segunda-feira, outubro 3, 2022

Resenha do livro ‘O Guia Politicamente Incorreto da Economia’ de, Thomas J. DiLorenzo

Como Ludwig von Mises e Murray Rothbard, Tom DiLorenzo é um economista com um extraordinário conhecimento da história, e isso mostra grande vantagem em seu brilhante novo livro. Nele, ele ressalta que os economistas que não conseguem entender como funciona o livre mercado muitas vezes elaboram teorias para mostrar “falhas de mercado”, mas quando examinadas à luz de evidências históricas, essas teorias caem por terra.

Como um exemplo disso, Paul Samuelson, em sua Economia, o livro universitário mais influente em décadas, acusou os mercados de não se adequarem ao ideal de bem-estar da “concorrência perfeita”. Sobre este ponto, DiLorenzo disse:

Este estado perfeito de concorrência, que nunca pode ser alcançado em qualquer lugar do mundo, é o de que todos os produtos em todas as indústrias estão no mesmo estado; São produzidos por “muitas” empresas comerciais; Todos cobram o mesmo preço; Todo mundo tem informações perfeitas… Você pode entrar e sair de cada indústria gratuitamente ou sem custo algum. Ao longo dos anos, várias outras suposições igualmente irrealistas foram adicionadas, mas estas sempre foram importantes. Este sonho impossível tornou-se a nova compreensão do que constitui a “concorrência”, pelo menos entre economistas acadêmicos. (pp. 30-31)

Os defensores dessa visão usaram o modelo de concorrência perfeito para exigir que grandes empresas fossem quebradas. Os “monopolistas” não poderiam se engajar em “preços predatórios” para garantir sua posição contra os concorrentes? DiLorenzo não encontra nenhuma evidência histórica de que tal coisa tenha ocorrido.

De fato, não há até hoje, um único registro de qualquer negócio alcançando um monopólio através de preços predatórios! Houve, no entanto, centenas de processos antitruste baseados nesta teoria, a maioria deles processos privados com uma empresa processando um concorrente por baixar seus preços. Pense nisso: em nome da proteção do consumidor, a regulação antitruste permite que as empresas processem para “proteger” os clientes dos preços mais baixos de seus concorrentes. (p. 38)

Infelizmente, a concorrência perfeita está longe de ser o único caso das chamadas “falhas de mercado”. Os críticos afirmam que “bens públicos”, bens que não são competitivos nem excluíveis, não podem ser adequadamente fornecidos em um livre mercado. Por exemplo: os sistemas de defesa antimísseis protegem todos no território, não apenas os clientes que estão dispostos a pagar por isso; E, dado o grande número de consumidores dessa mercadoria, pode-se “andar livremente” no mercado livre, imaginando que outros suportarão o fardo. Um reconhecimento geral desse fenômeno fará com que todos relutem em pagar, porque mesmo aqueles que querem benefícios preferem não pagar.

“Fora com essa teoria frágil!” Diz Di Lorenzo: “Também falta suporte histórico.”

Outro problema com a teoria do “problema do caroneiro” é que estamos cercados por exemplos de indivíduos e grupos privados que oferecem inúmeros bens e serviços “não competitivos” e “não excluíveis”. Os americanos são provavelmente as pessoas mais filantrópicas do mundo. A própria existência de muitas instituições de caridade privadas prova que o problema da equitação livre não é tão sério quanto os estudantes de economia pensam. Especialmente no nível do governo estadual e local, é difícil imaginar que qualquer serviço prestado pelo governo não seja prestado por uma empresa privada (ou sem fins lucrativos privados), muitas vezes custa uma fração disso, e tem uma qualidade e atendimento ao cliente mais elevado. (pp. 67-69)

Di Lorenzo encontrou um padrão universal que foi a base para o fracasso de todos os tipos de ataques ao livre mercado. No livre mercado, os empreendedores têm um incentivo para satisfazer os consumidores porque essa é a maneira de obter lucro. Burocratas do governo não têm tais motivos; Eles não têm essa motivação. Em vez disso, eles estão livres para buscar “poder e dinheiro sujo”, como Murray Rothbard disse uma vez. DiLorenzo apresenta essa visão chave desta forma:

