sexta-feira, julho 1, 2022

O autoritarismo pan-eslavo por trás da invasão russa à Ucrânia

A invasão russa da Ucrânia trouxe todo tipo de debates e revelações para o centro das atenções, a partir de listas de intervenções da OTAN e da Rússia, para pedir ao Ocidente que imponha todo tipo de sanções. O discurso libertário tem sido muito cuidadoso para evitar ficar do lado de cada um dos lados por pura aversão ao clichê de escolher o mal menor. O que parece ter sido deixado de lado na discussão após esta invasão é a afinidade russa com o pan-eslavismo e a autocracia.

Isto não é para minimizar a cadeia de eventos centrada no estado que culminou na invasão, que a perspectiva realista certamente escolherá como seu ponto focal, nem para ignorar os segredos de espionagem inerentes à ascensão de Vladimir Putin à presidência. Mas pode haver algo em como os futuros historiadores e cientistas políticos virão a ver a crise como mais um trampolim no caminho de Putin para cimentar a autocracia que há muito tempo é o fetiche da filosofia conservadora russa, e usá-la para reviver o sonho de uma região eslava unificada sobre a qual ele governa.

O zelo com que Putin atacou abertamente a Ucrânia não é apenas mais uma entrada em mais uma lista de agressão estatal e imperialismo; é o epítome de uma subtradição intelectual conservadora originária da Rússia e que data de meados do século 19 conhecida como pan-eslavismo, que em suma é a defesa de uma unidade ou “grande nação” composta pelos eslavos, o grupo etno-linguístico encontrado principalmente na Europa Central e Oriental e na Rússia. Junto com este ideal de unidade eslava está a mesma tradição de defesa da autocracia e sua propensão para tornar o Ocidente hostil. O chutzpah autocrático de Putin não é o resultado de um único esboço do presidente decidindo tirar uma folha dos livros de jogo de outros líderes para expandir seu território; é, como Paul Robinson escreve em O Conservadorismo Russo (2019):

a restauração de um governo autoritário na Rússia e o fim do sistema democrático liberal supostamente estabelecido sob Yeltsin.

Pan-eslavismo e autocracia

O orgulho conservador russo na autocracia decorre de sua necessidade contínua de se consolidar como um oponente do Ocidente e de suas tradições. Neste contexto, segundo o historiador Mikhail Pogodin (1800-75), “teoria normanda da história”, como Robinson a descreve, defendeu a autocracia como fundamental para a identidade nacional russa e muito superior aos fundamentos dos estados da Europa Ocidental: Pogodin viu esta última como tendo surgido devido a invasões estrangeiras que resultaram em uma elite privilegiada de governantes, o que teve a conseqüência de criar várias classes que estavam constantemente em guerra umas com as outras, e de fazer com que as classes inferiores se submetessem aos caprichos de seus governantes.

Ele argumentou que o estado russo, por outro lado, havia começado em 862 DC com um “convite” ao príncipe Viking Rurik para estabelecer uma dinastia e governar os eslavos como um líder benevolente. Cynthia Whittaker confirma este pensamento “dinástico” e como ele foi visto pelos “escravos” conservadores como uma prova do pragmatismo e da previsão do povo russo:

Para a escola dinástica, o convite para Rurik mostrou que os russos, como todos os outros povos, reconheceram a necessidade de um famoso clã governante que “através de um único sangue para o bem comum poderia unir os povos eslavos em uma única tribo sob uma única regra”. Quando Rurik “estabeleceu o poder absoluto”, a Rússia emergiu simultaneamente e imediatamente “floresceu”, para usar o verbo mais comum (tsvesti) atribuído à liderança dinástica.

