Privacidade on-line em risco devido ao terrível projeto de lei de regulamentação da Internet no Reino Unido

Reino Unido irá censurar a Internet

Quando visitamos pela última vez o projeto de lei de segurança on-line do Reino Unido, que há muito se arrastava, o assunto em discussão era a ameaça da legislação à liberdade de expressão – um tema comum da legislação europeia contemporânea. Mas o enorme projeto de regulamentação da Internet, que deve se tornar lei em breve, também tem como alvo a criptografia. Isso fez com que as empresas de tecnologia alertassem que o governo britânico ameaça a privacidade de seus cidadãos – e de todo o mundo.

Uma proibição de fato da criptografia

“O Online Safety Bill (Projeto de Lei de Segurança Online), agora no estágio final antes da aprovação na Câmara dos Lordes, dá ao governo britânico a capacidade de forçar backdoors em serviços de mensagens, o que destruirá a criptografia de ponta a ponta”, alertou a Electronic Frontier Foundation (EFF) na semana passada. “Se for aprovada, a Lei de Segurança Online será um grande retrocesso para a privacidade global e para a própria democracia. Exigir software aprovado pelo governo nos serviços de mensagens das pessoas é um precedente terrível. Se a Lei de Segurança Online se tornar uma lei britânica, os danos que ela causará não se limitarão às fronteiras do Reino Unido”.

Por meio de debates contínuos, o Projeto de Lei de Segurança Online passou por alterações, embora nenhuma delas tenha melhorado muito a legislação. Em sua forma atual, o Online Safety Bill permite que o OFCOM, órgão regulador de comunicações da Grã-Bretanha, obrigue os provedores de serviços e mecanismos de busca a “fornecer informações sobre o uso de um serviço por um indivíduo nomeado” e obrigue os provedores a “tomar medidas para que o OFCOM possa acessar remotamente” serviços e equipamentos. De acordo com o projeto de lei, é “uma ofensa” fornecer “informações criptografadas de forma que não seja possível para o OFCOM entendê-las”.

“O projeto de lei, da forma como está redigido, dá ao Ofcom o poder de impor tecnologias específicas (por exemplo, detecção de conteúdo algorítmico) que permitem a vigilância da correspondência privada dos cidadãos do Reino Unido”, de acordo com uma análise jurídica da legislação para o Index on Censorship. “Os poderes permitem que a tecnologia seja imposta com salvaguardas legais limitadas. Isso significa que o Reino Unido seria uma das primeiras democracias a proibir de fato a criptografia de ponta a ponta para aplicativos de mensagens privadas.”

A essas objeções, diz a EFF, o governo do Reino Unido respondeu: “Esperamos que o setor use sua ampla experiência e recursos para inovar e criar soluções robustas para plataformas/serviços individuais que garantam a privacidade e a segurança das crianças, impedindo que o conteúdo de abuso infantil seja compartilhado livremente em canais públicos e privados.”

Empurrão – e desafio

As empresas de tecnologia e os serviços de comunicação que atraem os clientes com garantias de privacidade protegidas por criptografia de ponta a ponta não estão entusiasmados com os desenvolvimentos legislativos no Reino Unido. Empresas como Signal, Threema e WhatsApp escreveram uma carta aberta alertando que “fornecedores globais de produtos e serviços criptografados de ponta a ponta não podem enfraquecer a segurança de seus produtos e serviços para atender a governos individuais. Não pode haver uma ‘Internet britânica’ ou uma versão de criptografia de ponta a ponta que seja específica para o Reino Unido”.

“O governo do Reino Unido deve repensar urgentemente o projeto de lei, revisando-o para incentivar as empresas a oferecer mais privacidade e segurança aos seus residentes, e não menos”, acrescentaram.

Alguns provedores foram além.

Meredith Whittaker, presidente da Signal, sediada nos Estados Unidos, disse que o serviço “se afastaria totalmente” da Grã-Bretanha se o Reino Unido prosseguir com sua proibição de criptografia.

A Tutanota, sediada na Alemanha, respondeu: “Não vamos ‘sair’ do Reino Unido. Também não atenderemos a nenhuma solicitação de backdoor da criptografia”.

“Quando o governo iraniano bloqueou o Signal, reconhecemos que as pessoas no Irã que precisavam de privacidade não eram representadas pelo estado autoritário, e trabalhamos com nossa comunidade para configurar proxies e outros meios para garantir que os iranianos pudessem acessar o Signal”, esclareceu o serviço de mensagens criptografadas. “Assim como no Irã, continuaremos a fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para garantir que as pessoas no Reino Unido tenham acesso ao Signal e às comunicações privadas. Mas não vamos prejudicar ou comprometer as promessas de privacidade e segurança que fazemos às pessoas no Reino Unido e em todo o mundo”.

Na verdade, há uma espécie de competição entre os serviços on-line para dizer ao governo britânico que vá para o inferno. Em abril, a Wikimedia Foundation, que publica a Wikipédia, disse que a enciclopédia on-line não cumpriria os requisitos da Lei de Segurança On-line para verificações de idade.

A liberdade de expressão também está em risco

Como sugere a resistência da Wikimedia aos requisitos de verificação de idade, há podridão no projeto de lei sobre segurança on-line além de seus ataques à privacidade.

