sexta-feira, julho 1, 2022

O controle de preços foi um desastre na década de 70, e ainda o seria hoje

A ideia beneficiaria os planejadores centrais e aumentaria a quantidade de burocratas, ao mesmo tempo em que tornaria os pobres ainda mais pobres.

Com alguns especialistas defendendo controles de preços para combater a inflação, de repente parece que estamos na década de 1970 novamente. Esse tipo de intervenção arrogante nunca funcionou como planejado, algo que o presidente Richard Nixon descobriu em 1973, quando ele suspendeu os controles de salários e preços que havia implementado dois anos antes.

Ainda assim, para aqueles que se recusam a aprender com a história, tais controles sempre parecerão sensatos. A inflação equivale ao aumento dos preços, dizem eles, então congelar os preços é uma solução supostamente fácil.

Mas tratar a inflação dessa maneira é como mascarar um sintoma em vez de curar a doença. A inflação não pode ser controlada pelo congelamento de preços, assim como seu peso corporal não pode ser controlado pela programação de sua balança de banheiro para não exibir quilos acima de um número máximo.

E assim como mascarar seu peso não melhorará sua dieta, a desinformação transmitida pelos controles de preços piorará a economia. Na maioria das vezes, os preços não são simplesmente estabelecidos por um vendedor todo-poderoso; eles são uma medida do quanto consumidores e vendedores concordam que um produto vale. Eles dizem aos empresários e empresas como transferir recursos de atividades que os consumidores querem menos para aquelas que os consumidores valorizam mais.

Mas, novamente, alguns desconhecem essa realidade. O cientista político Todd Tucker, por exemplo, escreveu recentemente no The Washington Post que “há razões normativas para não querer que existam mercados puros, porque os produtos necessários podem ficar muito caros para os consumidores pobres e da classe média”. Ele conclui: “Para garantir que os ricos não aumentem os preços de itens essenciais, agora é hora de começar a desestigmatizar um maior controle democrático sobre os níveis de preços”.

Errado. Preços excepcionalmente altos significam que não há o suficiente de algo para vender e limitar seu preço é garantir sua escassez. As unidades são compradas rapidamente, alocadas por corrupção ou acaso, ou transferidas para mercados clandestinos mais lucrativos. Com o tempo, menos bens são produzidos porque nenhum desses métodos inspira produtores legítimos a investir neles. Entre as muitas consequências negativas da escassez estão os danos desproporcionais aos pobres.

Isso não é mera especulação. A literatura econômica está repleta de exemplos que mostram como as tentativas de esfriar a inflação com controles de preços causaram calamidade econômica. Da antiga República Romana à Venezuela moderna, elas trouxeram os mesmos resultados desastrosos.

E que tal, como outros já estão aconselhando, limitar apenas os preços de bens e serviços vendidos por empresas consideradas monopolistas? Novamente, o que parece tão simples é realmente impraticável sem consequências prejudiciais para a pessoa comum.

Primeiro, é difícil identificar quem são esses monopólios. Mais importante, quando uma empresa tem algum poder de monopólio na economia moderna, esse poder é quase sempre apenas temporário. Os altos preços de monopólio criam lucros enormes que, em casos extremos, trazem novos concorrentes que têm toda a motivação para oferecer preços mais baixos. O controle de preços pode eliminar esse incentivo, fortalecendo ainda mais os “monopolistas”.

Sugestões como essas expõem o quão pouco alguns especialistas entendem sobre inflação. Estamos lidando com um aumento no nível geral de preços causado pelo governo imprimindo dinheiro, tomando empréstimos em altos níveis, enviando cheques para pessoas (algumas das quais não precisam) e, assim, aumentando a demanda dos clientes em um ambiente onde existem algumas carências. Corrigir o problema significa abordar as causas principais. Não pode ser resolvido limitando alguns preços.

Deixando de lado a economia pobre que impulsiona o controle de preços, há uma coisa de que podemos ter certeza: a ideia beneficiaria os planejadores centrais, capacitaria os politicamente experientes e aumentaria as fileiras dos burocratas. Tucker reconheceu que “é provável que muito mais funcionários precisem ser contratados”, embora não necessariamente tantos quanto os impressionantes 160.000 reguladores de preços empregados durante a Segunda Guerra Mundial. A promessa de mais funcionários públicos pode agradar a alguns leitores, mas um pequeno exército interferindo em nossos assuntos econômicos tornaria uma má ideia ainda pior.

A inflação é dolorosa. Mas enfrentá-la com uma política terrível só aumenta o dano.

03/02/2022

Texto por Veronique De Rugy. Traduzido e adaptado por Gazeta Libertária.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceReason

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

CONFIRA