sexta-feira, fevereiro 3, 2023

O Caso Twitter Files – Parte 1: Elon Musk Abre a Caixa Preta do Twitter

O caso Twitter Files, uma investigação sobre e-mails comprometedores de ex-funcionários do Twitter, confirma a suspeita que muitos já possuíam: que todas as ações da plataforma sob a direção anterior a Elon Musk, possuíam motivações políticas e ideológicas claras! O caso, que ficou conhecido como Twitter Files, veio a tona por meio das investigações do jornalista Matt Taibbi, que é co-apresentador do Useful Idiots e editor do boletim informativo TK News on Substack.

A investigação começou quando Matt Taibbi recebeu informações exclusivas de Elon Musk, novo CEO do Twitter. Musk, que já suspeitava do viés político na plataforma, assim que tomou conhecimento destes e-mails os forneceu a Tabb para que com isso o caso viesse a público.

Segundo Musk, a antiga chefe da Política Legal de aplicação,  Vijaya Gadde, aprovava as ações realizadas pelos funcionários da empresa, que marcavam publicações de personalidades trumpistas ou associadas como “não seguras”. Musk confirma inclusive que o antigo CEO da plataforma, Jack Dorsey, não tinha nenhum conhecimento destas ações.

Entre as descobertas feitas pelo jornalista Matt Taibbi e a jornalista Bari Waiss, está o ocultamente de postagens sobre a polêmica do notebook de Hunter Biden, filho do atual presidente dmos EUA Joe Biden. Todas as acusações de consumo de pedofila por parte Hunter Biden eram tratadas como fake news.

O caso, no entanto, foi descoberto como verdadeiro, e que inclusive havia incentivo do FBI para que fosse ocultado do público. Além deste, outros casos envolvendo censura de pessoas simpáticas a Donald Trump vieram a tona. Musk entendeu que isso havia um interesse por parte de funcionários do Twitter em favorecer o partido Democratas.

Histórico do Twitter Files

O que se seguirá agora será uma sequência de Threads de Matt Taibbi comentando o desenrolar o caso Twitter Files:

1° Thread: Twitter Files

2. O que você está prestes a ler é a primeira parte de uma série, baseada em milhares de documentos internos obtidos por fontes no Twitter.

3. O “Twitter Files” contam uma história incrível de dentro de uma das maiores e mais influentes plataformas de mídia social do mundo. É um conto Frankensteiniano de um mecanismo construído pelo homem que cresceu sob o controle de seu projetista.

4. O Twitter, em sua concepção, foi uma ferramenta brilhante para possibilitar a comunicação instantânea de massa, tornando possível pela primeira vez uma verdadeira conversa global em tempo real.

5. Em uma concepção inicial, o Twitter mais do que cumpriu sua declaração de missão, dando às pessoas “o poder de criar e compartilhar ideias e informações instantaneamente, sem barreiras”.

6. Com o passar do tempo, no entanto, a empresa foi lentamente forçada a adicionar essas barreiras. Algumas das primeiras ferramentas para controlar a fala foram projetadas para combater spam e fraudadores financeiros.

7. Lentamente, com o tempo, a equipe e os executivos do Twitter começaram a encontrar mais e mais usos para essas ferramentas. Pessoas de fora começaram a solicitar à empresa que manipulasse a fala também: primeiro um pouco, depois com mais frequência e depois constantemente.

8. Em 2020, os pedidos de agentes conectados para excluir tweets eram rotineiros. Um executivo escrevia para outro: “Mais para revisar da equipe Biden”. A resposta viria: “Tratado”.

9. Celebridades e desconhecidos podem ser removidos ou revistos a pedido de um partido político:

10. Ambas as partes tiveram acesso a essas ferramentas. Por exemplo, em 2020, os pedidos da Casa Branca de Trump e da campanha de Biden foram recebidos e atendidos. No entanto: 11. Este sistema não era equilibrado. Foi baseado em contatos. Como o Twitter era e é predominantemente composto por pessoas de uma orientação política, havia mais canais, mais maneiras de reclamar, abertos à esquerda (bem, democratas) do que à direita. https://opensecrets.org/orgs/twitter/summary?id=D00006711312.