Lucros e prejuízos são as medidas de quão bem uma empresa está indo no atendimento aos seus clientes. Os lucros crescentes significam que um trabalho superior e melhor está sendo feito nesta área; Prejuízo significa o oposto. No mercado livre, ninguém é forçado a comprar nada de ninguém. Na burocracia governamental, o fracasso é o sucesso. Quanto pior a situação nas escolas públicas, mais orçamentos terão no próximo ano. Quanto mais tempo um governo perde ao declarar guerra à pobreza, mais financiamento as instituições de ajuda aos pobres recebem. Quanto mais tempo uma guerra perdida dura, mais rico o Pentágono e o complexo militar-industrial se tornam. E assim por diante. (pp. 121-23)

Se o livre mercado é melhor do que uma economia centralmente planejada, então devemos ter cuidado ao escolher as políticas certas, para termos bens reais, não falsos. Di Lorenzo, por exemplo, primeiro enfatizou a falácia do protecionismo. “O mais importante deles é o golpe ‘Compre de um Americano’, que visa convencer as pessoas de que o protecionismo de alguma forma salvará empregos americanos. A verdade é que o protecionismo pode reter temporariamente alguns empregos em indústrias protegidas, mas sempre às custas de destruir outros empregos dos EUA em outros lugares e saquear os consumidores americanos a preços mais altos” (p. 178).

No entanto, diz ele, acordos de comércio internacional como o Acordo norte-americano de Livre Comércio (NAFTA) não promovem de fato o livre comércio, mas o submetem ao controle do governo.

Só porque os políticos chamam algo de “acordo de livre comércio” não o torna um. Eles sempre escolhem nomes maravilhosos para sua legislação, que na realidade é geralmente o trabalho de dezenas de lobistas gananciosos que buscam saques. Foi o caso do NAFTA, que foram cerca de 2.400 páginas de regulação burocrática e planejamento central do comércio entre os Estados Unidos, Canadá e México e o resto do mundo. Continha 900 páginas de tarifas, o oposto do livre comércio. (pp. 181-82)

Como mencionado acima, Di Lorenzo tem um amplo conhecimento da história, que ele usa como exemplo ao discutir impostos federais de renda, e ele apropriadamente nos lembra que o grande escritor da Velha Direita, Frank Chodorov, chamou de “a fonte de todo o mal”. Não importa o quanto odiamos pagar impostos, a observação de Jodorov pode parecer um pouco exagerado, mas, nos lembra Di Lorenzo, ele tem razão.

Os americanos foram literalmente transformados em escravos do Estado, disse Chodorov, pois o que o governo estava dizendo aos seus cidadãos era: “Seus ganhos não são exclusivamente seus. Temos uma reivindicação sobre eles, e nossa reivindicação precede a sua. Nós permitiremos que você guarde um pouco disso, porque reconhecemos sua necessidade, mas não seu direito… A quantidade de seus ganhos que você pode reter para si mesmo é determinada pelas necessidades do governo, e você não tem nada a dizer sobre isso.” Em outras palavras, o imposto de renda foi o maior ataque ao princípio da propriedade privada na história americana. (p. 163)

Contando com o grande livro de Felix Morley, Freedom and Federalism‘ (Liberdade e Federalismo), que ele chama de “o melhor livro já escrito sobre o federalismo americano” (p. 165), DiLorenzo diz que o imposto de renda federal contornou a autoridade dos estados sobre seus cidadãos. Além disso, “essencialmente transformou a maioria dos governos estaduais em fantoches do governo ‘federal’, uma vez que o governo federal tinha fundos suficientes para subornar ou ameaçar os Estados a se curvarem à sua vontade, concedendo ou retendo ‘ajuda aos Estados'” (p. 165).

O livro magistral de Tom DiLorenzo mostra de uma forma inigualável que o livre mercado repousa nas trocas mutuamente benéficas. Ele cita Adam Smith: “Quem oferecer a outro uma negociação de qualquer tipo propõe fazer isso: me dê o que eu quero, e você terá o que quiser é o significado de qualquer oferta; e é dessa forma que obtemos uns dos outros a grande maioria dos bons escritórios que precisamos” (p. 5). (Smith, por sinal, está se referindo aqui ao latim do ut des, “Eu dou para que você possa dar”, importante na religião romana e no direito civil.). O livro é, como diz David Stockman, um sucessor digno do ‘Economia Em Uma Única Lição‘, de Henry Hazlit.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA