Pluralismo político, um erro

Todo poder emana do povo e contra ele será exercido.

– Olavo de Carvalho –

Por Matheus Monteiro

A defesa da existência do pluralismo político, ou simplesmente a diversidade de partidos políticos, é uma conclusão coerente com os princípios da democracia. Mas será que realmente deve ser algo desejável?

Atualmente, a defesa da democracia como um valor em si mesmo é algo incontroverso dentre os veículos de mídia mainstream e na educação formal (escolas e ensino superior). E com isso, a suposição de que as políticas de qualquer governo eleito democraticamente têm um mérito per se, por simplesmente de ser quem vence no processo eleitoral.

O foco desse texto não é discutir a validade moral do suposto “consentimento democrático”, do contrato social tradicional, representado pelos Contratualistas como John Locke e Thomas Hobbes, ou o contrato social hipotético por John Rawls e Thomas Scanlon¹. Mas sim analisar como a alternância de poder representa um precedente imoral e pernicioso.

Transigência condicional

Todas as pessoas que são a favor de um tipo de governo, ou medidas políticas específicas, se depararão com um dilema radical de duas opções excludentes, que é:

no caso de haver outro candidato que não o escolhido, ou medidas discordantes à promessa esperada dos agentes eleitos, ou (1) há uma mudança nas posições acerca da justiça do eleitor, ou (2) a democracia teve um subproduto criminoso (se a defesa anterior era pelo que é justo), e moralmente repreensível.

No caso (1), existe um deslocamento do eixo de juízo de justiça próprio para a projeção numa figura pública, ou figura de representação coletiva relacionada, como um partido político. Seja por força de “combater um mal maior”, ou de uma alegada “única possibilidade”, é uma substituição nos ideais e crenças preteridas ou desejadas pelo eleitorado.

As ações dentro do alcance de atuação governamental são hegemônicas, impositivas, e suplantadoras de outras formas de ordem. Assim como não se pode ter um livre mercado regulado, ou a liberação e a proibição do aborto no mesmo território. Pois livre-regulado, e liberado-proibido são predicações que indicam a ausência uma da outra, isto é, são antinômicas. Certos posicionamentos políticos sempre vão excluir outros posicionamentos.

Se um indivíduo defende a liberdade econômica, mas acha normal e aceitável que partidos social-democratas cheguem ao poder, e exerçam forte controle sobre a atividade econômica, ele não defende a liberdade econômica na prática, nem como princípio de justiça, mas como uma concessão do processo democrático. O mesmo vale para o social-democrata que releva medidas contra o welfare state.

Se é verdade ser uma condição invariável da alternância de poder, que as benesses à primeira vista se convertam em outra coisa anteriormente tida com inferior, então estaremos sempre transfigurando a moralidade ao arbítrio estatal. Mas é verdadeiro e sólido, como “assassinar é errado”, à “x política é injusta”, que o certo deveria continuar sendo certo mesmo quando não o fizessem, ou não o apoiassem.

A flexibilidade em relação a aceitação das mudanças de posicionamentos políticos nesses termos, portanto, representa uma forma de leviandade diante das próprias possibilidades do aparato de repressão do Estado. Tratar normas legais aplicadas a toda uma população como algo contingente, dependente da vontade dos governantes, caracteriza crenças morais pouco consistentes e indicia irresponsabilidade.

A alternativa (2) do dilema decorre facilmente da excludência por antinomia mencionada anteriormente; vem também da noção de lei injusta, que poucos acharão uma possibilidade incontroversa, como a escravidão atualmente é quase unanimemente considerada injusta, apesar de já ter se valido por força de lei. E mesmo democraticamente aprovada, continuaria injusta. Vê-se que a democracia não a legitima em última instância, não devendo ela ser um valor absoluto.

Não entrando no mérito de quais são as melhores políticas possíveis. Fato é que o suporte a quem está no poder é sobre suas ações também, quaisquer que sejam. Ademais, o Estado pode ter políticas que em um nível privado e individual seriam consideradas criminosas. Cobrar “tributos” compulsórios de seus vizinhos mediante ameaça de expropriação, para redistribuir de alguma forma para outras pessoas, é um bom exemplo². Isso a título de enfatizar quão más são suas prerrogativas e tendências.


Notas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Haddad afirma que memes que estão criando sobre ele são baseados em “desinformação”

Os memes feitos em crítica ao aumento de impostos atribuído ao ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), estão tomando conta da internet no Brasil. O ministro, porém, afirma que tais memes em crítica a ele são baseados em “desinformação“. Os memes Após a criação de novos impostos, o ministro Haddad se tornou alvo de diversos […]

Leia Mais
Política

Aumenta a pressão sobre Biden para que ele repense sua candidatura

Na quarta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, viu crescer a pressão para que reconsiderasse sua candidatura à reeleição, que é questionada tanto por membros de seu partido quanto por apoiadores importantes, como o ator George Clooney. Em meio à cúpula da OTAN, que de terça a quinta-feira reúne em Washington os chefes de […]

Leia Mais
Política

O Fórum Econômico Mundial ainda está conspirando contra sua liberdade

Em janeiro passado, a elite da humanidade se reuniu novamente em Davos, na Suíça, para planejar o resto de nossas vidas. Os líderes do Fórum Econômico Mundial (FEM) são moralmente superiores porque se dedicam a destruir sua liberdade de salvar a Terra ou, pelo menos, proteger o habitat das plantas. Sessenta chefes de governo de […]

Leia Mais