sexta-feira, maio 20, 2022

O esquecido caso do feminismo de “direita” nos EUA

Apesar do feminismo ser originalmente um movimento de esquerda e estar sempre associado à essa ala, houve um período onde esteve bastante associado ao Partido Republicano, nos EUA (direita). Tal associação entre o Partido Republicano e o feminismo se deu como uma forma de ajudar a agarinhar votos femininos para fazer frente ao Partido Democrata, até então com votos majoritariamente masculinos.

O feminismo de “direita” no Partido Republicano

O Partido Republicano foi pioneiro – seguindo os passos da primeira onda do feminismo – “direito” das mulheres de votar e foi consistente em seu apoio ao longo da longa campanha pela aceitação. Foi o primeiro grande partido a defender “direitos iguais” para as mulheres e o princípio de salário igual para trabalho igual. Embora no século XIX as mulheres não pudessem votar, elas poderiam se filiar a partidos políticos e ideologias. Os cidadãos comuns demonstravam sua lealdade partidária em comícios e celebrações públicas. E isso incluía mulheres. A proibição da atividade política não impediu as inclinações políticas das mulheres.

Local de nascimento do Partido Republicano em Ripon, Wisconsin.

A Convenção dos Direitos da Mulher realizada em Seneca Falls, NY, em 1848 marcou o início do movimento pelo sufrágio feminino nos Estados Unidos. Dois anos depois, houve uma reunião nacional em Worcester, Massachusetts. Em 20 de março de 1854, “50 homens, 3 mulheres e 1 criança” se reuniram em uma pequena escola em Ripon, Wisconsin, para discutir a criação de um novo partido político. Um partido para se manter firme contra a disseminação da escravidão nos novos territórios ocidentais. Eles escolheram o nome “Republicano”. O editor do jornal Horace Greely citou o nome como apropriado para “aqueles que se uniram para restaurar a União à sua verdadeira missão de defensor e promulgador da Liberdade, em vez de propagandista da escravidão”. Em seis curtos anos, o Partido Republicano alcançou o status nacional ao eleger seu primeiro presidente, Abraham Lincoln.

Fiel à sua base “antiescravista”, o Partido Republicano se estabeleceu como o partido nacional da reforma. Sua postura anti-escravidão atraiu mulheres ativistas ao partido antes da Guerra Civil. Além disso, o partido, ao apoiar o sufrágio feminino, atraiu reformistas e sufragistas como Susan B. Anthony, Elizabeth Cady Stanton e Lucy Stone, que se autoidentificaram como republicanas. Em 1870, na Convenção Estadual Republicana de Massachusetts já estavam Lucy Stone e Mary A. Livermore, como delegadas. Além disso, a Convenção Nacional Republicana de 1872 aprovou uma resolução favorecendo a admissão das mulheres a “campos mais amplos de utilidade” e acrescentou que “a demanda honesta dessa classe de cidadãos por direitos adicionais … deve ser tratada com consideração respeitosa.”

Judith Ellen Foster (1840–1910)

O reconhecimento das mulheres nas plataformas do partido na década de 1870 e a criação de uma ala auxiliar feminina no partido republicano no final dos anos 1880, mantiveram as mulheres no partido depois que a escravidão deixou de ser uma questão política. Judith Ellen Foster fundou a “Woman’s National Republican Association” em 1888, declarando que “mulher é política”. Ela desafiou as mulheres a se engajarem na política partidária para reformar a sociedade, que era o papel da mulher, e transformou o WNRA em uma unidade substancial do partido Republicano, e seus membros defendiam os candidatos republicanos a cada ciclo eleitoral.

