quarta-feira, dezembro 7, 2022

Presidente da Ucrânia afirma que haverá ataque da Rússia na quarta-feira

O acessor do presidente, no entanto, afirmou que a fala do líder foi uma "ironia"

O Secretário de Estado americano Antony Blinken ordenou aos diplomatas estadunidenses, na segunda-feira, que retirassem as operações da embaixada na Ucrânia da capital Kiev devido à “aceleração dramática” da concentração de tropas russas, já que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky declarou um “Dia da Unidade” nacional para quarta-feira – o dia supostamente marcado para um ataque da Rússia.

Blinken anunciou que a sede diplomática dos EUA na Ucrânia se mudaria para a cidade ocidental de Lviv, a cerca de 44 milhas da fronteira com a Polônia. O Wall Street Journal informou que Blinken ordenou a destruição das estações de trabalho de computadores, bem como o desmantelamento do sistema telefônico da embaixada, tornando-o inútil como posto avançado diplomático.

Não tenho maior prioridade do que a segurança e a proteção dos americanos ao redor do mundo, e isso, naturalmente, inclui nossos colegas que servem em nossos postos no exterior”. Minha equipe e eu revisamos constantemente a situação de segurança para determinar quando a prudência dita uma mudança de postura.

disse Blinken em uma declaração.

“A Embaixada continuará engajada com o governo ucraniano, coordenando o engajamento diplomático na Ucrânia”, acrescentou ele. “Estamos também continuando nossos intensos esforços diplomáticos para atenuar a crise”.

Na mesma ordem, Blinken repetiu os apelos da administração Biden para que os americanos ainda na Ucrânia deixassem o país.

Zelensky, que há semanas vem tentando acalmar os avisos dos EUA e seus aliados de um iminente ataque russo, reconheceu num discurso que a Ucrânia foi atingida por informações e ataques econômicos e que um “exército estrangeiro” se reuniu nas fronteiras do país.

“Estamos sendo ameaçados por uma grande guerra, e a data da invasão foi indicada”, disse ele, referindo-se aos comentários dos funcionários da administração Biden de que um ataque poderia ocorrer em algum momento desta semana.

“Nos disseram que 16 de fevereiro será o dia do ataque, mas faremos dele o Dia da Unidade”, acrescentou Zelensky. “Eu já assinei o decreto pertinente. Neste dia, hastearemos bandeiras nacionais em todos os lugares, e usaremos fitas azuis e amarelas para mostrar ao mundo inteiro a nossa unidade”.

Enquanto Zelensky inicialmente parecia estar transmitindo informações confirmadas sobre um ataque russo, Mykhailo Podoliak, um assessor do líder ucraniano, disse à CNN que ele estava sendo “irônico” e meramente repetindo especulações e inferências midiáticas de fontes de inteligências estrangeiras.

Zelensky acrescentou em seu discurso que a Rússia estava “travando uma guerra contra nós em todas as frentes”, construindo sua presença de tropas nas fronteiras da Ucrânia, intrometendo-se em seus assuntos diplomáticos e tentando limitar o fornecimento de gás, eletricidade e carvão em um esforço para “semear o pânico entre cidadãos e investidores através da mídia”.

O líder ucraniano também disse que seu país deseja a paz, mas eles estão prontos para lutar por sua liberdade.

“Todos queremos viver felizes, e a felicidade ama os fortes”. ”Nunca fomos capazes de desistir e não vamos aprender isso”, disse ele.

Zelensky também disse estar agradecido pelo apoio unificado da OTAN e de outros.

Junto com o exército, a diplomacia ucraniana está na vanguarda da defesa de nossos interesses. Conseguimos o apoio diplomático de quase todos os líderes do mundo civilizado”. A maioria deles já visitou e apoiou a Ucrânia, ou o fará em um futuro próximo

disse Zelensky.

Hoje, todos reconhecem que a segurança da Europa e de todo o continente depende da Ucrânia e de seu exército.

concluiu.

Os EUA e seus aliados ocidentais estimam que o presidente russo Vladimir Putin acumulou uma força entre 130.000 e 140.000 soldados ao longo da fronteira ucraniana. As forças russas também estão participando de exercícios militares conjuntos com Belarus, vizinho do norte da Ucrânia, até o final desta semana.

Apesar do aumento das tensões, o secretário de imprensa do Pentágono John Kirby disse aos repórteres na segunda-feira que “ainda não acreditamos que alguma decisão final tenha sido tomada” pelo presidente russo Vladimir Putin sobre a possibilidade de invasão. No entanto, ele acrescentou que “é muito credível pensar que eles teriam tantas tropas espalhadas ao longo da fronteira com a Ucrânia e em Belarus simplesmente para exercícios de inverno”.

Putin insistiu que a concentração de tropas militares não é preparação para uma invasão, mas exigiu que os EUA e seus aliados concordem com uma série de garantias de segurança que incluem impedir que a Ucrânia se torne um membro da OTAN, recuar as tropas da OTAN da Europa Oriental e dar garantias de que os sistemas de mísseis e as tropas não serão implantados dentro da Ucrânia.

Na segunda-feira anterior, o Ministro das Relações Exteriores russo Sergey Lavrov disse, durante uma reunião com Putin, que as discussões sobre as exigências de segurança poderiam continuar.

Não creio que nossas possibilidades tenham sido esgotadas, mas, naturalmente, elas não devem durar infinitamente. No entanto, sugiro que continuemos estes esforços nesta fase

disse Lavrov.

Em Kiev, o chanceler alemão Olaf Scholz disse que não havia “nenhuma justificativa razoável” para o acúmulo militar russo após seu encontro com Zelensky, mas congratulou-se com a perspectiva de conversações contínuas.

“Estamos prontos para um diálogo sério com a Rússia sobre questões de segurança europeia”, disse Scholz, que viajará a Moscou na terça-feira.

Artigo escrito por Mark Moore, publicado no New York Post e traduzido e adaptado por Gazeta Libertária.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA