República mais antiga do mundo e o segredo de sua prosperidade

República mais antiga do mundo e o segredo de sua prosperidade

Apenas um país em todo o mundo pode se gabar de ter mais carros do que pessoas dentro de suas fronteiras – surpreendentes 25% a mais, de acordo com as estatísticas mais recentes.

Você consegue adivinhar o país? Vou te dar mais algumas dicas:

  • O PIB per capita deste fascinante enclave está entre os mais altos do planeta, quase tão alto quanto o dos Estados Unidos. Alega, com credibilidade, ser o lar do mais antigo estado soberano existente, bem como da mais antiga república constitucional. Durante a maior parte de seus 17 séculos de existência, tem sido um dos países mais livres e tolerantes do mundo.

  • Reminiscente da República Romana de mais de dois milênios atrás, este país não tem um, mas dois chefes de Estado. Eles são eleitos pela legislatura, são iguais em seus poderes bastante limitados e estão sujeitos aos limites de mandato mais rígidos do mundo. Os substitutos são eleitos a cada seis meses! Mais mulheres serviram como chefes de Estado neste país do que em qualquer outro.

  • Nos Jogos Olímpicos de Tóquio de 2020, dois atletas desta nação ganharam medalhas de bronze e prata, tornando-se assim o menor país a pontuar nas competições daquele ano.

O país a que me refiro é… (rufem os tambores) – San Marino!

Seu nome formal é Sereníssima República de San Marino. Compreende apenas 38 milhas quadradas e cerca de 33.000 pessoas. Passei por ela há alguns anos em menos de uma hora, incluindo uma parada para um café e uma lembrança. Sem litoral e cercado pela Itália, está situado nas encostas do Monte Titano (Monte Titan) nas montanhas dos Apeninos, na seção nordeste da Península Itálica.

San Marino deriva seu nome de um pedreiro cristão chamado Marinus, nascido na Croácia em 275 dC. Enquanto trabalhava na cidade italiana de Rimini em seus 20 anos, sua pregação ocasional atraiu o fogo das autoridades romanas pagãs. Ele foi forçado a fugir e buscou refúgio no topo do Monte Titã. Enquanto esteve escondido lá, ele formou uma capela e acabou construindo um mosteiro. A montanha na época era de propriedade privada (por uma mulher nas proximidades de Rimini), que eventualmente a deu a Marinus como presente. Ele o declarou um estado independente em 3 de setembro de 301 dC e até hoje, a fundação do país é comemorada anualmente nessa data.

Surpreendentemente, Marino e sua pequena república sobreviveram à Grande Perseguição (dos cristãos) sob o imperador romano Diocleciano, cujo governo terminou em 305. Marino não apenas sobreviveu para ver o cristianismo descriminalizado pelo imperador Constantino em 313, ele sobreviveu a Diocleciano por mais de meio século, morrendo em 366 na idade madura de 91.

O famoso explorador, arqueólogo e historiador inglês James Theodore Bent escreveu um livro sobre San Marino em 1879 que levava o título provocativo, A Freak of Freedom (Uma Liberdade Aberrante). Ele revela que quando Marino e um amigo se estabeleceram na montanha, “Eles plantaram uma cruz no cume da rocha, na qual estava inscrita a única palavra ‘liberdade’, e cavaram leitos abaixo dela, que podem ser vistos até agora. atrás do altar-mor de uma pequena igreja dedicada ao propósito de protegê-los…”.

Mil anos depois, o Papa Bonifácio VIII despachou um emissário para saber mais sobre este curioso pedaço de território chamado San Marino. Bent conta que quando o emissário perguntou aos San Marinese o que eles queriam dizer com a “liberdade” que tão orgulhosamente proclamavam, ele foi aconselhado da seguinte forma:

” …Homens pertencem a si mesmos porque não devem homenagem a ninguém entre eles, mas apenas ao Mestre de todas as coisas.”

Foi sob o papado de Bonifácio VIII (1294-1303) que San Marino foi condenado duas vezes a prestar homenagem à Igreja Católica. Se o país tivesse um rei, talvez ele tivesse desembolsado o dinheiro como tantos outros monarcas da época estavam felizes em fazer. Mas os republicanos de San Marino se recusaram a pagar. Oficiais da Igreja recuaram nas duas vezes. “À medida que a prosperidade aumentava sob a atmosfera gentil da liberdade”, escreve Bent, “muitos olhos invejosos foram lançados para o Monte Titã”.

Napoleão Bonaparte ameaçou invadir no final da década de 1790, mas foi convencido a desistir por um dos dois principais políticos de San Marino (os cônsules coiguais conhecidos como Capitães Regentes). O ditador francês até se ofereceu para estender o território de San Marino a Leste até o Adriático, mas a república recusou educadamente. É uma das razões pelas quais o pequeno país é tão apreciado na região. Ele se preocupa com seus próprios negócios.

Outra razão é o seu papel como refúgio para os oprimidos. Ele acolheu muitas pessoas ameaçadas durante os conflitos sobre a unificação italiana no século 19. Durante a Segunda Guerra Mundial, abriu suas portas para 100.000 refugiados – um número várias vezes maior que sua própria população.

San Marino não é membro da União Europeia, embora compartilhe uma fronteira aberta com a UE e use o Euro como moeda. Uma proposta de adesão à UE foi apresentada em um referendo nacional em 2013. Ela falhou porque a participação dos eleitores foi muito baixa para atender ao quórum de 32%.

Hoje, a taxa de imposto corporativo do país está abaixo da Itália e da média em toda a UE, tornando-se um paraíso favorito para as empresas europeias. E tributa os ganhos de capital em apenas cinco por cento, um terço da alíquota dos EUA. No índice “Facilidade de Fazer Negócios” do Banco Mundial, San Marino tem uma média de 92 entre os 190 países classificados. Sua economia é dominada por finanças, manufatura e turismo. É um lugar muito simpático, acolhedor.

O Relatório Freedom in the World de 2021 da FreedomHouse elogia San Marino por sua proteção de direitos básicos – incluindo liberdade de culto e reunião, propriedade privada e imprensa, mas sugere a necessidade de trabalhar contra a corrupção em seu judiciário. FreedomHouse classifica San Marino como o 12º país mais livre do mundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Censura
Ética

A visão controversa da ONG Artigo 19 sobre o que é liberdade de expressão

Em um artigo publicado no jornal Folha de SP no dia 20 deste mês, foi apresentado um “estudo” realizado pela ONG Artigo 19, onde foi afirmado que o Brasil “subiu” no ranking mundial da liberdade de expressão. O estudo, chamado de ‘Global Expression Report 2024’, é baseado em dados relativos a 2023 para 161 países, […]

Leia Mais
Samourai Wallet
Ética

A prisão de desenvolvedores de carteiras Samourai mostra que o governo dos EUA odeia privacidade e liberdade

Em 24 de abril, dois desenvolvedores líderes da Samourai Wallet (SW), a carteira centrada na privacidade mais avançada do ecossistema bitcoin, foram presos e acusados de crimes de lavagem de dinheiro e violações na transmissão de dinheiro por ordem do Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DOJ). Este é apenas o mais recente ataque de […]

Leia Mais
Caminhão do MTST
Ética

Caminhão do MTST que levava marmitas para desabrigados no RS é apreendido por estar com IPVA vencido

Na última segunda-feira, um caminhão do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) que transportava marmitas para desabrigados em Porto Alegre foi guinchado pela Brigada Militar. Segundo a BM, o veículo foi apreendido na Avenida Bento Gonçalves por estar com o IPVA, o Imposto sobre a Propriedade de Veículo Automotores, vencido. O ocorrido foi divulgado no […]

Leia Mais