sexta-feira, fevereiro 3, 2023

O que acontece quando você pesquisa no Google ‘capitalismo combate o racismo’

Somos levados a crer que o livre mercado é a força responsável por tanta injustiça, racismo e desigualdade que se observa no mundo moderno. Mas será isso verdade?

Se você procurar “o capitalismo combate o racismo” no Google, os principais resultados da pesquisa mostrarão artigos como esse: “O Capitalismo é Racista“, “Capitalismo sem racismo: Ciência ou Fantasia“, e, “A Ascensão do Capitalismo e o Surgimento do Racismo“.

Lendo esses títulos, parece que o modelo econômico mais triunfante que o mundo já viu está enraizado numa estrutura racista e hegemônica destinada a beneficiar os senhores dominantes da sociedade. É bom que tenhamos o Google para abrir nossos olhos para esse sistema desumano.

Brincadeiras à parte, a sociedade ocidental (pós)moderna vê o capitalismo como o elefante muito feio na sala; não quer admitir que é uma engrenagem crucial que mantém a civilização funcionando, e preferiria cobiçar sonhos impossiveis como o socialismo por meio de óculos fortemente tingidos de rosa.

Somos levados a acreditar que o mercado livre é a força responsável por tanta injustiça, racismo e desigualdade que se vê no mundo moderno. Mas será isso verdade?

O que o capitalismo tem feito

O fato é que o capitalismo como sistema sempre foi uma força do bem, e isso inclui a história tumultuada dos Estados Unidos. Mesmo durante as eras da Reconstrução e do Jim Crow, períodos que viram abusos desenfreados dos direitos civis perpetrados contra as comunidades negras, o capitalismo foi a graça salvadora, ajudando as pessoas a superar sua situação, a adversidade que enfrentavam, e uma cultura ainda cambaleante dos efeitos da guerra civil.

Como Milton Friedman afirmou em seu livro Capitalismo e Liberdade:

“É um fato histórico impressionante que o desenvolvimento do capitalismo tem sido acompanhado por uma grande redução na medida em que determinados grupos religiosos, raciais ou sociais têm operado sob desvantagens especiais em relação às suas atividades econômicas; têm, como diz o ditado, sido discriminados”.

Com forças na mídia social, redes de legados, e o governo trabalhando para minar a idéia de que o capitalismo é uma força para promover a liberdade individual e a agência, é importante revisitar algumas histórias de como o mercado livre tirou as pessoas da pobreza e combateu o racismo.

O Pai de Harlem

Philip A. Payton (1876-1917) era um empresário imobiliário negro do século XX de Harlem, Nova York. A segregação de fato ainda estava presente nas cidades americanas na época. Manhattan não era exceção. Com sua aquisição de unidades em brownstone depois que várias famílias brancas se mudaram, Payton agiu para fornecer mais moradias a inquilinos negros no Upper West Side. Considerando a tensão racial do período de tempo, é seguro dizer que os proprietários não estavam muito contentes com isso.

Philip A. Payton. Fonte: Westfild State University

A Hudson Realty Company pretendia resegregar a área, comprando as unidades de propriedade negra e despejando os inquilinos. Payton devolveu o favor às unidades de propriedade branca, e ofereceu-as aos locatários negros anteriormente despejados. Payton prevaleceu no final, já que a Hudson Reality desistiu de seu objetivo de resegregação. Mais tarde foram feitas tentativas por associações imobiliárias que usaram qualificações raciais para impedir o aluguel de famílias negras, mas também foram solidamente espancadas por Payton e outros empresários negros que foram inspirados por seu exemplo.

A Companhia Imobiliária Afro-Americana de Payton cresceu para US$1 milhão em ativos e ajudou numerosas famílias negras a se mudarem para áreas onde queriam viver – não apenas para onde a cidade as relegava. Ele usou o mercado livre e a demanda por melhores moradias para prestar um serviço à sua comunidade. Apesar dos obstáculos raciais, Payton prevaleceu porque, no final das contas, ele entendeu que a discriminação não é compatível com a vontade do povo. Como ele disse uma vez em uma propaganda: “O próprio preconceito que até agora tem funcionado contra nós pode ser transformado e usado para nosso lucro”.

A Rainha dos Cosméticos

Sarah Breedlove nasceu na Louisiana, apenas quatro anos após a Proclamação de Emancipação ter sido assinada pelo Presidente Abraham Lincoln. Tendo ficado órfã aos sete anos de idade e forçada à servidão doméstica para sobreviver, Breedlove tinha uma visão muito sombria desde cedo para sua vida. Ela se lembraria mais tarde como ela, “…teve pouca ou nenhuma oportunidade quando eu comecei…tendo ficado órfã e estando sem mãe ou pai…”.