“O Projeto de Lei de Segurança Online… estabelece responsabilidades de ‘dever de cuidado’ para as plataformas tecnológicas manterem o que o governo considera ‘danos online’ (que é mais amplo do que apenas conteúdo violento ou pornográfico) fora do alcance das crianças”, alertou Scott Shackford, da Reason, no início deste ano. Naquela época, o projeto de lei tinha acabado de ser “significativamente mais severo, com ameaças de prisão para os gerentes de plataformas tecnológicas que entrarem em conflito com as complicadas regulamentações”.

Como apontado recentemente em um artigo da Reason, os ataques à liberdade de expressão são uma indústria caseira no velho mundo. A Lei de Serviços Digitais da União Europeia entra em vigor este mês, apesar dos avisos de que suas restrições a “conteúdo odioso” nada mais são do que um disfarce para a censura de material on-line que desagrada aos funcionários do governo.

Na Internet, até mesmo a legislação ruim é global

Os comentários de autoridades europeias que ameaçam usar a lei como uma arma contra os oponentes “poderiam reforçar o armamento dos desligamentos da Internet, o que inclui o bloqueio arbitrário de plataformas on-line por governos de todo o mundo”, protestaram 67 organizações em uma carta de 26 de julho.

O perigo da legislação autoritária aprovada por países democráticos nominalmente liberais é que ela pode ser interpretada como uma permissão para restringir as liberdades civis. Esse certamente foi o caso da lei NetzDG da Alemanha contra o discurso de ódio, que foi rapidamente reproduzida após sua aprovação em 2017.

“A reprodução da NetzDG em vários regimes híbridos e autoritários é duplamente problemática – é tanto uma indicação de infiltração autoritária em regimes democráticos quanto um exemplo de aprendizado autoritário com regimes democráticos”, argumentou Isabelle Canaan, da Columbia Law School, em um artigo de 2021.

As leis autoritárias também criam um dilema para as empresas forçadas a decidir entre criar jardins murados para diferentes jurisdições a um custo elevado ou adotar regras restritivas para todos.

Se a Grã-Bretanha aprovar a Lei de Segurança On-line, como parece provável, ela poderá ser mais um ataque à liberdade em todo o mundo, a menos que os serviços on-line mantenham suas armas e tratem o Reino Unido (e outros regimes restritivos) como párias cujas leis devem ser desafiadas.

Artigo escrito por TD Tuccille, publicado em Reason e traduzido e adaptado por @rodrigo

2 respostas para “Privacidade on-line em risco devido ao terrível projeto de lei de regulamentação da Internet no Reino Unido”

  1. Avatar de Alexandre
    Alexandre

    Oportunidade para Matrix/Element crescer.

  2. Avatar de Nikus
    Nikus

    Leis assim vão levar cada vez mais ao anonimato extremo e à criação de programas e aplicativos que estimulam cada vez mais os espaços individuais e a descentralização – O que não é algo ruim, considerando que no início dá internet quase tudo era assim, só estaremos voltando às origens. Não dúvido que à internet se tornará cada vez mais dívida entre os lugares legais e ilegais, aonde no primeiro estará o beautiful people, às massas e às grandes empresas e artistas, e nos segundo estará os indivíduos que querem ficar em paz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 thoughts on “Privacidade on-line em risco devido ao terrível projeto de lei de regulamentação da Internet no Reino Unido

  1. Leis assim vão levar cada vez mais ao anonimato extremo e à criação de programas e aplicativos que estimulam cada vez mais os espaços individuais e a descentralização – O que não é algo ruim, considerando que no início dá internet quase tudo era assim, só estaremos voltando às origens. Não dúvido que à internet se tornará cada vez mais dívida entre os lugares legais e ilegais, aonde no primeiro estará o beautiful people, às massas e às grandes empresas e artistas, e nos segundo estará os indivíduos que querem ficar em paz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Elon Musk e Alexandre de Moraes
Ética

Elon Musk ataca censura de Alexandre de Moraes e deixa esquerda em polvorosa

Na última sexta-feira, o CEO da rede social X, Elon Musk, respondeu a uma publicação de Alexandre de Moraes questionando o porque dele estar impondo tanta censura no Brasil. Na publicação em questão, Moraes parabenizava o ex-ministro do STF, Ricardo Lewandowski pelo novo cargo de Ministro da Justiça e Segurança Pública. Confira abaixo: Elon Musk […]

Leia Mais
Roseane Murray
Ética

O ataque de pitbulls contra a escritora e poetisa Roseane Murray

Na manhã de ontem (5), a escritora e poetisa Roseana Murray, de 73 anos, havia sofrido um violento ataque de 3 pitbulls enquanto caminhava em Saquarema, na Região dos Lagos, no Rio de Janeiro. O incidente reacende a discussão sobre possuir ou não cachorros da raça pitbull. O inicidente A escritora e poetisa Roseane Murray […]

Leia Mais
Álcool 70%
Ética

Anvisa proíbe venda de álcool 70% em supermercados e farmácias a partir de 30 de abril

Por decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o álcool líquido 70% terá sua venda em farmácias e supermercados proibida a partir do dia 30 de abril. A agência já havia proibido o produto em 2002 e havia feito uma breve liberação durante a pandemia devido a escassez de álcool em gel. Segundo a […]

Leia Mais