Moradores fazem o que a prefeitura apenas promete

Comunidade

Moradores do Parque São Cristóvão, em Salvador, se uniram para limpar o canal que corta a comunidade. A prefeitura não realizou a manutenção do córrego nos últimos seis anos, o que elevou o risco de alagamentos devido às chuvas. Os moradores utilizaram seu tempo livre para remover o lixo, os entulhos e a vegetação que obstruíam o canal.

Esse é apenas o mais recente exemplo de uma série de ocasiões semelhantes, nas quais a comunidade realizou por conta própria o trabalho comumente visto como dever do poder público. Outros incluem a construção e reforma de praças, escadarias, parques e quadras de esportes, limpeza e pavimentação de ruas, construção de pontos de ônibus, construção de pontes e moradias aos necessitados.

Um dos casos mais famosos foi a construção, por R$ 5.000, de uma ponte de pedestres para a ligação de dois bairros de Barra Mansa, no Rio de Janeiro. A ponte de 24 metros, feita em concreto e aço, foi orçada pela prefeitura em R$ 270.000. Sem a ponte, era necessário percorrer cerca de dois quilômetros para se chegar ao outro bairro. Apenas um deles possui posto de saúde. A obra foi finalizada em oito dias de trabalho.

Mesmo que comumente esses exemplos sejam utilizados para pedir ações ativas por parte das prefeituras e demais órgãos públicos, bem como mostrar indignação com a negligência e descaso do estado, na verdade, demonstram como insistir nesse modelo de administração é perda de tempo. Os maiores incentivos para a preservação e melhoramento da comunidade estão presentes em seus moradores e comerciantes, não em burocratas e políticos que apenas pensam nos benefícios eleitorais e desvios de verba associados.

A tão esperada mudança, com a verdadeira resolução dos antigos problemas, carregados de geração em geração, não virá ao se trocar os temporários ocupantes do aparato estatal (o problema é o aparato em si), mas apenas quando se deixar de projetar esperanças em um modelo incapaz de atendê-las. Quando as ações forem tomadas por indivíduos que não esperam que outros as façam. Ignore o estado até o limite do seu possível. Deixe-o gritar sozinho ao vento. Apenas quando os indivíduos tomarem as rédeas de suas vidas, por meio das ações voluntárias e cooperativas, é que se tornarão verdadeiramente livres.

Gabriel Camargo

Autor e tradutor austrolibertário. Escreve para a Gazeta com foco em notícias internacionais. Suas obras podem ser encontradas em https://uiclap.bio/GabrieldCamargo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sinais eletromagnéticos no cérebro
Política

A “Síndrome de Havana” é uma agressão russa ou outra teoria da conspiração da mídia?

Na noite de domingo, o programa 60 Minutes da CBS publicou um segmento sobre a série de episódios médicos misteriosos sofridos por oficiais de inteligência dos Estados Unidos e funcionários do governo que receberam o apelido de “Síndrome de Havana”. Por quase uma década, as autoridades e suas famílias relataram ouvir sons repentinos de zumbidos […]

Leia Mais
Lula Macron Urânio
Política

Governo Lula assina acordo com a França para explorar urânio no Brasil

Representantes dos governos brasileiro e francês assinaram nesta quinta-feira (28), em Brasília, um acordo que prevê colaboração para geração de energia nuclear. Segundo reportagem da CNN, um dos destaques do texto do acordo é um entendimento para a exploração de reservas de urânio no Brasil. O acordo é de grande interesse para o governo francês, […]

Leia Mais
Lula e Maduro
Política

De forma inesperada, governo Lula endurece o tom contra governo Maduro na Venezuela

De forma inesperada, O governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) endureceu o tom com o governo venezuelano de Nicolás Maduro, tradicional aliado das gestões petistas. A repreensão do governo foi feita por meio de uma nota divulgada na última terça-feira (26/3), pelo Itamaraty, onde foi manifestada uma preocupação com o andamento das eleições […]

Leia Mais