Por que os veículos elétricos estão “se acumulando” nas concessionárias, apesar dos enormes subsídios dos contribuintes

Carros elétricos

A Ford Motor anunciou recentemente que está cortando os preços de seu F-150 Lightning, um veículo elétrico que a empresa lançou em 2021.

O Lightning agora tem um preço de varejo sugerido de US$ 49.995, cerca de US$ 10.000 a menos do que o preço recomendado anteriormente (US$ 59.974), uma redução que a empresa diz ser possível devido aos “custos mais baixos da matéria-prima da bateria e ao trabalho contínuo de escalonamento da produção e do custo”.

É certamente possível que a redução dos custos indiretos dos minerais da bateria e dos custos de produção tenha desempenhado um papel importante na decisão da Ford de reduzir seu preço em quase 20%, mas isso pode ser apenas metade da história.

Vários relatórios mostram que os EVs não estão exatamente saindo dos lotes das concessionárias. De fato, há um excesso deles.

“Após um período prolongado em que os VEs desapareceram rapidamente das concessionárias, o setor de veículos elétricos agora tem o problema oposto: os modelos não vendidos estão se acumulando”, informou a Money na semana passada. “Cerca de 92.000 VEs estão atualmente nos lotes das concessionárias; isso representa um aumento de 342% em relação a um ano atrás, quando apenas cerca de 21.000 estavam lá, de acordo com a empresa de pesquisa automotiva Cox Automotive.”

A Ford não está imune ao enfraquecimento da demanda por veículos elétricos. As vendas de seu carro-chefe, o Mustang Mach-E, caíram 44% em maio em relação ao mesmo mês do ano passado.

O Lightning, que ganhou o título de rei EV das picapes depois que a Ford movimentou quase 16.000 unidades em 2022, teve um desempenho melhor, mas ainda está lutando para acompanhar o ritmo de 2022. E agora a empresa está enfrentando uma nova concorrência acirrada. (Mais sobre isso em um minuto).

Esse não foi o cenário que muitas pessoas previram.

Em abril, a Agência Internacional de Energia divulgou um relatório no qual previa que as vendas de veículos elétricos aumentariam 35% após um ano recorde. Mas os economistas com quem conversei disseram que essas previsões eram excessivamente otimistas, considerando as condições macroeconômicas atuais.

Isso levanta questões importantes. O excesso de veículos elétricos é simplesmente um produto da oferta monetária restrita?

Aparentemente, não. Como observou a Axios, os 92.000 VEs atualmente parados nos lotes são comparativamente altos em relação aos carros movidos a gasolina.

“Isso representa um suprimento de 92 dias – cerca de três meses de VEs e quase o dobro da média do setor”, escreveu Joann Muller. “Para fins de comparação, as concessionárias têm um estoque relativamente baixo de 54 dias de veículos movidos a gasolina….”.

Em outras palavras, as concessionárias estão com muito mais VEs do que veículos movidos a gasolina – apesar dos esforços para incentivar os consumidores a comprar VEs com créditos financiados pelo contribuinte de até US$ 7.500.

Essa é uma evidência de que praticamente todos, desde os planejadores centrais até os fabricantes de automóveis, avaliaram mal a demanda por VEs, que não são tão ecológicos quanto os políticos querem fazer crer.

Os VEs não apenas exigem uma quantidade surpreendente de mineração – estima-se que cerca de 500.000 libras de rochas e minerais devam ser revirados para fabricar uma única bateria, segundo os físicos -, mas sua pegada de carbono não é muito menor do que a dos carros movidos a gasolina.

Na verdade, os veículos elétricos exigem muito mais CO2 para serem produzidos do que os carros movidos a gasolina. Os VEs podem compensar isso, mas isso leva muito tempo, porque os VEs também costumam funcionar com eletricidade gerada por combustíveis fósseis. Quanto tempo? Em 2021, a Volvo admitiu que seu C40 Recharge precisa rodar 70.000 milhas para que seu impacto de carbono seja menor do que o da versão movida a gasolina.

Tudo isso quer dizer que um monte de VEs não utilizados não é apenas uma dor de cabeça financeira para as concessionárias de automóveis e empresas automobilísticas; é também um problema ambiental.

Dito isso, a demanda mais fraca do que o esperado por VEs não significa que o futuro dos veículos elétricos esteja condenado. Pelo contrário, é provável que a demanda por VEs aumente à medida que a tecnologia de baterias e a infraestrutura de VEs melhorem. O Lightning da Ford, por exemplo, tem apenas metade do alcance de sua F-150 movida a gasolina devido à sua bateria pequena – uma preocupação evidente quando as estações de recarga ainda não estão prontamente disponíveis em muitos lugares.

Por enquanto, no entanto, as empresas automobilísticas estão competindo umas com as outras para atrair clientes em um mercado de EV menor do que o previsto. O que me leva a Elon Musk.

Na semana passada, a Tesla lançou seu tão alardeado Cybertruck, que é um desafio direto ao Lightning, e provavelmente desempenhou um papel no corte de preços da Ford.

Os legisladores federais podem ter criado um excesso de EVs com sua intromissão, e isso provavelmente terá um impacto adverso no mercado automotivo e no meio ambiente. Mas uma das virtudes do capitalismo é que os consumidores acabarão decidindo quem ganha e quem perde no mercado de veículos elétricos.

Resta saber se esse será o Cybertruck de Musk ou o Lightning da Ford. De qualquer forma, a concorrência está derrubando os preços, o que é uma vitória para os consumidores que desejam comprar um VE.

Mas o excesso de veículos elétricos no mercado revela o perigo de deixar que os legisladores decidam o que os consumidores devem dirigir.

Artigo escrito por Jon Miltimore, publicado em FEE e traduzido e adaptado por @rodrigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tomate
Economia

Saboreie o gosto da Independência, cultive-a você mesmo!

Cultivar os seus próprios tomates pode ser muito mais gratificante do que o doce sabor da sua colheita. Os benefícios adicionais tradicionais fazem com que muitos de nós regressem estação após estação. Se é um jardineiro, conhece a grande sensação de agir diretamente sobre a natureza para produzir os alimentos que come. Cultivar tomates leva-o […]

Leia Mais
MP da tarifa de luz
Economia

Segundo ex-diretor da Aneel, MP assinada por Lula para baixar a conta de energia terá efeito contrário

Segundo Edvaldo Santana, ex-diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica, a medida provisória para baixar o valor da conta de luz, assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na terça-feira (9), tem dispositivos que levarão ao efeito contrário. Segundo Edvaldo Santana e outros especialistas, haverá um aumento da tarifa para os consumidores. A MP […]

Leia Mais
Liga Hanseática
Economia

A Liga Hanseática: Um “Império” do Comércio

Era uma vez um fenômeno medieval do norte, tão sujeito a mitos universais e curiosidade quanto o das encantadoras cidades-república florescentes do sul: a Liga Hanseática dos séculos XIII ao XVI. “O Hansa” (alemão antigo para “associações”) ou “A Liga”, como era conhecido, começou como um tratado entre Lübeck e Hamburgo “para limpar a estrada […]

Leia Mais