Wyoming, o estado pioneiro no sufrágio feminino, enviou duas mulheres, Therese A. Jenkins e Cora G. Carleton, para a Convenção Republicana de 1892 em Minneapolis como delegadas suplentes. Esta foi a primeira vez que mulheres sentaram-se em uma Convenção Nacional Republicana. Essa convenção também foi a primeira a ser dirigida por uma mulher, J. Ellen Foster, presidente da Associação de Mulheres Republicanas dos Estados Unidos. Uma forte crente na organização, Foster disse que sua associação preparou planos de trabalho para o envolvimento das mulheres na política nacional. Cópias foram entregues a cada delegado e suplente. “Estamos aqui para ajudá-lo”, declarou ela, “e estamos aqui para ficar”.

A pedido de Susan B. Anthony, o senador AA Sargent, um republicano da Califórnia, apresentou a 19ª emenda em 1878. A emenda de Sargent (também conhecida como a emenda Susan B. Anthony) foi derrotada quatro vezes por um Senado controlado pelos democratas. Quando o Partido Republicano recuperou o controle do Congresso em 1919, a Emenda do Sufrágio Igualitário finalmente foi aprovada pela Câmara em maio daquele ano e pelo Senado em junho. Quando a emenda foi apresentada aos estados, 26 dos 36 estados que a ratificaram tinham legislaturas republicanas. Dos nove estados que votaram contra a ratificação, oito eram democratas. Doze estados, todos republicanos, deram às mulheres sufrágio total antes que a emenda federal fosse ratificada.

Sufragistas negras

Frances EW Harper, c. 1898. Frontispício de Poemas de Harper (Filadélfia: George S. Ferguson Co., 1898). Biblioteca do Congresso

Mulheres afro-americanas, embora muitas vezes esquecidas na história do sufrágio feminino, engajaram-se em esforços de reforma significativos e ativismo político que levaram à ratificação em 1920 da Décima Nona Emenda, que proibia os estados de negar às mulheres americanas o direito de voto. Elas tinham tanto – ou mais – em jogo na luta do que as mulheres brancas. Desde os primeiros anos do movimento sufragista, as mulheres negras trabalharam lado a lado com as sufragistas brancas. No final do século XIX, entretanto, quando o movimento sufragista se fragmentou por causa da questão racial nos anos após a Guerra Civil, as mulheres negras formaram suas próprias organizações para continuar seus esforços para assegurar e proteger os “direitos” de todas as mulheres e homens.

O movimento dos direitos das mulheres dos Estados Unidos estava intimamente aliado ao movimento antiescravista e, antes da Guerra Civil, abolicionistas e sufragistas negros e brancos se uniram em uma causa comum. Durante o período anterior à guerra, uma pequena corte de mulheres negras anteriormente escravizadas, incluindo Sojourner Truth , Harriet Tubman , Maria W. Stewart , Henrietta Purvis, Harriet Forten Purvis, Sarah Remond e Mary Ann Shadd Cary , eram ativas nos círculos de direitos das mulheres . Elas se juntaram em sua defesa dos “direitos” das mulheres e sufrágio por homens negros proeminentes, incluindo Frederick Douglass , Charles Lenox Remond e Robert Purvis , e trabalhou em colaboração com abolicionistas brancos e ativistas dos direitos das mulheres, incluindo William Lloyd Garrison, Elizabeth Cady Stanton e Susan B. Anthony .

Em 18 de agosto de 1920, o Tennessee se tornou o 36º e último estado necessário para ratificar a emenda. O Secretário de Estado dos EUA certificou a emenda em 26 de agosto de 1920.

GOP elege a primeira congressista em 1916

A primeira mulher eleita para um cargo federal representou o Partido Republicano. Os eleitores de Montana elegeram Jeanette Rankin em 1916 para a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos. Isso aconteceu quatro anos antes da 19 ª Emenda que concederia direito de voto para as mulheres norte-americanas. “Posso ser a primeira mulher a ser membro do Congresso”, observou ela durante sua eleição em 1916. “Mas não serei a última”. Rankin conduziu a emenda do sufrágio feminino no Congresso e se alegrou com sua aprovação.

