sexta-feira, maio 20, 2022

O Renascimento do corporativismo, por Samuel Edward Konkin III

O que Rollerball e Network, as Seven Sisters e Rupert Murdoch, Ayn Rand, Robert LeFevre, Sy Leon e Libertarian Connection têm em comum? Todos são indicadores de um mal-estar no atual movimento libertário que poderia muito bem salvar o Estado.

Cinco anos atrás, no final do antigo rothbardianismo, o movimento libertário foi arrebatado pelo revisionismo anticorporativista. Gabriel Kolko, por seu ‘Triumph of Conservantism‘ (‘O Triunfo do Conservadorismo‘), tornou-se tão recomendado quanto Rand, Rothbard e Mises para os recém-chegados. Rothbard nos incentivou a ler ‘The Higher Circles‘ (‘Altos Círculos‘), de G. Wiliam Domhoff, para estudar como os ricos administravam o Estado para seus próprios interesses corporativos – em oposição ao livre mercado: a plutocracia!

No verão de 1972, a Nova Esquerda estava morta (Murray disse isso), McGovern era uma ameaça maior do que Nixon (Murray falou novamente) e a Aliança Libertária Radical, que esbravejou contra os plutocratas e procurou vigilantemente qualquer tipo de colaboração entre libertários e “capitalistas de estado”, foram transformados em “jovens republicanos por Proxmire” (Edward William Proxmire foi um senador democrata que ficou famoso por condenar “gastos desnecessários” do governo) e os “cidadãos por uma república reestruturada”.

Como de costume, a Reason Magazine, cinco anos atrasada em relação ao resto do Movimento, só agora está lidando com a “história revisionista”. Mas desta vez, pode realmente ser hora de reviver a cruzada anticorporativista entre os libertários, ainda que por apenas duas razões: a posição está correta e a hora é certa. Deixe-me fazer backup de ambos os pontos.

Até o outono passado, eu presumia que a relação da corporação com o Estado era bem compreendida pela maioria dos libertários. Então eu ouvi uma palestra no Libertarian Supper Club de Los Angeles por James Carbone, um cientista e neogalambosiano, agora no conselho de diretores da First Libertarian Church. A atitude de Carbone em relação às corporações, nas quais ele era profundamente envolvido como diretor de pesquisa científica, era ingênua, mas honestamente questionadora. O que o resto de nós libertários pensava das corporações?

Para minha total surpresa e consternação, Robert LeFevre e Seymour Leon, duas grandes armas da Costa Oeste do libertarianismo radical, na verdade defenderam o conceito corporativo. Quando Neil Schulman e eu oferecemos as análises iniciais do Velho Rothbardianismo (ou Libertário Radical), encontramos incredulidade e resistência da maioria do público – um público dividido em dois, em sua maioria cansados e do tipo “já ouvi tudo isso antes”.

O que finalmente podemos concordar como ponto de partida é que a incorporação e a responsabilidade limitada não devem ser impostas por lei – mas LeFevre, Leon e outros realmente acreditam que a ficção de “responsabilidade corporativa” substituindo a responsabilidade individual seria voluntariamente aceita em um mercado livre. (Mal posso esperar até abordarmos a questão da “reserva fracionária” para os bancos!)

As corporações não são uma criação do mercado. As sociedades anônimas não são sociedades anônimas. As corporações não são evasivas em torno dos regulamentos do Estado. A única verdade em todos esses mitos é que muitos empresários de livre mercado aceitam incorporação em vez de técnicas contra-econômicas — colaboração em vez de resistência.

Uma sociedade anônima (que é uma instituição de mercado perfeitamente livre) torna-se uma corporação somente por meio da regulamentação estatal. Em primeiro lugar, o Estado declara (contra a verdade aos olhos de todos) que um pedaço de papel (alvará) criou um novo indivíduo onde nenhum nasceu de mulher (ou homem). Mas esse indivíduo não é apenas sem carne, é limitado em responsabilidades – é privilegiado (é o que isso significa) – como em uma concessão de um rei. E, é claro, os alvarás desses “reis” foram o meio pelo qual as corporações surgiram.

O escudo corporativo absorve todas as responsabilidades – como danos causados pela poluição às plantações, não pagamento de dívidas ou inadimplência e assim por diante – até a desintegração (falência). E ainda assim, os verdadeiros seres humanos por trás da ficção estão impunes!

Tanto na teoria – como na prática, funcionou? Bem. Não vou repetir sobre Kolko, Domhoff, C. Wright Mills e outros novamente. Então leia os originais, ou vasculhe as edições anteriores de revistas libertárias para ler as resenhas. E dê uma olhada em James J. Martin, um libertário de credenciais impecáveis (por exemplo, Revisionist Viewpoints ), e a mais recente obra-prima do polêmico Carl Oglesby, The Yankee and Cowboy War.

O Estado central dos Estados Unidos é controlado por um pequeno grupo de homens e mulheres – os Círculos Superiores, a Elite do Poder, a “conspiração” – que se casam em um estrato social, atendem às mesmas funções sociais e pertencem aos mesmos clubes, constituem os membros das principais organizações políticas: Conselho de Relações Exteriores, Comissão Trilateral, Comitê para o Desenvolvimento Econômico, Bilderbergers, etc.

