O estímulo da Covid-19 é a mais recente rejeição da Lei da Say por parte do governo

Escrito por: James Talocka
Traduzido por: Wallace Nascimento (@SrNascimento40)
Revisado por: Pedro Micheletto Palhares (@DevilSSSlayer)


A resposta fiscal e monetária à paralisação da economia incorpora a mais recente rejeição da lei de mercados de Say pelo governo federal. Ao contrário das medidas tomadas e das garantias dadas por estas autoridades, as consequências econômicas da COVID-19 não se devem a uma escassez de dinheiro, mas a uma escassez de bens e serviços.

Embora J.B. Say tenha desenvolvido a sua lei dos mercados para dissipar a ideia de sobreprodução geral, também capta as deficiências e as consequências da resposta dos decisores políticos ao vírus. A lei de Say traz à luz o fato de que a oferta de um bem é o que constitui a demanda. Em outras palavras, é apenas a produção que produz os meios para o consumo. Say lembra-nos que não há necessidade de nos preocuparmos com a falta de consumo, porque a produção fica sempre aquém das necessidades do homem. Isto é especialmente verdade nas atuais condições econômicas.

A lei de Say revela que uma deficiência da produção é o que acaba por limitar a demanda e, consequentemente, a riqueza e o nível de vida. Por conseguinte, o governo federal não só está a recorrer ao consumo improdutivo através de esforços de estímulo fiscal e monetário, como não está sequer a gerar uma demanda real. Diz-se que, para que exista demanda, os bens devem ser produzidos para fins de troca, bens que o governo não fornece. As autoridades monetárias e fiscais exercem controle sobre o meio de troca e sobre o local onde este deve ser gasto, mas não contribuem para a oferta*.

Desde meados de Março, o Congresso e o FED responderam ao encerramento, fazendo várias tentativas de alívio econômico. Também têm aumentado bastante a conta para o público americano neste processo. O FED fixou efetivamente taxas a zero e aumentou o seu balanço em trilhões de dólares sob a forma de empréstimos e aquisições de ativos. O Congresso seguiu o exemplo com a aprovação da lei CARES (Coronavirus Aid, Relief, and Economic Security Act), no valor de 2 trilhões de dólares, talvez com mais em marcha. Apesar destes esforços, a economia continua em parada produtiva e só prossegue neste caminho a cada dia de quarentena que passa.

O encerramento econômico prejudicou gravemente muitas indústrias, incluindo companhias aéreas, restaurantes, lojas de retalho e até cadeias de abastecimento alimentar. Os receios de vírus e as ordens de permanência em casa obrigaram as empresas a fechar portas e a despedir trabalhadores a níveis sem precedentes. Mais de 175.000 empresas fecharam e cerca de 30 milhões de americanos declararam-se desempregados desde meados de Março. A lei Say mostra que as atuais condições econômicas são incapazes de promover o nível de produção necessário para sustentar a demanda.

O Congresso e o FED empenharam-se num consumo de substituição que funciona como uma falsa almofada para suportar esta queda na produção. Na realidade, os vários trilhões de dólares de expansão do crédito e o plano de gastos geram uma ilusão de demanda que não permite que os preços reflitam a crescente escassez de bens e serviços resultante da falta de produção. O resultado é uma contínua decadência econômica estimulada pela má alocação de recursos e pelo aumento do consumo de uma oferta decrescente de bens, ou da diminuição da acumulação de capital. Os apelos a um crescimento monetário ainda maior, associados a uma chamada de atenção de um funcionário do FED para as suas infinitas capacidades de impressão de dinheiro, indicam que as medidas políticas infrutíferas podem não cessar em breve.

A contribuição intemporal de Say para a economia revela que, independentemente das alavancas que as autoridades fiscais e monetárias puxem, as pedras não serão transformadas em pão. Quanto mais tempo durar esta parada econômica, mais crítica se torna a sua cessação.

*(N.R: O aumento de crédito e meios de pagamento incentivam a oferta também, a limitação, porém, é que são favorecidos investimentos de longo prazo em detrimento dos de curto prazo, e na demanda (gerada pelo emprego do trabalho complementar ao capital empregado) tem efeito inverso, o consumo de curto prazo é favorecido em relação à poupança, tal como há uma limitação temporal para o aumento de produção que impede que a quantidade ofertada se adeque à demandada no curto prazo sem uma elevação de preços relativos ao mercado que sofreu aumento de demanda, ver Bohm Bawerk – “Teoria Positiva do Capital” e Mises – “Ação Humana” Capítulos 18 a 20 e 31)

Leia o artigo original clicando aqui.


Tratado de Economia Política – Jean-Baptiste Say

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Lei sancionada por Lula pode aumentar os custos com autoescola

O presidente Lula sancionou na última quarta-feira, 15, a lei 14.92/24, que estabelece a idade máxima dos veículos destinados à formação de condutores. Tal medida poderá aumentar os custos das autoescolas, já que elas precisarão trocar os veículos utilizados nos cursos de condução com mais frequência. A lei A lei 14.92/24 estabelece a idade máxima […]

Leia Mais
Economia

Isenção do imposto sobre a carne é derrota de Lula, e não sua vitória

Após a inclusão da carne bovina entre os alimentos isentos de impostos ser aprovada no Congresso, Haddad se manifestou afirmando que a decisão seria uma vitória do presidente Lula. No entanto, falas anteriores de Lula sobre tributar carnes nobres mostram que isso não era uma pretensão do petista. Carne isenta de impostos Na última quarta-feira […]

Leia Mais
Economia

Superpopulação: Um Mito Antigo Refutado

O príncipe Philip disse certa vez: “Caso eu reencarne, gostaria de voltar como um vírus mortal, para contribuir de alguma forma para resolver o problema da superpopulação”. O falecido Duque de Edimburgo faleceu em 2021, mas o sentimento histérico que ele expressou sobre a superpopulação continua vivo. Uma pesquisa da YouGov revelou que as preocupações […]

Leia Mais