Mitos Econômicos EP10: As importações de países onde a mão-de-obra é barata causam desemprego

Por: Murray N. Rothbard

Nosso país é assolado por muitos mitos econômicos que distorcem o pensamento público sobre problemas importantes e nos levam a aceitar políticas governamentais insalubres e perigosas. Aqui estão dez dos mais perigosos desses mitos e uma análise do que está errado com eles. (Murray N. Rothbard)

Mito 10: “As importações de países onde a mão-de-obra é barata causam desemprego nos Estados Unidos.”

Um dos muitos problemas com esta doutrina é que ela ignora a questão: Por que os salários são baixos em um país estrangeiro e altos nos Estados Unidos? Começa com essas taxas salariais como últimos dados, não colocando a questão de por que elas são o que são. Basicamente, eles são altos nos Estados Unidos porque a produtividade do trabalho é alta – porque os trabalhadores aqui são ajudados por grandes quantidades de equipamento de capital tecnologicamente avançado. As taxas salariais são baixas em muitos países estrangeiros porque o equipamento de capital é pequeno e tecnologicamente primitivo. Sem muito capital, a produtividade dos trabalhadores é muito menor do que nos Estados Unidos. As taxas salariais em cada país são determinadas pela produtividade dos trabalhadores desse país. Portanto, os altos salários nos Estados Unidos não são uma ameaça permanente à prosperidade americana; eles são o resultado dessa prosperidade.

Mas o que dizer de certas indústrias dos EUA que se queixam em voz alta e repetidamente da concorrência “desleal” de produtos de países com salários baixos? Aqui, temos de perceber que os salários em cada país estão interligados de uma indústria e ocupação e região para outra. Todos os trabalhadores competem entre si, e se os salários na indústria A forem muito mais baixos do que em outras indústrias, os trabalhadores – liderados por jovens trabalhadores em início de carreira – sairão ou recusar-se-ão a entrar na indústria A e mudar-se-ão para outras empresas ou indústrias onde a taxa salarial é mais elevada.

Os salários nas indústrias queixosas, então, são altos porque eles têm sido licitados por todas as indústrias nos Estados Unidos. Se as indústrias siderúrgicas ou têxteis nos Estados Unidos têm dificuldade em competir com suas congêneres no exterior, não é porque as empresas estrangeiras pagam salários baixos, mas porque outras indústrias americanas têm feito ofertas de salários americanos tão altos que o aço e os têxteis não têm condições de pagar. Em resumo, o que realmente está acontecendo é que o aço, os têxteis e outras empresas desse tipo estão usando a mão-de-obra de forma ineficiente em comparação com outras indústrias americanas. Tarifas ou tributos de importação para manter empresas ou indústrias ineficientes em operação prejudicam a todos, em todos os países, que não estão nessa indústria. Eles prejudicam todos os consumidores americanos ao manter os preços em alta, manter a qualidade e a concorrência em baixa e distorcer a produção. Uma tarifa ou um tributo de importação é equivalente a cortar uma ferrovia ou destruir uma linha aérea – pois seu objetivo é tornar o transporte internacional artificialmente caro.

As tarifas e os tributos de importação também prejudicam outras indústrias americanas eficientes ao amarrar recursos que de outra forma passariam para usos mais eficientes. E, a longo prazo, as tarifas, como qualquer tipo de privilégio de monopólio conferido pelo governo, não são bonança nem mesmo para as empresas que estão sendo protegidas e subsidiadas. Pois, como vimos nos casos das ferrovias e companhias aéreas, as indústrias que gozam de monopólio governamental (seja através de tarifas ou regulamentação) acabam se tornando tão ineficientes que perdem dinheiro de qualquer forma, e só podem exigir cada vez mais resgates, para um abrigo ainda mais privilegiado da livre concorrência.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fernando Haddad G20
Economia

Haddad defende medidas para que bilionários parem de usar brechas fiscais

Na última quinta-feira (29), o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, defendeu medidas para que bilionários pagassem sua parte “justa” de impostos. Para isso, o ministro defendeu uma “contribuição internacional” (na verdade, uma coerção coordenada internacional) para garantir que bilionários não usem das brechas fiscais, que o ministro chamou de “buracos tributários”. O discurso do ministro […]

Leia Mais
Luiz Marinho
Economia

Sem acordo, governo prorroga por 3 meses nova portaria sobre trabalho aos feriados

O ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, anunciou nesta terça-feira (27) que foi adiado por 90 dias a portaria que muda as regras sobre o trabalho aos feriados. O texto entraria em vigor nesta sexta-feira (1). A decisão do ministro foi tomada durante uma reunião com o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, representantes […]

Leia Mais
O Legado de Max Weber
Economia

A importância do Legado de Max Weber para a compreensão das ciências sociais

Como sabemos, as ciências sociais hoje são quase unicamente estudadas do ponto de vista marxista. E no Brasil isso é uma verdade maior ainda, a ponto de os cursos de ciências sociais terem se tornado verdadeiros púlpitos do discurso marxista. Por sorte, ideias que explicam melhor a realidade dos fenômenos sociais, e totalmente livres do […]

Leia Mais