeira Grande Crise Econômica dos EUA

Em 1819, se iniciava a primeira grande crise econômica dos EUA. A primeira de muitas das grandes crises que vem abalando a maior economia do mundo. No entanto, essa crise teve algumas características que a diferenciam da maioria das crises subsequentes, como a não intervenção do estado para sua resolução, alem de sua curta duração: […]

Leia Mais