sábado, dezembro 3, 2022

Qual a causa da atual inflação dos EUA? Kevin O’Leary explica

Ao contrário de muitos, Kevin O'Leary, do Shark Tank, está indo direto ao cerne das coisas sobre a inflação.

Os americanos estão enfrentando uma inflação alta de 40 anos e não faltou discussão sobre o tema. Essa é a questão número um na mente dos americanos que se dirigem para os meios de comunicação, e todos os dias na TV e nos jornais os especialistas estão debatendo quanto tempo durará e decidindo quem é o culpado.

O que é mais espantoso em meio à enxurrada de notícias é o quanto o comentário falha. Embora haja um amplo consenso de que os EUA estão passando por uma inflação perigosamente alta, o partidarismo e a ideologia têm poluído a economia básica.

Políticos progressistas como Robert Reich e a senadora Elizabeth Warren tweetam incessantemente que a culpa é da “ganância corporativa”, uma idéia que até os economistas democratas descartaram sumariamente. O presidente Joe Biden, por sua vez, culpou Vladmir Putin. Os republicanos, por outro lado, têm defendido consistentemente que Joe Biden é o culpado pela inflação.

Todas estas explicações estão completa ou principalmente erradas.

Embora seja verdade que Putin e Biden merecem alguma culpa – especialmente em termos de preços altos de energia – parece haver um consenso bipartidário não dito para ignorar o elefante na sala: a impressão de dinheiro sem precedentes da Reserva Federal.

Uma pessoa que não joga o jogo é Kevin O’Leary, o empresário e investidor canadense que aparece regularmente no Shark Tank da ABC. Ao falar com a jornalista Daniela Cambone, O’Leary explicou sem rodeios porque os americanos estão experimentando a inflação mais alta em gerações.

“As máquinas de impressão enlouqueceram”, disse O’Leary. “É por isso que temos a inflação em primeiro lugar”.

Por máquinas de impressão, O’Leary quer dizer sobre o Federal Reserve. O banco central vem expandindo a oferta de dinheiro há décadas, e o roubo tem aumentado nos últimos anos. Nada, entretanto, se comparou à expansão monetária que ocorreu durante a pandemia, algo que o presidente do Fed Jerome Powell admitiu recentemente em uma entrevista de 60 minutos com Scott Pelley.

“Você inundou o sistema com dinheiro”, disse o jornalista da CBS.
“Sim, nós fizemos”, respondeu Powell.
O mistério da inflação.
“Vocês inundaram o sistema com dinheiro”.
“Sim, nós inundamos.”
– JOHN MILTIMORE (@MILTIMORE79) JANUARY 17, 2022

“Por toda a conversa sobre inflação, você imprime 6,72 trilhões de dólares em trinta meses, que diabos você pensava que ia acontecer?” O’Leary diz. “É claro que vai haver inflação”.

Os números de O’Leary não estão errados. Os dados do Federal Reserve mostram que em agosto de 2019 havia 14,9 trilhões de dólares em circulação. Em janeiro de 2022, havia $21,6 trilhões de dólares.

Em outras palavras, mais de 30% dos dólares em circulação em janeiro de 2022 haviam sido criados nos 30 meses anteriores.

O que é inflação?


A criação de dinheiro é o motor óbvio da inflação de preços, um conceito que a maioria dos americanos tem pelo menos um entendimento vago, porque o vemos ao nosso redor hoje. Os preços estão altos para quase tudo, e muito altos.

Mas será que só os preços mais altos são evidência de inflação? Os preços estão sempre mudando, afinal de contas. Algumas vezes sobem e outras caem; muitas vezes não tem nada a ver com a impressão do dinheiro, mas é simplesmente um reflexo das mudanças na oferta e na demanda.

Isto é o que torna a inflação um desafio de definição e, de fato, existem duas definições para ela.

Durante séculos, a inflação foi definida essencialmente como um aumento da oferta de dinheiro. A economia básica sustenta que se você expandir a oferta de dinheiro sem expandir bens e serviços, os preços aumentarão. Assim, esta foi a definição de inflação: um aumento na oferta de dinheiro.