Partido Republicano como o primeiro a cogitar uma presidente mulher

Talvez não seja surpreendente, dada sua longa história com as mulheres, que a primeira mulher cujo nome foi nomeado para a presidência por um grande partido foi a republicana Margaret Chase Smith. Chase Smith representou o estado do Maine no Congresso por 34 anos, primeiro na Câmara dos Representantes e depois no Senado. Ela foi a primeira mulher eleita para o Senado por direito próprio. Chase Smith trouxe 27 delegados à convenção republicana de 1964. O presidente John F. Kennedy disse a respeito dela em 1963: “Acho que, se eu fosse um candidato republicano, não estaria ansioso para fazer campanha contra Margaret Chase Smith em New Hampshire, ou como um possível candidato a presidente. … Ela é uma figura política formidável.

As mulheres republicanas deram continuidade à tradição do serviço público até o presente. Três mulheres republicanas seguiram os passos de Chase Smith concorrendo à presidência. Elizabeth Hanford Dole concorreu em 1998. A deputada Michele Bachmann (R-Minnesota) – a primeira mulher a ganhar a votação de Iowa – em 2011. E Carly Fiorina entrou em uma disputa primária republicana para as eleições de 2016. Vinte e duas mulheres republicanas serviram na Câmara dos Representantes e seis no Senado no 114 º Congresso. Três mulheres serviram como governadoras estaduais em 2016.

O quê havia por trás da aliança entre o Partido Republicano e o feminismo?

Muitos acostumados com a ideia de que o feminismo é um movimento de esquerda, com razão acharia estranho sua associação com o Partido Republicano, visto como um partido conservador. No entanto, Murray Rothbard, em A Era Progressista‘, demonstra como esse partido foi responsável por grande parte das políticas restritivas e aumento do estado e como o feminismo foi um braço forte na disputa com grupos políticos concorrentes.

Nas palavras de Rothbard:

Especificamente, estava claro para os pietistas que o papel das mulheres na família “étnica” litúrgica era muito diferente do que era na família protestante pietista. Uma das razões que impeliram os pietistas e republicanos à lei seca foi o fato de que, culturalmente, a vida dos católicos urbanos e as cidades do Nordeste estavam se tornando cada vez mais católicas evoluiu em torno do bar do bairro. Os homens iam à noite para a taberna para bate-papos, conversas e discussões e geralmente recebiam suas opiniões políticas do dono do bar, que assim se tornou a potência política em sua ala particular. Portanto, a lei seca significava quebrar o poder político das máquinas litúrgicas urbanas do Partido Democrata.

Mas enquanto a vida social dos homens litúrgicos girava em torno do bar, suas esposas ficavam em casa. Enquanto as mulheres pietistas eram cada vez mais independentes e politicamente ativas, a vida das mulheres litúrgicas girava exclusivamente em torno do lar. A política era estritamente uma diversão para maridos e filhos. Percebendo isso, os pietistas começaram a pressionar pelo sufrágio feminino, percebendo que muito mais mulheres pietistas do que mulheres litúrgicas tirariam vantagem do poder de voto.

E mais:

Tão logo o território do Wyoming adotou o sufrágio feminino ficou evidente que a mudança havia beneficiado os Republicanos, especialmente desde que as mulheres haviam se mobilizado contra as tentativas democratas de revogar a lei seca dominical do Wyoming. Em 1871, ambas as casas da legislatura do Wyoming, lideradas por seus membros Democratas, votaram para revogar o sufrágio feminino, mas o projeto foi vetado pelo governador territorial Republicano.

Conclusão

O Partido Republicano, como qualquer outro partido político, apenas viu no sufrágio feminino originado da primeira onda do feminismo como um aliado útil para expandir seus programas políticos.

Aproveitando-se do fato do voto masculino no Partido Democrata ser majoritariamente masculino, para se colocar em relativa vantagem, o Partido Republicano buscou no do sufragismo e feminismo, o apoio que precisava pra expandir seu eleitorado por meio dos votos femininos.

Artigo escrito por Alex Motta

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

CONFIRA