Rússia confirma que o BRICS criará uma moeda lastreada em ouro

Moeda lasltreada em ouro BRICS

Na sexta-feira, de acordo com a estatal RT, o governo russo confirmou que o Brasil, a Rússia, a Índia, a China e a África do Sul, também conhecidos como países do BRICS, introduzirão uma nova moeda comercial lastreada em ouro. Espera-se que o anúncio oficial seja feito durante a cúpula do BRICS em agosto, na África do Sul.

As últimas notícias estão dando novo impulso à tendência de desdolarização em curso na economia global. Desde meados de 2022, os bancos centrais de todo o mundo vêm comprando ouro em um ritmo histórico, em parte para diversificar suas reservas em relação ao dólar dos EUA.

Para muitos analistas, uma moeda lastreada em ouro é a próxima evolução nesse processo. Muitos analistas viram as recentes compras de ouro pela China como uma tentativa de dar credibilidade internacional ao yuan.

Ao mesmo tempo, a utilização do dólar pelo governo dos EUA como arma contra a Rússia pela invasão da Ucrânia criou certa incerteza geopolítica entre algumas nações aliadas à Rússia.

Embora a perspectiva de uma moeda do BRICS lastreada em ouro ofereça um apoio significativo ao ouro, alguns analistas esperam que leve algum tempo até que o impacto seja sentido no mercado.

Thorsten Polleit, economista-chefe da Degussa, disse que, embora o anúncio seja um passo na direção certa, ainda há um longo caminho a percorrer para se tornar realidade.

“À primeira vista, uma nova unidade de transação, lastreada em ouro, parece um bom dinheiro – e poderia ser, antes de mais nada, um grande desafio à hegemonia do dólar americano”, disse ele em um comentário exclusivo para a Kitco News.

No entanto, Polleit acrescentou que o diabo está nos detalhes.

“Para tornar a nova moeda tão boa quanto o ouro, uma moeda realmente sólida, ela deve ser conversível em ouro sob demanda. Não tenho certeza se é isso que o Brasil, a Rússia, a Índia, a China e a África do Sul têm em mente”, disse ele. “Usar o ouro como moeda, a unidade de conta, seria um verdadeiro divisor de águas, sem dúvida. Isso poderia levar a uma forte desvalorização de muitas moedas fiduciárias em relação ao metal amarelo (incluindo as moedas fiduciárias dos BRICS) e poderia catapultar os preços das mercadorias em termos de moedas fiduciárias. Poderia ser um choque para o sistema monetário fiduciário global. Não tenho certeza de que é isso que os BRICS desejam alcançar.”

Polleit acrescentou que outra opção seria a nação do BRICS criar um novo banco para financiar o comércio exterior que exigiria a posse de ouro como capital.

“Com base nesse estoque de ouro, o novo banco poderia, por exemplo, conceder empréstimos de financiamento aos exportadores e emitir a “nova moeda”; ou as exportações do BRICS serão vendidas contra a “nova moeda” e/ou ouro”, disse ele. “Acho que é justo dizer que ainda é cedo para chegar a uma conclusão final sobre aonde isso nos levará – precisamos de mais detalhes.”

Naeem Aslam, diretor de investimentos da Zaye Capital Markets, disse que, embora isso possa dar suporte de longo prazo ao ouro, o metal precioso continua a enfrentar desafios de curto prazo. Ele acrescentou que, apesar do anúncio, o mundo ainda está longe de ver uma moeda lastreada em ouro.

“Mas isso não significa que não possa ser alcançado de forma alguma”, disse ele. “Por enquanto, qualquer notícia positiva adicional sobre isso certamente poderia ajudar o preço do ouro, mas o mais importante é que os comerciantes agora estarão focados nos dados do IPC dos EUA, que serão divulgados na próxima semana.”

Outros analistas continuam duvidando muito do anúncio.

“A conversa sobre a moeda lastreada em ouro do BRICS parece uma câmara de eco. Eles não têm o ouro necessário para sustentar uma moeda de forma significativa”, disse Marc Chandler, diretor administrativo da Bannockburn Global Forex. “Será que não aprendemos nada com a experiência da UEM de união monetária sem união fiscal? Considero-me profundamente cético.”

Muitos analistas têm especulado sobre uma nova moeda global para desafiar o papel do dólar americano como moeda de reserva mundial. No final de março, o ex-economista-chefe do Goldman Sachs, Jim O’Neill, escreveu em um artigo publicado no Global Policy Journal que o domínio do dólar americano está desestabilizando as políticas monetárias globais. Ele acrescentou que uma moeda do BRICS, desafiando o domínio do dólar americano, traria estabilidade à economia global.

“Sempre que o Federal Reserve Board embarcou em períodos de aperto monetário, ou o contrário, de afrouxamento, as consequências sobre o valor do dólar e os efeitos indiretos foram dramáticos”, disse ele.

Artigo escrito por Neils Christensen, publicado em Kitco News e traduzido e adaptado por @rodrigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tomate
Economia

Saboreie o gosto da Independência, cultive-a você mesmo!

Cultivar os seus próprios tomates pode ser muito mais gratificante do que o doce sabor da sua colheita. Os benefícios adicionais tradicionais fazem com que muitos de nós regressem estação após estação. Se é um jardineiro, conhece a grande sensação de agir diretamente sobre a natureza para produzir os alimentos que come. Cultivar tomates leva-o […]

Leia Mais
MP da tarifa de luz
Economia

Segundo ex-diretor da Aneel, MP assinada por Lula para baixar a conta de energia terá efeito contrário

Segundo Edvaldo Santana, ex-diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica, a medida provisória para baixar o valor da conta de luz, assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na terça-feira (9), tem dispositivos que levarão ao efeito contrário. Segundo Edvaldo Santana e outros especialistas, haverá um aumento da tarifa para os consumidores. A MP […]

Leia Mais
Liga Hanseática
Economia

A Liga Hanseática: Um “Império” do Comércio

Era uma vez um fenômeno medieval do norte, tão sujeito a mitos universais e curiosidade quanto o das encantadoras cidades-república florescentes do sul: a Liga Hanseática dos séculos XIII ao XVI. “O Hansa” (alemão antigo para “associações”) ou “A Liga”, como era conhecido, começou como um tratado entre Lübeck e Hamburgo “para limpar a estrada […]

Leia Mais