11 A inclinação resultante nas decisões de moderação de conteúdo é visível nos documentos que você está prestes a ler. No entanto, é também a avaliação de vários executivos atuais e antigos de alto nível.

Ok, houve mais pigarro sobre o processo, mas dane-se, vamos avançar

16. Twitter Files, parte um: como e por que o Twitter bloqueou a história do laptop Hunter Biden

17. Em 14 de outubro de 2020, o New York Post publicou BIDEN SECRET EMAILS, uma exposição baseada no conteúdo do laptop abandonado de Hunter Biden:

18. O Twitter tomou medidas extraordinárias para suprimir a história, removendo links e postando avisos de que pode ser “inseguro”. Eles até bloquearam sua transmissão por mensagem direta, ferramenta até então reservada para casos extremos, como por exemplo, pornografia infantil.

19. A porta-voz da Casa Branca, Kaleigh McEnany, teve sua conta bloqueada por twittar sobre a história, o que levou a uma carta furiosa do funcionário da campanha de Trump, Mike Hahn, que fervia: “Pelo menos finja que se importa com os próximos 20 dias”.

20. Isso levou a executiva de política pública Caroline Strom a fazer uma pergunta educada sobre a WTF. Vários funcionários notaram que havia tensão entre as equipes de comunicação/política, que tinham pouco/menos controle sobre a moderação, e as equipes de segurança/confiança:

21 A nota de Strom retornou a resposta de que a história do laptop havia sido removida por violação da política de “materiais hackeados” da empresa: https://web.archive.org/web/201907171422.

22

Embora várias fontes se lembrem de ter ouvido sobre um aviso “geral” da polícia federal naquele verão sobre possíveis hacks estrangeiros, não há nenhuma evidência – que eu tenha visto – de qualquer envolvimento do governo na história do laptop. Na verdade, pode ter sido esse o problema…

23. A decisão foi tomada nos níveis mais altos da empresa, mas sem o conhecimento do CEO Jack Dorsey, com o ex-chefe jurídico, político e de confiança Vijaya Gadde desempenhando um papel fundamental.

24. “Eles apenas fizeram freelance”, é como um ex-funcionário caracterizou a decisão. “Hackear era a desculpa, mas em poucas horas, praticamente todo mundo percebeu que isso não ia funcionar. Mas ninguém teve coragem de reverter isso.”

25. Você pode ver a confusão na longa troca seguinte, que acaba incluindo Gadde e o ex-chefe de confiança e segurança Yoel Roth. O oficial de comunicação Trenton Kennedy escreve: “Estou lutando para entender a base da política para marcar isso como inseguro”:

26. A essa altura, “todo mundo sabia que isso era uma merda”, disse um ex-funcionário, mas a resposta foi essencialmente errar do lado de… continuar a errar.

27. O ex-vice-presidente de comunicações globais Brandon Borrman pergunta: “Podemos afirmar com sinceridade que isso faz parte da política?”

28. Ao que o ex-conselheiro geral adjunto Jim Baker novamente parece aconselhar a suspensão do curso, porque “é necessário cautela”:

29. Um problema fundamental com empresas de tecnologia e moderação de conteúdo: muitas pessoas encarregadas do discurso sabem/se importam pouco com o discurso e precisam ouvir o básico de pessoas de fora. A saber:

30. Em uma troca bem-humorada no primeiro dia, o congressista democrata Ro Khanna procurou Gadde para gentilmente sugerir que ela ligasse para falar sobre o “discurso de reação”.

Khanna foi a única autoridade democrata que encontrei nos arquivos que expressou preocupação.Gadde responde rapidamente, mergulhando imediatamente nas ervas daninhas da política do Twitter, sem saber que Khanna está mais preocupado com a Declaração de Direitos:

32.Khanna tenta redirecionar a conversa para a Primeira Emenda, cuja menção geralmente é difícil de encontrar nos arquivos:

33. Em um dia, a chefe de Políticas Públicas Lauren Culbertson recebe uma carta/relatório medonho de Carl Szabo da empresa de pesquisa NetChoice, que já havia pesquisado 12 membros do congresso – 9 Rs e 3 Democratas, do “Comitê Judiciário da Câmara para Rep … Escritório de Judy Chu.

Nos próximos artigos prosseguiremos com aa traduções as próximas threads deste caso.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA