Putin mentiu sobre retirada das tropas na Ucrânia, diz oficial dos EUA

Putin mentiu sobre retirada das na Ucrânia, diz oficial dos EUA

A Rússia acrescentou secretamente 7.000 soldados perto da fronteira com a Ucrânia, apesar do Presidente Vladimir Putin afirmar esta semana que iria retirar suas forças, enquanto a Vice-Presidente de Joe Biden, Kamala Harris, se preparava para uma viagem à Europa para impedir uma possível invasão.

Ontem, o governo russo disse que estava retirando tropas da fronteira com a Ucrânia. Eles receberam muita atenção por essa afirmação, tanto aqui como ao redor do mundo. Mas agora sabemos que era falso.

disse o oficial em uma chamada à imprensa sobre a viagem de Harris.

De fato, temos confirmado que nos últimos dias, a Rússia aumentou sua presença de tropas ao longo da fronteira ucraniana em até 7.000 tropas, algumas das quais chegaram hoje.

Ao que tudo indica, eles querem oferecer publicamente o diálogo e apelar para a desescalada, enquanto que, em privado, estão se mobilizando para a guerra.

completou.

O Presidente Biden disse na terça-feira que 150.000 soldados russos estavam perto da Ucrânia – enquanto Putin afirmou que iria “retirar parcialmente as tropas”. Um porta-voz de Putin disse que as preocupações dos EUA sobre uma invasão eram histeria e que o aumento de tropas seria para exercícios militares.

Harris está participando da Conferência de Segurança de Munique, que começa sexta-feira, para mostrar o apoio dos EUA aos aliados da OTAN e à Ucrânia, que não é formalmente um aliado americano.

Ele não está preocupado com resultados em si, pois o principal objetivo de sua jornada agora é focar nesta situação que está em rápida mudança e evolução.

disse um segundo funcionário americano.

Kamala Harris irá “garantir que estamos totalmente alinhados com nossos aliados e parceiros e assegurar que enviamos uma mensagem muito clara à Rússia que há dois caminhos preferíveis, a diplomacia e a dissuasão, mas se a Rússia escolher a agressão, estamos prontos”, disse o oficial.

A vice-presidente se reunirá com os líderes dos países membros da OTAN – Estônia, Letônia e Lituânia – na sexta-feira antes de abordar a conferência sobre a crise da Ucrânia no sábado. Ela também se encontrará com o chanceler alemão Olaf Scholz e o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky.

O governo dos EUA alega que a Rússia pode encenar um ataque “bandeira falsa” contra suas próprias forças para fornecer uma justificativa para a guerra.

Esta crise se baseia na exigência de Putin de que a OTAN exclua a Ucrânia como membro, mas a aliança militar da era da Guerra Fria se recusou a fazer isso.

Na semana passada, Biden ameaçou penalizar a Rússia com bloqueio a operação do gasoduto Nord Stream 2, que está prestes a começar a transportar combustível diretamente para a Alemanha através do Mar Báltico, em vez de passar pela Ucrânia.

Se a Rússia invadir – ou seja, tanques ou tropas atravessarem a fronteira ucraniana, novamente – então não haverá mais o Nord Stream 2.

disse Biden durante uma coletiva de imprensa com Scholz.

Scholz estava consideravelmente menos entusiasmado com a ameaça, declarando que “estamos absolutamente unidos”, mas recusando-se a pronunciar as palavras sobre o Nord Stream 2.

Durante uma entrevista para a TV na quinta-feira, Biden afirmou que não enviará tropas dos EUA para a Ucrânia para evacuar os americanos se a Rússia invadir porque isso poderia desencadear uma “guerra mundial” e “as coisas poderiam sair do controle”.

Biden ameaçou impor sanções “severas” à Rússia, mas no mês passado, ele desanimou os funcionários ucranianos quando disse que uma “pequena incursão” da Rússia na Ucrânia poderia levar a sanções menos severas, e um funcionário ucraniano disse que o comentário poderia dar “sinal verde” a Putin para invadir.

Em 2014, quando Biden era vice-presidente, a Rússia invadiu a península da Crimeia e posteriormente anexou o território da Ucrânia após um disputado referendo. O governo de Putin também passou a apoiar dois estados separatistas pró-russos no leste da Ucrânia.

Este artigo foi escrito por Steve Nelson, publicado no site New York Post 16/02/22, traduzido e adaptado por Gazeta Libertária.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Greve das universidades federais
Política

Greve das Universidades Federais mantém tensão entre professores e o Governo Lula

A greve de universidades federais no país, que já dura quase dois meses, segue ativa, mantendo a tensão entre os professores federais e o Governo Lula. Por um lado, professores em greve afirmam que continuarão com a greve até receberem aumentos salariais. O governo, por sua vez, afirma que não há mais espaço no orçamento […]

Leia Mais
Macron
Política

Macron dissolve parlamento e convoca eleições legislativas antecipadas na França

No último domingo (9), o presidente da França, Emmanuel Macron, dissolveu o parlamento do país, a Assembleia Nacional, e convocou eleições legislativas antecipadas. A decisão do presidente francês foi tomada após uma pesquisa de boca de urna que mostrou que seu partido, Renascimento, seria derrotado pelo partido de oposição, União Nacional (RN), nas eleições parlamentares. […]

Leia Mais
Jorge Seif
Política

Senador Jorge Seif admite que defende imposto sobre importações porque paga o seu salário

O senador Jorge Seif (PL-SC), que se diz liberal, votou sim pela em 20% das compras internacionais até 50 dólares, que foi aprovada na última quarta-feira, 5, a taxação. O senador justificou seu voto, admitindo que tal imposto paga seu salário. O senador ainda recorreu às velhas falácias protecionistas e estatistas em defesa dos impostos […]

Leia Mais