Quer nomes? David Rockefeller e seus amigos acadêmicos Henry Kissinger e Zbigniew Brzezinski (sim, “e”), Príncipe Bernhard (até recentemente) da Holanda e da Royal Dutch Shell, Robert Anderson da ARCO, Lazard Freres e outros “interest controllers” dos Rothschild, os principais nomes dos do JP Morgan, os Kennedys, os DuPonts, Mellons, Pews, Sulzbergers, Sehifts, os outros Rockefellers, Vances, Helms, Sorensons e assim por diante. (Veja New Libertarian Notes #28. “Introduction to the Libertarian Theory of the Ruling Classes” por este autor.)

Os interesses corporativos foram divididos ao longo de linhas seccionais, e de acordo com graus de entrincheiramento, desde a fundação do Estado americano (e mesmo durante a fundação – veja Interpretações Econômicas da Constituição de Charles Beard). Os Morgans e Rockefellers brigaram sobre se deveria haver uma Primeira Guerra Mundial e se uniram para a Segunda Guerra Mundial. Depois vieram os “nouveau riche”, ou devo dizer “nouveaux estatistes”, do Ocidente: William Randolph Hearst, Howard Hughes, os magnatas do cinema, os empresários da computação e as indústrias aeroespaciais, A guerra dos cowboys e dos yanques pela Coréia, Vietnã, Kennedy, Watergate, Nixon. . . aqui estamos hoje.

Mas Hearst, Hughes e Getty estão mortos: certamente os Cowboys não montam mais. Ah, mas olhe além da fronteira americana, para o oeste do Canadá, o Alasca. . . e Austrália. E com certeza, os passeios Rupert Murdoch. O establishment britânico pede que Anderson, da ARCO, salve o venerável livro “Observer” do editor parvenue, mas tudo bem, ele já tem metade do mercado de tablóides em Londres e San Antonio, Texas, e depois Nova York…

Espere um minuto, esse é o país yanque, a casa deles! Murdoch compra o New York Post da decadente Dolly Schiff e depois se muda para Nova York e The Village Voice. Os bajuladores intelectuais yanques correm como galinhas com um salmão defumado solto no galinheiro ou um colégio de cardeais que descobrem que um protestante acabou de comprar o Vaticano – mas sem sucesso, a NYM Co. Despenca e outra luta intercorporativa começa. Quem sabe quais políticos podem ser assassinados ou Watergated desta vez? (Murdoch apoiou Carter, então é Morgan Yankees e Texas Cowboys mais Murdoch vs Rockefeller Yankees e Sun-Belt Cowboys.)

E então poderíamos falar sobre a URSS, Inc., a corporação mais independente do mundo, embora não a mais rica ou mesmo a maior. No entanto, a União Soviética age como uma empresa com uma fábrica e instalações muito grandes (e mão de obra barata) e possui enormes blocos de ações em muitas empresas da Europa Ocidental, Ásia e até americanas.

Não esqueçamos as Seven Sisters: estas são as sete companhias petrolíferas para as quais a OPEP deve vender. Há o Royal Dutch Shell de Rothschild; Petróleo Britânico: Texaco; Golfo; e três empresas Rockefeller (Standard Oil antes da separação): Exxon, Mobil e Standard of California. Desnecessário será dizer que as transações bancárias de petrodólares passam pelo Chase Manhattan (banco do David Rockefeller).

Basta. Será que ninguém vê isso? Como levar a mensagem às massas?

Tarde demais — eles já receberam a mensagem. Enquanto os libertários têm se agarrado ao competente ídolo capitalista de Rand (John Galt) ou seguido aqueles “hippies da direita” como Skye D’Aureous e Natalee Hall, da Libertarian Connection, e outros mencionados anteriormente, nem percebem o problema, Hollywood lançou dois excelentes filmes que retratam a possibilidade de a Corporação finalmente absorver todo o Estado.

Rollerball em 1975 mostrou a distopia de forma clara, com um herói que se assemelha à liberdade e ao individualismo e luta sozinho contra o inimigo.

O ano de 1976 nos deu a Rede. Além de ter uma excelente sátira na televisão e apresentar o melhor retrato midiático de um marxista (negro e mulher, nada menos que isso), o filme explicita a filosofia corporativista.

A mensagem é “as formas atuais de governo apenas atrapalham”.

A esta altura, você pode perceber aonde estou chegando, e você pode realmente se encolher. Algum candidato do Partido Libertário (ou metade dos libertários não partidários, nesse caso) não saudaria a substituição dos atuais Estados do mundo por corporações multinacionais, tornando assim o “libertarianismo” cooptado por um Novo Estatismo, como o “liberalismo” foi um século atrás?

Existe uma saída para essa confusão. A contraeconomia não pode ser cooptada. Moscou pode estar pronta para o Rollerball – mas tem o maior mercado negro do mundo – e a mentalidade do mercado negro em seu povo (com a possível exceção da Birmânia). E se as corporações não pudessem impor seus monopólios por causa dos contrabandistas? E se os plutocratas não pudessem regular porque todos estavam evitando, evadindo ou infringindo os regulamentos? E se as corporações tivessem sua responsabilidade limitada, o mercado privilegiado murchar à medida que os negócios mudavam para um mercado negro, honesto, justo e entusiasmado?

E, finalmente, e se os executores – sejam policiais da ONU, Guarda Nacional ou agentes estatais – saindo atrás dos culpados, voltassem com histórias de como todos são contra-econômicos – ou talvez eles nem voltassem. . .

  • Escrito por Samuel Edward Konkin III, para a Southern Libertarian Review, sob o título ‘Corporatism Revivus‘1º de dezembro de 1977 e traduzido por Alex Motta para o Gazeta Libertária

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

CONFIRA