Os economistas do século XX acrescentaram uma segunda definição, porém, chamando a inflação de “um aumento geral e sustentado dos preços”. Podemos ver a partir desta definição que o que separa a inflação de simples aumentos de preços é que eles são amplos e sustentados.

Alguns economistas preferem a definição mais antiga de inflação, e Henry Hazlitt, autor de Economia em Uma Única Lição, pode nos ajudar a ver o porquê.

“A inflação é um aumento na quantidade de dinheiro e de crédito”. Sua principal conseqüência é o aumento dos preços”, explicou Hazlitt. “Portanto, a inflação – se usarmos mal o termo para significar o próprio aumento dos preços – é causada exclusivamente pela impressão de mais dinheiro. Para isso, as políticas monetárias do governo são inteiramente responsáveis”.

Hazlitt argumenta que o aumento dos preços é conseqüência da inflação, que é um aumento da oferta de dinheiro. É por isso que alguns economistas não gostam da nova definição de inflação.

“Eu prefiro a definição mais antiga”, explicou Joseph Salerno, economista da Universidade de Pace, em uma palestra sobre hiperinflação. “Eu acho que é mais útil”.

Não é difícil ver por que alguns economistas vêem a definição tradicional de inflação como superior. Ela vai direto à causa dos aumentos de preços (uma expansão da oferta de dinheiro), enquanto a nova definição enfoca um sintoma de inflação (“um aumento geral e sustentado dos preços”).

Esta segunda definição é muito menos clara, o que pode ser precisamente o motivo pelo qual algumas pessoas gostam dela.

Ninguém quer ser culpado pela inflação, afinal, e sob a primeira definição a culpa sempre voltará a um só lugar: as pessoas que controlam a oferta de dinheiro e, em menor medida, os políticos, grandes bancos e burocratas que apóiam o Fed e se beneficiam diretamente de sua generosidade.

Isso é muita pressão para os banqueiros centrais e políticos. É muito mais fácil dizer que Vladmir Putin é o principal responsável pelos preços altos, ou as “corporações gananciosas”, ou as políticas de Joe Biden’s Build Back Better.

Um Assassino Silencioso

Agora, alguns lhe dirão que se você tem menos de 60 anos, esta é provavelmente a primeira vez que você experimenta uma inflação, mas isto não é verdade. Normalmente a inflação é apenas pequena o suficiente para que as pessoas não percebam tanto.

Por exemplo, dados do governo mostram que um dólar impresso em 1990 já havia perdido 50% de seu poder de compra até 2021. É por isso que a inflação é frequentemente chamada de “assassina silenciosa”.

No entanto, a história mostra que a inflação muitas vezes não permanece silenciosa. Ela persiste e cresce, e com o tempo se torna uma destruidora de civilizações.

“Não acho exagero dizer que a história é, em grande parte, uma história de inflação, geralmente inflacionados pelos governos para o ganho dos governos”, observou certa vez o economista ganhador do Prêmio Nobel F.A. Hayek.

É por isso que Hayek acreditava que a única maneira de ter dinheiro sólido era tirar o controle dele das mãos dos banqueiros e planejadores centrais.

“Não acredito que nunca mais teremos um bom dinheiro antes de tirarmos a coisa das mãos do governo”, disse Hayek.

É precisamente por isso que tem havido tanto entusiasmo em torno de moedas descentralizadas como o Bitcoin e o Ethereum.

Resta saber se as moedas criptográficas podem suplantar o dólar, mas uma coisa é clara: a principal causa da inflação não é um bicho-papão. Não é um ditador russo, ganância corporativa ou má legislação. 1

A principal causa da inflação são as prensas de impressão, exatamente como diz Kevin O’Leary.

Artigo escrito por Jon Miltimore, publicado em FEE.org e traduzido e adaptado por @joaquim-gabriel

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceFEE.org
spot_img

CONFIRA