O problema com o tradicional “espectro político” ensinado nas escolas

Espectro político

Tempo estimado de leitura: 11 minutos

Em aulas sobre Governo e Ciência Política, com poucas exceções, os alunos do ensino médio e da faculdade aprendem que o chamado “espectro político” (ou espectro “político/econômico”) é assim: Comunismo e socialismo estão na esquerda, o capitalismo e o fascismo estão na direita. Várias misturas dessas coisas estão em algum lugar no meio:

Isso não é apenas falso e enganoso, é também idiotice. Jogue-o na lixeira e exija um reembolso do professor que o apresentou como fato ou como qualquer tipo de ferramenta educacional perspicaz.

No mínimo, um espectro como esse deveria levantar algumas questões difíceis. Por que socialistas e fascistas deveriam ser retratados como opostos virtuais quando compartilham tanto em comum – desde seus princípios intelectuais fundamentais até seus métodos de implementação? Se um espeyctro político deve ilustrar uma gama de relações entre o indivíduo e o Estado, ou o próprio tamanho e escopo do Estado, então por que os sistemas de Grande Estado/Pequenos Indivíduos estão presentes em ambas as extremidades?

Em qualquer outro tópico, as duas extremidades de um espectro representariam opostos. Digamos que você queira ilustrar uma escala para estupidez. Seria assim:

Qual seria o sentido de “Extremamente Estúpido” aparecer tanto na extremidade esquerda quanto na extremidade direita da escala?

Pelo mesmo motivo, você só criaria confusão com um espectro parecido com este:

Se você quisesse representar uma gama de opções com relação ao tamanho do governo, uma gama mais significativa seria esta:

Voltemos ao Esboço 1, o espectro que é mais frequentemente apresentado aos alunos como um evangelho. Esse é um dos principais motivos pelos quais muitas pessoas pensam que o comunismo de Lênin e Stalin era diametralmente oposto ao fascismo de Hitler e Mussolini (mesmo que as pessoas que viveram sob esses sistemas não consigam perceber muita diferença).

Devo dizer que, em primeiro lugar, não sou fã de espectros como um dispositivo de compreensão, especialmente quando aqueles que os constroem inserem termos ao longo do intervalo que não são compatíveis com o que o intervalo deve representar. O capitalismo, por exemplo, não é um sistema político; é um sistema econômico. É totalmente possível (embora incomum e, em última análise, instável) que um monopólio político de partido único permita um grau considerável de liberdade econômica. Mas meu objetivo aqui é lidar com o espectro político/econômico defeituoso que a maioria dos alunos aprende.

Meu argumento é que, se o comunismo, o socialismo, o fascismo e o capitalismo aparecem na mesma linha, é terrivelmente enganoso e totalmente inútil colocar os dois primeiros à esquerda e os dois segundos à direita. A colocação que faz mais sentido é esta:

A perspectiva representada no Esboço 5 imediatamente suscita controvérsias porque suas implicações são bem diferentes das que normalmente são ensinadas aos alunos. As objeções inevitáveis incluem estas três:

  • 1 O comunismo e o fascismo não podem estar próximos um do outro porque os comunistas e os fascistas lutaram amargamente entre si. Hitler atacou Stalin, por exemplo!

Essa objeção é equivalente a afirmar que “Al Capone e Bugs Moran se odiavam e lutavam entre si, portanto, não podem ser considerados gângsteres”. Ou: “Como a Argentina e o Brasil competem tão ferozmente no futebol, ambas as equipes não podem ser compostas por jogadores de futebol”.

Tanto o comunismo quanto o fascismo demonstram, na prática, uma consideração extremamente baixa pela vida e pelos direitos de seus povos. Por que alguém deveria esperar que seus praticantes fossem gentis uns com os outros, especialmente quando são rivais por território e influência no cenário mundial?

Devemos nos lembrar de que Hitler e Stalin eram aliados antes de serem inimigos. Eles concordaram secretamente em dividir a Polônia em agosto de 1939, o que levou diretamente à Segunda Guerra Mundial. O fato de Hitler ter se voltado contra Stalin dois anos depois nada mais é do que a prova do provérbio: “Não há honra entre ladrões”. Os ladrões continuam sendo ladrões, mesmo que roubem uns dos outros.

