sexta-feira, julho 1, 2022

Os controles de preços são a pior solução possível para a inflação

Tratar uma distorção do mercado com outra distorção só tornará o problema pior. Texto por Joe Lancaster

Quase nove em cada dez americanos estão preocupados com a inflação, de acordo com uma pesquisa recente. E eles estão certos em se preocupar: quando a inflação¹ supera o crescimento dos salários, seu dinheiro vale menos. Como acontece com qualquer questão política, as opiniões variam sobre o que pode ser feito em relação à inflação, que atingiu seu nível mais alto desde 1982, em novembro. Mas algumas sugestões simplesmente não valem a pena tentar.

Em um artigo publicado no The Guardian, a professora de economia Isabella Weber argumentou que controles de preços no estilo da Segunda Guerra Mundial são “uma arma poderosa para combater a inflação”. Weber trabalha na Universidade de Massachusetts Amherst, lar de um dos poucos departamentos de economia marxista do país.

Isabella Weber postula que, após o fim da Segunda Guerra Mundial, o presidente Harry Truman suspendeu os controles de preços no tempo de guerra, resultando em “inflação e um ciclo de expansão e queda”. Na época, os economistas o aconselharam a manter alguns limites “estratégicos” para certos preços, argumentando que “enquanto os gargalos impossibilitarem a oferta de atender à demanda, os controles de preços de bens importantes devem continuar para evitar que os preços disparem.”

Weber conclui que, à medida que a pandemia continua a causar problemas na cadeia de abastecimento e a inflação permanece alta, os EUA deveriam impor tais controles estratégicos de preços “direcionados” para permitir que a oferta acompanhe a demanda.

Claro, o que isso ignora são os efeitos reais dos controles de preços durante a Segunda Guerra Mundial. A agência encarregada de definir os preços, o Office of Price Administration, estava terrivelmente despreparada para responder às mudanças dinâmicas na oferta e demanda. Tentou impor um plano único para todos os preços dos alimentos e não conseguiu levar em conta a miríade de necessidades dietéticas de várias regiões e grupos religiosos ou étnicos. Os mercados negros surgiram para satisfazer a demanda que os mercados “legais” não tinham permissão para atender.

Os controles de preços tendem a criar escassez e superávit, independentemente de seus efeitos sobre a inflação. Quando o preço de um produto é muito alto, ninguém pode pagar, criando um excedente. E quando o preço de um produto é definido muito baixo, as pessoas são incentivadas a comprar em excesso e acumular, e o suprimento se esgota. Você não precisa olhar para autocracias distantes como a Venezuela para encontrar exemplos: Nos EUA, os controles de preços levam a custos astronômicos de saúde e à escassez de casas para alugar.

Figuras da direita política têm, sem surpresa, criticado a defesa de Weber sobre o mandato de preços. Mas sua posição é tão sem mérito que também foi criticada por alguns da esquerda política, incluindo o economista vencedor do Prêmio Nobel Paul Krugman (sim, aquele Paul Krugman). Em um tópico do Twitter (já excluído), Krugman chamou o argumento de Weber de “verdadeiramente estúpido”.

O ex-colunista da Bloomberg e professor de finanças Noah Smith também postou em um blog sobre o assunto no fim de semana, assumindo a posição de que o controle de preços seria a resposta errada para a inflação atual. Smith afirma que os controles de preços só seriam realmente apropriados em uma situação em que os preços estivessem subindo por causa de monopólios generalizados, ao invés de nossos gastos atuais e problemas de cadeia de abastecimento. Ele também se refere a um estudo que demonstra que, quando os controles de preços foram instituídos em 1971 para combater a inflação, o fim dos controles em 1974 causou um surto de “recuperação” da inflação.

As enormes despesas do COVID-19 certamente parecem ter aumentado a taxa de inflação. Esperançosamente, alguns dos piores efeitos se dissiparão assim que a cadeia de suprimentos se estabilizar e os fabricantes conseguirem acompanhar a demanda. Mas definir limites artificiais para os preços apenas agravaria o problema.

Nota

  • 1 O autor do artigo evidentemente segue a definição neoclássica de inflação como sinônimo de “alta de preços”. Para entender melhor a definição austríaca, que é a definição correta e percebe a inflação como a expansão da oferta monetária e a alta dos preços como uma de suas consequências, cliquei aqui.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceReason

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

CONFIRA