Por conta do cenário econômico, montadoras paralisam produção no país

Em cenários de recessão econômica, comum são as tentativas do governo de estimular o consumo, almejando estimular a produção. O recente programa do Governo Federal, para baratear os carros populares, é um exemplo de medidas desse tipo. Os resultados, no entanto, não estão surtindo o efeito desejado.

A Volkswagen decidiu suspender temporariamente a atividade de suas três fábricas no Brasil. Em sua planta no Paraná, a produção em dois turnos deve retornarem até cinco meses. Em nota, a empresa anunciou:

“A Volkswagen do Brasil informa que haverá parada de produção em suas fábricas de automóveis por conta da estagnação do mercado. A fábrica de São José dos Pinhais (PR), onde é produzido o T-Cross, está com um turno em layoff desde o dia 5/6/2023 (com duração prevista entre 2 e 5 meses). O outro turno de produção estará parado de 26 a 30/6/2023, em regime de Banco de Horas. A unidade de Taubaté (SP), onde são fabricados o Polo Track e o Novo Polo, estará com os dois turnos de produção interrompidos de 26 a 30/6/2023, também em regime de Banco de Horas. A fábrica Anchieta, em São Bernardo do Campo (SP), onde são produzidos o Novo Virtus, Novo Polo, Nivus e Saveiro, protocolou férias coletivas de dez dias previstas para os seus dois turnos de produção a partir de 10/7/2023.”

A General Motors estima que pode ficar até 10 meses com a produção paralisada em sua fábrica de São José dos Campos, afetando os cerca de 1.200 funcionários que trabalham no local. Os empregados vão receber a integralidade do salário, metade sendo pago pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). A empresa também paralisou por alguns dias a sua produção em Gravataí (RS).

A Hyundai paralisou sua produção na fábrica de Piracicaba (SP) por alguns dias neste semestre. A Renault, também por alguns dias, interrompeu sua linha de montagem em São José dos Pinhais (PR). No início do ano, também foram temporariamente paralisadas as produções da Fiat e Peugeot.

Mesmo com R$ 500 milhões investidos para o programa de incentivo federal, as vendas diárias deste mês são 20% menores que as do mês passado.

A pressão inflacionária afetas as cadeias de suprimentos, bem como o volume de vendas. A escassez de peças também leva ao reajuste do planejamento e controle da produção, a fim de reduzir custos e evitar formar estoques desnecessários.

Gabriel Camargo

Autor e tradutor austrolibertário. Escreve para a Gazeta com foco em notícias internacionais. Suas obras podem ser encontradas em https://uiclap.bio/GabrieldCamargo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MP da tarifa de luz
Economia

Segundo ex-diretor da Aneel, MP assinada por Lula para baixar a conta de energia terá efeito contrário

Segundo Edvaldo Santana, ex-diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica, a medida provisória para baixar o valor da conta de luz, assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na terça-feira (9), tem dispositivos que levarão ao efeito contrário. Segundo Edvaldo Santana e outros especialistas, haverá um aumento da tarifa para os consumidores. A MP […]

Leia Mais
Liga Hanseática
Economia

A Liga Hanseática: Um “Império” do Comércio

Era uma vez um fenômeno medieval do norte, tão sujeito a mitos universais e curiosidade quanto o das encantadoras cidades-república florescentes do sul: a Liga Hanseática dos séculos XIII ao XVI. “O Hansa” (alemão antigo para “associações”) ou “A Liga”, como era conhecido, começou como um tratado entre Lübeck e Hamburgo “para limpar a estrada […]

Leia Mais
Murray Rothbard Pânico de 1819
Economia

Pânico de 1819: A Primeira Grande Crise Econômica dos EUA

Em 1819, se iniciava a primeira grande crise econômica dos EUA. A primeira de muitas das grandes crises que vem abalando a maior economia do mundo. No entanto, essa crise teve algumas características que a diferenciam da maioria das crises subsequentes, como a não intervenção do estado para sua resolução, alem de sua curta duração: […]

Leia Mais