A ascensão desta nação levou à difusão da idéia de que tudo o que era ocidental, como seu desejo patológico de racionalismo e individualismo, era estranho aos ideais russos e não tinha lugar na sociedade. Mas como todos os Estados orgulhosos de sua fundação e de sua singularidade, seja a Grã-Bretanha ou os Estados Unidos, os pan-eslavistas não viram razão para limitar a grandeza de sua civilização a seu próprio país: eles imaginavam um mundo russo maior (Russkiy mir) que transcendesse as fronteiras da Rússia e que fosse um baluarte contra o imperialismo ocidental.

Com esta concepção de seu destino como nação, a Rússia pretendia em sua política externa do século XIX implementar seu messianismo permissivo através da doutrina do “nacionalismo oficial”: esta era a manifestação do terceiro princípio do Império Russo, “nação” (narodnost”), ao lado da autocracia e da ortodoxia. Após uma série de revoltas e tensões, as autoridades russas viram a iminente nacionalização dos grupos étnicos vizinhos como uma forma de consolidar a validade dos valores sócio-culturais, que eles perceberam como universais. Escusado será dizer que os desejos e preocupações daqueles a quem o Estado russo optou por se submeter não foram levantados nos círculos dos intelectuais pan-eslavistas, como Karel Kramář (1860-1937) escreveu em 1926:

A preservação absoluta e firme do caráter de cada nação eslava foi e será sempre o princípio chave não só de nossa eslavIZAÇÃO, mas também da eslaVização de todas as pequenas nações eslavas, o que, como eu disse, não significa endossar os esforços separatistas dos ucranianos, assim como não pode significar endossar os de nossos eslovacos.

A firme defesa de Kramar de um império eslavo unificado também foi motivada por sua preocupação com o “expansionismo teutônico histórico”. O mesmo princípio do pan-eslavismo seria bem utilizado na União Soviética; apesar da presunção dos bolcheviques de que eles não expressavam nada além de repúdio pelas normas culturais russas do passado, mesmo eles não podiam negar a vantagem estratégica de assimilar os países vizinhos em sua esfera de influência.

Putin, o autocrata pródigo

O momento de coroação de Putin veio das cinzas do tempo de Boris Yeltsin como presidente da Federação Russa; após o colapso da União Soviética, as tentativas de Yeltsin de estabelecer uma ordem democrática liberal semelhante ao liberalismo ocidental manchado pelo Reino Unido foram calamitosas aos olhos dos cidadãos russos, que agora esperavam testemunhar o ressurgimento de um forte Estado autoritário. Robinson lista as medidas de Putin para assegurar o controle interno, como a retomada das empresas críticas de petróleo e gás e a assunção de um papel paternalista sobre os governos regionais. Com seus cidadãos mantidos sob controle apertado, ele agora poderia mudar seu foco para a Ucrânia.

De acordo com a tradição de seus antecessores, Putin deu grande importância à definição da identidade nacional russa por sua história, valores e tradições. Isto naturalmente significou redefinir a identidade da Eurásia como um todo em favor do pan-eslavismo.

Após uma grande mudança na Ucrânia em 2014, Putin revigorou a iniciativa de expandir a agenda nacionalista radical no teatro político internacional, e Robinson lista os elementos-chave que isso teria que incluir: um renascimento da Igreja Ortodoxa Russa, centralização da autoridade política, crescente nacionalismo russo, aumento das tensões entre a Rússia e o mundo ocidental, e legislação socialmente conservadora.

Portanto, não deve ser surpresa que a Igreja Ortodoxa Russa tenha endossado a invasão da Ucrânia, vendo nela uma necessidade de proteger a cultura contra qualquer bobagem metafísica que ela considere uma ameaça.

Conclusão

Esta invasão não é a decisão de um homem de lançar sua tirania a torto e a direito. É o produto de uma cultura inerentemente estatista que até hoje sobreviveu a várias convulsões em virtude dos numerosos delírios e apetites cultivados por seus intelectuais ao longo de um século; os intelectuais que vêem o estado como um absoluto deverão defender esta invasão como um movimento gloriosamente ousado, mesmo daqui a meio século.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

CONFIRA