Sarah Breedlove. Fonte: Pinterest

Apesar disso, a Breedlove continuaria a trabalhar duro e eventualmente desenvolveria sua própria linha de tratamento de cabelo. Como o mercado afro-americano era largamente negligenciado na época, a Breedlove aproveitou a oportunidade para atender a uma população crescente, e começou a vender seus próprios produtos para o cabelo.

Mais tarde ela ficaria (famosa) conhecida como “Madame C.J. Walker” depois de se casar com Charles Walker em 1906. Assim como o petróleo recém-lavado, seus negócios se expandiram rapidamente, encontrando tração em comunidades negras em todo o país. Uma pequena operação cresceu para incluir uma fábrica, uma escola de beleza, e um salão de cabeleireiro. C.J. Walker era conhecida por contratar mulheres para cargos de alta direção e de pessoal, algo insondável na época. No auge da empresa, notou-se que vários milhares de mulheres eram empregadas como agentes de vendas, e incontáveis mais treinadas no cuidado do cabelo.

A empresa da senhora Walker teria valido cerca de 10 milhões de dólares na moeda de hoje. Ela é a primeira mulher milionária autodidata da história americana – um feito incrível por seu próprio mérito, mas ainda mais surpreendente uma vez que a senhora fatoriza que ela viveu durante uma época em que os negros ainda eram vistos como cidadãos de segunda classe. Walker tomou a adversidade que viveu e construiu um negócio, literalmente, do zero. Sem a cultura empresarial subjacente e o sistema de livre mercado, que é dizer se sua empresa teria sequer sido formada.

Encomenda por correio lutou contra Jim Crow

A marcha para a liberdade que culminou com a Lei dos Direitos Civis de 1964 conjuga imagens de marchas, de sit-ins e do famoso discurso do MLK no National Mall. Um aspecto menos conhecido foi o surgimento de mercados alternativos que ajudaram a recuar contra políticas econômicas racistas, que em última instância procuraram restringir, e não promover, os mercados. Sob Jim Crow, as comunidades negras foram restringidas em suas decisões de compra pública. Eles eram impedidos de ir a certas lojas, restaurantes, e lugares comunitários. Se eles conseguiam comprar mercadorias de uma loja de propriedade dos brancos, eram recebidos com comentários racistas, tons condescendentes, e até mesmo preços predatórios.

A Sears revolucionou a experiência do comprador com o uso de catálogos, permitindo que os consumidores encomendassem mercadorias por correio para suas casas. Isso colocou a empresa em enorme vantagem, expandindo seu mercado, servindo a muitos milhares de clientes a mais do que uma típica loja de tijolo e cimento poderia. Tomada como certa hoje, a idéia de encomendar e receber seu produto sem sair de sua casa foi uma novidade – e uma potencial invenção para salvar vidas – para as famílias do século XX.

Essa inovação permitiu que os negros do sul pudessem encomendar produtos que de outra maneira não estariam disponíveis em suas lojas segregadas. Com a venda por correspondência, os clientes negros também não tinham que experimentar o racismo e a desumanidade que experimentaram durante alguns passeios públicos; eles podiam encomendar o que quisessem quando quisessem, assim como a média dos brancos da época. A inovação capitalista não só funcionou em benefício das empresas envolvidas, mas também serviu para trazer valor a diversas comunidades; nesse caso, ela funcionou como uma fuga para tantos consumidores negros constrangidos por Jim Crow.

Algo a ser lembrado

Estas são apenas algumas histórias de como o capitalismo de mercado livre ajudou a empurrar as pessoas acima do racismo sob o qual muitas vezes viviam. Os legados de Madame Walker, Philip Payton, e muitos outros empresários negros do século XX vivem até hoje. Com multimilionários e bilionários como Rihanna, Beyonce, Kanye West, Drake, Oprah Winfrey, Tyler Perry, Jay Z, Michael Jordan, é claro que o capitalismo é uma força socioeconômica que capacita as pessoas a inovar para melhorar a si mesmas e suas comunidades, em vez de ser o fornecedor do racismo moderno e da injustiça, como o Google o levaria a acreditar.

Artigo escrito por Connor Vasile, publicado em FEE.org e traduzido e adaptado por

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceFEE.org
spot_img

CONFIRA