O governo federal dos EUA estava financiando a pesquisa do suposto “paciente zero” da COVID-19, segundo documentos

Em junho, o The New York Times publicou uma exposição detalhando a tragédia de que talvez nunca saibamos as origens da COVID-19.

“Há três anos, o governo dos Estados Unidos está amarrado em nós sobre as origens da pandemia do coronavírus, frustrado porque o impedimento da China às investigações e a falta de vontade de olhar criticamente para sua própria pesquisa obscureceram o que as agências de inteligência podem aprender sobre se o vírus escapou de um laboratório”, relatou Julian Barnes. “As investigações durante as administrações de Trump e Biden não produziram respostas definitivas.”

O fato de a conversa sobre as origens do vírus estar mudando de “preponderância de evidências” para “respostas definitivas” é, por si só, uma evidência de que podemos estar mais perto de responder ao mistério das origens da COVID do que muitos imaginam.

Paciente zero?

Em novembro de 2019, três pesquisadores de laboratório do Instituto de Virologia de Wuhan, na China, ficaram gravemente doentes, de acordo com um relatório de inteligência dos EUA obtido pelo Wall Street Journal em 2021. Os pesquisadores, cujas identidades não foram reveladas, ficaram tão doentes que foram hospitalizados, segundo o relatório. O momento do evento é digno de nota. O Journal observou que os três trabalhadores do laboratório foram hospitalizados em novembro de 2019, “mais ou menos quando muitos epidemiologistas e virologistas acreditam que o SARS-CoV-2, o vírus por trás da pandemia, começou a circular pela cidade de Wuhan, no centro da China”.

Dois anos depois, as identidades dos três funcionários do laboratório supostamente hospitalizados foram reveladas. Fontes do governo dos Estados Unidos identificaram os três pesquisadores do laboratório como Ben Hu, Yu Ping e Yan Zhu, de acordo com reportagem recente de Michael Shellenberger, Matt Taibbi e Alex Gutentag no Public.

O Atlantic observou a natureza “extraordinária” das descobertas, caso sejam verdadeiras.

“Esses pacientes propostos como SARS-CoV-zero não são meramente funcionários do instituto de virologia; eles são figuras centrais no mesmo tipo de pesquisa que os investigadores de vazamento de laboratório têm examinado desde o início da pandemia”, escreve Daniel Engber. “Seus nomes aparecem em documentos cruciais relacionados à descoberta de novos coronavírus relacionados à SARS em morcegos e à subsequente experimentação com esses vírus.”

O nome de Hu é especialmente importante. O homem que muitos estão chamando de “paciente zero” não trabalhava apenas no Wuhan Institute of Virology. De acordo com documentos publicados pelo White Coat Waste Project, obtidos por meio de uma solicitação da FOIA, Hu estava recebendo dinheiro de subsídios dos EUA para realizar pesquisas de ganho de função em coronavírus.

“O financiamento veio em três bolsas totalizando US$ 41 milhões, distribuídas pela USAID e pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, ou NIAID, a agência então dirigida pelo Dr. Anthony Fauci”, relata o Intercept. “Hu está listado como pesquisador nas subvenções.”

Sintomas bastante específicos

Esses não são os únicos detalhes importantes que fazem com que muitos suspeitem que Hu seja o “paciente zero”. Há também o fato de que ele era um dos principais tenentes de Shi Zhengli, uma cientista literalmente chamada de “mulher-morcego” por sua extensa pesquisa sobre vírus retirados de morcegos em cavernas. E há ainda o fato de que informações não divulgadas dizem que os funcionários doentes do laboratório perderam o olfato – um dos sinais reveladores da COVID.

“Isso não prova clinicamente que eles tinham COVID, mas são alguns sintomas bem específicos”, observou Josh Rogin, do Washington Post, em uma entrevista com Bari Weiss.

Por fim, como observa a Science, Hu é um “suspeito atraente” porque “foi o autor principal de um artigo de 2017 na PLOS Pathogens que descreve um experimento que criou vírus quiméricos combinando genes para proteínas de superfície de coronavírus de morcego que não cresciam em culturas com o genoma de um que crescia. Esse artigo foi alvo de intenso escrutínio porque foi parcialmente financiado pelos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA (NIH)…”.

Nada disso é uma “resposta definitiva”, é claro. E Hu afirma que toda a história é uma “notícia falsa”.

“As notícias recentes sobre o chamado ‘paciente zero’ na WIV são absolutamente rumores e ridículas”, escreveu Hu em um e-mail para a Science. “No outono de 2019, eu não estava doente nem apresentava nenhum sintoma relacionado à COVID-19.”

O fato de Hu negar envolvimento no incidente não é surpreendente.

“As negações de culpabilidade e a rejeição de provas por uma pessoa provavelmente culpada não podem ser levadas ao pé da letra”, disse o professor Richard H. Ebright, biólogo molecular da Rutgers.

Arma fumegante?

O fato de os responsáveis pela pandemia mais mortal em um século não quererem assumir a responsabilidade por ela não deveria nos surpreender. E não estou falando apenas de Ben Hu.

Há poucos motivos para acreditar que o governo chinês seria solícito se sua investigação determinasse que eles eram responsáveis pela COVID-19. Da mesma forma, há poucos motivos para acreditar que o governo dos EUA, que estava financiando a pesquisa do coronavírus na China, também estaria ansioso para chegar à verdade.

Não vamos nos esquecer de que houve um esforço sério do governo dos EUA para impedir que os americanos especulassem abertamente sobre a teoria do vazamento do laboratório. Em fevereiro de 2021, quase certamente a mando de agências federais, que estavam trabalhando com plataformas de mídia social para combater a “desinformação” sobre a COVID-19, o Facebook anunciou que removeria publicações que sugerissem que “a COVID-19 é produzida ou fabricada pelo homem”. Meses mais tarde, depois que se tornou amplamente aceito que a teoria do vazamento de laboratório não era “uma ideia maluca”, o Facebook foi forçado a voltar atrás.

Hoje, muitas agências do próprio governo federal admitem que a teoria do vazamento de laboratório não é apenas possível, mas a causa mais provável da COVID.

“O Departamento de Energia e o Federal Bureau of Investigation avaliam que um incidente associado a um laboratório foi a causa mais provável da primeira infecção humana com o SARS-CoV-2”, constatou um relatório do Office of the Director of National Intelligence.

De fato, está surgindo uma preponderância de evidências que apontam para o laboratório de Wuhan, e Hu pode vir a ser a chave.

“É um divisor de águas se for possível provar que Hu ficou doente com a COVID-19 antes de qualquer outra pessoa”, disse Jamie Metzl, ex-membro do comitê consultivo de especialistas da Organização Mundial da Saúde sobre edição do genoma humano, à Public. “Essa seria a ‘arma fumegante’. Hu era o principal pesquisador prático no laboratório de Shi.”

Tonto com o sucesso

O fato de que a pandemia mais mortal em um século pode ter sido desencadeada por cientistas que realizam pesquisas genéticas arriscadas em busca de um “bem maior” não deveria nos surpreender.

“Muitos dos atos mais monstruosos da história da humanidade foram cometidos em nome do bem – em busca de algum objetivo ‘nobre'”, observou certa vez o filósofo Leonard Read.

Também não devemos nos surpreender se for descoberto que o governo chinês (com a ajuda dos EUA) foi o responsável. Os governos têm sido responsáveis pelas piores atrocidades da história, geralmente quando usam a força coletiva para promover a utopia. Isso inclui genocídios famosos como o Holocausto, o Holdomor e o Grande Salto Adiante de Mao, mas também políticas eugênicas que esterilizaram à força dezenas de milhares de americanos para criar uma “raça mais pura”.

Há meio século, F.A. Hayek alertou sobre o fato de a humanidade estar se tornando essencialmente bêbada – “tonta de sucesso” – em sua fé nas ciências físicas, “o que tenta o homem a tentar… submeter não apenas nosso ambiente natural, mas também nosso ambiente humano ao controle de uma vontade humana”. Ele temia que a fé da humanidade em sua capacidade de controlar o mundo físico fizesse com que aqueles que o controlassem fossem “destruidores de uma civilização”.

Hayek estava se referindo ao coletivismo quando fez essas observações em seu discurso de premiação do Prêmio Nobel, mas é uma arrogância semelhante à de Frankenstein que se esconde na pesquisa de ganho de função, que o NIH continuou a realizar apesar dos avisos e das pausas.

Se a teoria do vazamento do laboratório se revelar verdadeira, não espere que esses funcionários sejam mais abertos do que Ben Hu.

Artigo escrito por Jon Miltimore, publicado em AIER e traduzido e adaptado por @rodrigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sinais eletromagnéticos no cérebro
Política

A “Síndrome de Havana” é uma agressão russa ou outra teoria da conspiração da mídia?

Na noite de domingo, o programa 60 Minutes da CBS publicou um segmento sobre a série de episódios médicos misteriosos sofridos por oficiais de inteligência dos Estados Unidos e funcionários do governo que receberam o apelido de “Síndrome de Havana”. Por quase uma década, as autoridades e suas famílias relataram ouvir sons repentinos de zumbidos […]

Leia Mais
Lula Macron Urânio
Política

Governo Lula assina acordo com a França para explorar urânio no Brasil

Representantes dos governos brasileiro e francês assinaram nesta quinta-feira (28), em Brasília, um acordo que prevê colaboração para geração de energia nuclear. Segundo reportagem da CNN, um dos destaques do texto do acordo é um entendimento para a exploração de reservas de urânio no Brasil. O acordo é de grande interesse para o governo francês, […]

Leia Mais
Lula e Maduro
Política

De forma inesperada, governo Lula endurece o tom contra governo Maduro na Venezuela

De forma inesperada, O governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) endureceu o tom com o governo venezuelano de Nicolás Maduro, tradicional aliado das gestões petistas. A repreensão do governo foi feita por meio de uma nota divulgada na última terça-feira (26/3), pelo Itamaraty, onde foi manifestada uma preocupação com o andamento das eleições […]

Leia Mais