Revoltas populares nos países da ex-URSS

Revoltas populares nos países da ex-URSS

Os protestos sociais no Cazaquistão reergueram uma longa lista de manifestações dentre as ex-Repúblicas Soviéticas (URSS). No século XXI, nações como Geórgia, Ucrânia e Bielorrússia foram cenário de intensos protestos de insatisfação, pacíficos, não pacíficos, anti-governo, contra guerras ou em prol da democracia. Os problemas identitários, disputas territoriais e corrupção marcados por estados oligárquicos são derivados da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) que ainda se perpetuam na maioria desses locais.

Cabe mencionar que a estratégia de influência russa ainda é motivo de desafios dentre esses países, com uma camada da população pró-Rússia, ao passo que outros defendem o rompimento e a ligação com o mundo ocidental. Como veremos, as causas originais desses levantes diferem, mas as convocações de revolução são comuns na região. Conheça as insurgências populares que foram palco de algumas ex-URSS no século XXI.

Geórgia e Ucrânia

Geórgia e Ucrânia possuem um passado bem similar após a dissolução da URSS e quando conquistaram suas independências. Ambas buscavam se distanciar de Moscou e almejam se aproximar das instituições ocidentais, principalmente da União Europeia e OTAN. Nesse propósito, criaram em 1997 a GUAM, bloco político visando contrapor-se ao poder de influência do Kremlin e que também integra a Moldova e o Azerbaidjão. Em 2003 e 2004, respectivamente, a Geórgia e a Ucrânia também presenciaram fortes manifestações populares que ficaram designadas como “Revoluções Coloridas”, que levaram à destituição de regimes alinhados à Rússia para outros com regimes pró-ocidente. 

Em 2008, após derrotada em uma guerra contra as tropas russas, a Geórgia perdeu permanentemente a soberania sobre às duas províncias independentes, Ossétia do Sul e Abecásia, as quais são internacionalmente reconhecidas como território georgiano no Cáucaso. Após a Revolução Euromaidan, em 2014, a Rússia anexou a península da Crimeia, anteriormente pertencente à Ucrânia. Separatistas pró-Rússia apoiados por Moscou também chegaram a dominar a região de Donbas, no extremo-leste do país, se declararam unilateralmente a República Popular de Donetsk e Lugansk,  cujas reivindicações variam desde autodeterminação até união com a Rússia. Sendo assim, o sentimento mútuo pela retomada da integridade territorial dos dois Estados fizeram estabelecer um Acordo de Parceria Estratégica, em 2017.   

Recentemente, as tensões entre a Rússia e a OTAN voltaram a crescer. No domingo (16), o porta-voz da Rússia declarou: “As relações entre a Rússia e a OTAN aproximam-se da linha vermelha devido ao apoio militar da aliança à Ucrânia. A Rússia não ameaça ninguém com operações militares, mas será forçada a tomar essa medida caso a OTAN se expanda.”

Nesse contexto, Reino Unido, Estados Unidos, Lituânia, Estônia e Polônia estão temendo que haja uma invasão iminente e estão fornecendo uma gama de armamentos e equipamentos para a Ucrânia com um dos principais abastecimentos sendo armas antitanques. 

Quirguistão

O Quirguistão deteve três grandes manifestações nos últimos dezessete anos. Os primeiros sinais de protestos ocorreram em 2005. A conhecida Revolução das Tulipas, teve como sua origem na revolta popular com as denúncias de corrupção em eleições parlamentares. O inconformismo da população tinha razão definida: depor Askar Akayev, presidente envolvido em esquemas de corrupção. Com o aumento da comoção popular no país, Akayev renunciou e fugiu para Moscou. 

Em 2010, aconteceu um novo grande protesto conhecido como revolução Quirguiz. Aumento dos preços de energia e a corrupção desenfreada nos altos escalões do Estado, foram o suficiente para um motim de manifestantes pedir a renúncia do presidente. O presidente renunciou e se encontra no Cazaquistão. 

Na sequência, tumultos no sul do país eclodiram por conflitos étnicos entre a população quirguiz e minoria uzbeques resultaram em pelo menos 60 feridos e centenas de feridos e o estado de emergência foi instalado. O governo interino pediu à Rússia intervenção militar, pois a situação estava fora de controle. No entanto, Moscou alegou que não poderia se envolver no auge do conflito visto que se tratava de uma crise interna do país e enviaria somente ajuda humanitária. 

Já em 2020, os protestos iniciaram em decorrência da manipulação das eleições parlamentares consideradas fraudulentas pelos manifestantes. O resultado das eleições foi cancelada seguido por protestos violentos

Armênia

Os armênios tomaram as ruas em 2008 pela suspeita de fraude eleitoral, porém o presidente Nikol Pashinyan eleito se manteve no poder até 2018, ano que novos protestos eclodiram. Na época, mesmo ultrapassando a quantidade máxima de mandatos, o presidente tentou continuar a controlar o poder, mas o ruído dos protestos não o permitiram. 

Moldávia

A vitória dos partidos do governo, o Comunista, nas eleições gerais de 2009, desencadearam em manifestações violentas em resposta às acusações de fraude, que culminaram na anulação das eleições e em um país que ficou sem presidente por três anos. Em 2020, protestos pró-ocidente aconteceram após políticas serem implementadas em favorecimento a partidos pró-Rússia. 

Belarus (Bielorrússia)

Milhares de pessoas protestaram em Belarus entre 2020 e 2021. Os bielorrussos exigem que o presidente Alexander Lukashenko, conhecido como o último ditador da Europa, que ocupa o poder desde 1994, deixe a presidência.

Como visto em vários outros países, as pessoas saíram às ruas pela corrupção na política. O que não diferiu na Bielorrússia — protestantes denunciaram uma suspeita de fraude eleitoral e o sistema repressivo de Lukashenko.  Apesar da ampla repercussão global das passeatas, Lukashenko permanece no cargo.  

Lucas Guimarães

Internacionalista e cursando MBA em Gestão de Negócios. Atualmente, trabalha na consultoria ULTRAMARES NEGÓCIOS INTERNACIONAIS e integra o grupo internacional Students for Liberty Brazil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escola cívico-militar
Política

Sobre a polêmica em torno do projeto das escolas cívico-militares

Foi aprovado pela Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) nesta terça-feira (21), o projeto de lei que viabiliza a implementação de escolas cívico-militares nas redes municipais e estaduais de educação do estado de São Paulo. Para muitos preocupados com a doutrinação esquerdista sobre as crianças nas escolas, o projeto é visto como uma saída. No […]

Leia Mais
Emchentes no Rio Grande do Sul
Política

Municípios atingidos pelas inundações no RS enfrentam burocracia para receber ajuda do governo federal

Em um artigo da CNN, diversas entidades municipais informaram que estão enfrentando uma enorme burocracia para receber verbas do governo federal para lidar com os impactos das inundações no Rio Grande do Sul. A informação contrasta com a acusação por parte da grande mídia e agentes públicos, de que a afirmação de tal burocracia na […]

Leia Mais
Dique de Mauá
Política

Bombeiros usam sacos de areia de improviso para impedir inundação no RS

Em um vídeo que está circulando na internet, uma equipe de bombeiros usa sacos de areia como improviso para impedir que um determinado lugar no Rio Grande do Sul fosse inundado. Um perfil popular no X chamado Peregrino publicou o vídeo e fez uma comparação com diques construídos por holandeses há mais de 100 anos. […]

Leia Mais