  • 2 No comunismo, como Karl Marx o definiu, o governo “murcha”. Portanto, não pode ser alinhado estreitamente com o socialismo porque o socialismo envolve muito governo.

A concepção de comunismo de Marx é pior do que puramente hipotética. É pura loucura. A ideia de que os déspotas absolutistas da toda-poderosa “ditadura proletária” um dia simplesmente abandonariam o poder não tem precedentes nem lógica por trás. Mesmo como uma profecia, ela leva a credulidade ao ponto de ruptura.

Leia também: Por que o socialismo não funciona?

O comunismo está no meu Esboço 5 e aparece onde aparece porque, na prática, é apenas um pouco mais radical do que o pior socialismo. É a diferença entre o assassino e totalitário Khmer Vermelho do Camboja e, digamos, o socialismo da Cuba de Castro.

  • 3 O comunismo e o fascismo são radicalmente diferentes porque, em seu foco, um é internacionalista e o outro é nacionalista (como no “nacional-socialismo” de Hitler).

Grande coisa. Novamente, chocolate e baunilha são dois sabores diferentes de sorvete, mas ambos são sorvetes. Foi algum consolo para os franceses, noruegueses ou poloneses o fato de Hitler ser um
nacional socialista nacional em vez de um socialista internacionalista? Fazia alguma diferença para os etíopes o fato de Mussolini ser um nacionalista italiano em vez de um internacionalista soviético?

A confusão sem fim persiste na análise política por causa da falsa dicotomia que o espectro convencional (Esboço 1) sugere. As pessoas são ensinadas a pensar que os fascistas Mussolini e Hitler eram opostos polares dos comunistas Lênin, Stalin e Mao. Na verdade, porém, todos eles eram ervilhas na mesma vagem coletivista. Todos eles alegavam ser socialistas. Todos eles buscavam concentrar o poder no Estado e glorificar o Estado. Todos eles pisavam em indivíduos que não queriam nada mais do que perseguir suas próprias ambições em um comércio pacífico. Todos eles denegriram a propriedade privada, seja por meio da apreensão total ou da regulamentação para servir aos propósitos do Estado.

Não acredite em minha palavra. Considere estas observações dos dois principais chefes fascistas, Adolf Hitler e Benito Mussolini. Pergunte a si mesmo: “Essas observações são materialmente diferentes do que Lênin, Stalin e Mao – ou mesmo Marx – acreditavam e diziam?”

Em um discurso de 24 de fevereiro de 1920, descrevendo o Programa Nazista de 25 Pontos, Hitler proclamou: “O bem comum antes do bem individual!”

Em um discurso na Câmara dos Deputados da Itália, em 9 de dezembro de 1928, Mussolini declarou: “Tudo dentro do Estado, nada fora do Estado, nada contra o Estado!”

“Para deixar bem claro”, disse Hitler em uma entrevista de 1931 com o jornalista Richard Breitling, um programa central de seu partido era “a nacionalização de todas as empresas públicas, em outras palavras socialização ou o que é conhecido aqui como socialismo …o princípio da autoridade. O bem da comunidade tem prioridade sobre o do indivíduo. Mas o Estado deve manter o controle; todo proprietário deve se sentir um agente do Estado; é seu dever não fazer mau uso de suas posses em detrimento do Estado ou dos interesses de seus compatriotas. Esse é o ponto principal. O Terceiro Reich sempre manterá o direito de controlar os proprietários de imóveis.”

“É isso que propomos agora ao Tesouro”, anunciou Mussolini em 19 de junho de 1919. “Ou os proprietários se expropriam, ou convocamos as massas de veteranos de guerra para marchar contra esses obstáculos e derrubá-los.”

Menos de duas semanas antes (em 6 de junho de 1919), o futuro Il Duce praticamente plagiou O Manifesto Comunista quando disse: “Queremos uma tributação extraordinariamente pesada, com caráter progressivo, sobre o capital, que representará uma autêntica expropriação parcial de toda a riqueza; apreensão de todos os bens das congregações religiosas e supressão de todas as receitas eclesiásticas episcopais”.

Esta frase do discurso do Dia do Trabalho de Hitler no Campo Aéreo de Templehof em 1934 poderia ter vindo diretamente de Lênin: “O martelo se tornará mais uma vez o símbolo do trabalhador alemão e a foice o sinal do camponês alemão.”

Esse é o mesmo fanático socialista que declarou em um discurso de 5 de outubro de 1937: “Há uma diferença entre o conhecimento teórico do socialismo e a vida prática do socialismo. As pessoas não nascem socialistas, mas devem primeiro ser ensinadas a se tornarem socialistas”. (Observação: comunistas e fascistas têm em comum a hostilidade à educação particular e domiciliar).

Mussolini afirmou que “há muitas afinidades intelectuais entre nós” (socialistas do tipo comunista e socialistas do tipo fascista). Na mesma entrevista, em 1921, ele disse: “Amanhã, fascistas e comunistas, ambos perseguidos pela polícia, podem chegar a um acordo, afundando suas diferenças até que chegue o momento de compartilhar os despojos… Como eles, acreditamos na necessidade de um estado centralizado e unitário, impondo uma disciplina de ferro a todos, mas com a diferença de que eles chegam a essa conclusão por meio da ideia de classe, e nós, por meio da ideia de nação”.

Hitler declarou certa vez: “O nacional-socialismo é a determinação de criar um novo homem. Não existirá mais nenhuma vontade arbitrária individual, nem reinos nos quais o indivíduo pertença a si mesmo. O tempo da felicidade como um assunto privado acabou”. Em 1932, sua alma gêmea fascista, Mussolini, ecoou o bolchevique mais doutrinário quando declarou: “Era inevitável que eu me tornasse um ultra socialista, um blanquista, de fato um comunista. Eu carregava um medalhão com a cabeça de Marx em meu bolso. Acho que o considerava uma espécie de talismã… [Marx] tinha uma profunda inteligência crítica e, em certo sentido, era até mesmo um profeta.”

O mesmo Mussolini aconselhou o empresário e político americano Grover Whalen em 1939: “Você quer saber como é o fascismo? É como o seu New Deal!” Ele se referia ao planejamento central, aos mandatos anticapitalistas e aos impostos altíssimos de Franklin Roosevelt.

E assim por diante. Com base no que eles disseram e no que fizeram, é ridículo separar o fascismo da esquerda e fazer com que ele seja apenas uma forma purificada do capitalismo liberal clássico. Se você insistir em usar o espectro convencional, conforme descrito no Esboço 1, estará se enganando quanto às diferenças entre o comunismo e o fascismo. Ambos são socialistas. As diferenças reais se resumem a uma fachada minimalista. Até mesmo seus principais implementadores disseram isso.

Em vez de usar gráficos de espectro falhos e simplistas, vamos julgar os sistemas políticos e econômicos por quem eles dão poder – o Estado ou o indivíduo. Isso torna as coisas muito mais claras.

Artigo escrito por Lawrence W. Reed, publicado em FEE.org e traduzido e adaptado por @rodrigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Haddad afirma que memes que estão criando sobre ele são baseados em “desinformação”

Os memes feitos em crítica ao aumento de impostos atribuído ao ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), estão tomando conta da internet no Brasil. O ministro, porém, afirma que tais memes em crítica a ele são baseados em “desinformação“. Os memes Após a criação de novos impostos, o ministro Haddad se tornou alvo de diversos […]

Leia Mais
Política

Aumenta a pressão sobre Biden para que ele repense sua candidatura

Na quarta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, viu crescer a pressão para que reconsiderasse sua candidatura à reeleição, que é questionada tanto por membros de seu partido quanto por apoiadores importantes, como o ator George Clooney. Em meio à cúpula da OTAN, que de terça a quinta-feira reúne em Washington os chefes de […]

Leia Mais
Política

O Fórum Econômico Mundial ainda está conspirando contra sua liberdade

Em janeiro passado, a elite da humanidade se reuniu novamente em Davos, na Suíça, para planejar o resto de nossas vidas. Os líderes do Fórum Econômico Mundial (FEM) são moralmente superiores porque se dedicam a destruir sua liberdade de salvar a Terra ou, pelo menos, proteger o habitat das plantas. Sessenta chefes de governo de […]

Leia Mais