Saboreie o gosto da Independência, cultive-a você mesmo!

Tomate

Cultivar os seus próprios tomates pode ser muito mais gratificante do que o doce sabor da sua colheita.

Os benefícios adicionais tradicionais fazem com que muitos de nós regressem estação após estação. Se é um jardineiro, conhece a grande sensação de agir diretamente sobre a natureza para produzir os alimentos que come. Cultivar tomates leva-o a sair e a suar, e geralmente proporciona uma sensação de realização. Incentiva a disciplina e o planeamento e exige um pouco de conhecimento e uma tonelada de paciência.

E quando finalmente colhe esses suculentos produtos comestíveis e os transporta para sua casa – sem sair da sua propriedade – quase consegue ouvir os pífaros e os tambores. Sentimo-nos invadidos por um sentimento praticamente desconhecido no mundo atual: a independência. Foi por isto que os nossos antepassados lutaram!

Os excedentes que tiver podem ser oferecidos com orgulho. Se a colheita for suficientemente grande, pode mesmo conservar algumas para a época baixa. Os jardineiros de todo o mundo fazem-no há muito tempo.

Recentemente, porém, tenho tido prazer naquilo que a jardinagem não envolve.

O que não envolve é o governo, pelo menos não no sentido intrometido e sangrento. Os tomates que cultivo são tão valiosos para mim como o dinheiro, se não mais, uma vez que é muito difícil encontrar bons tomates. No entanto, não tenho qualquer intenção de os declarar como “rendimento”.

Sinto-me muito satisfeito por não precisar de uma licença ou de qualquer tipo de certificação para criar uma horta. Não tenho de me juntar a um sindicato ou pedir a aprovação de um burocrata para dedicar parte do meu terreno à produção de vegetais. Não tenho de conceber, e depois ser abençoado, qualquer tipo de etiqueta de aviso para os meus tomates. Se eu ficar doente quando os comer, paciência. Se o salário que pago a mim próprio é o valor de mercado dos tomates, então sou culpado de gerir uma fábrica de exploração. Mesmo a colheita mais abundante não se traduz num salário digno.

Se os insectos estiverem a atacar os meus Better Boys, posso matar as pragas sem que o governo me prenda por assassinar insectos.

Na maioria dos anos, tenho muito mais tomateiros do que qualquer um dos meus vizinhos, mas vivo sem receio de ser processado pelas minhas tácticas monopolistas. Eles são livres de cultivar mais ou não cultivar nenhum, conforme desejarem, e eu sou livre de colher tantos diabos vermelhos quantos puder ou de os deixar apodrecer na vinha.

Nenhum dos meus tomates será confiscado para necessidades “sociais”. Dou alguns aos outros como um ato de vontade, não como um ato do Congresso. E dou-os por um sentimento de orgulho, não de pena; para partilhar, não pelo meu “dever” de servir os outros.

Nenhum funcionário vai confiscar nada para o meu bem-estar futuro. Se eu quiser comer os meus produtos cultivados em casa depois de as minhas plantas morrerem, cabe-me a mim enlatá-los. Posso limitar-me a cultivar tomates de uma única variedade e não me preocupar com acusações de racismo ou falta de diversidade. Se optar por cultivar algumas de todas as variedades, nenhum supremacista do bife me pode impedir.

Não tenho de tolerar a conversa fiada do Congresso sobre a declaração de direitos dos jardineiros, que me permite processar toda e qualquer pessoa por causa dos maus legumes. O único direito que tenho é a liberdade de os cultivar ou não. Se a minha colheita for má, posso culpar quem e o que quiser, mas ninguém me vai ouvir, exceto eu.

Apesar do comentário de um amigo de que os tomates frescos da horta são quase tão bons como tu-sabes-o-quê, não há estagiários por perto para limpar o suor da minha testa. O acontecimento mais sensacional da época de cultivo anterior aconteceu quando o cabo da minha pá se partiu ao bater numa pedra.

Mas em todos os empreendimentos pessoais há sempre o Estado a considerar.

O decreto de Gretchen

Profundamente preocupada com a segurança dos residentes do seu estado devido a uma presumível invasão de vírus de um laboratório chinês, a governadora do Michigan, Gretchen Whitmer, emitiu um decreto de curta duração no início de abril de 2020, que proibia “todas as lojas com mais de 50.000 pés quadrados de isolarem os seus centros de jardinagem e viveiros de plantas, impedindo os clientes de fazerem compras nessas secções até 30 de abril”. (Os habitantes do Michigan ainda podiam comprar bens de primeira necessidade, como bebidas alcoólicas e bilhetes de lotaria, claro).

Em suma, a jardinagem doméstica foi suspensa para muitas pessoas. Mas o governador Whitmer, um político reflexivo, cancelou essa ordem uma semana mais tarde, em nome da “recuperação económica”.

Que ameaça podem representar as hortas caseiras para a saúde pública ou para os políticos que parecem desejosos de as eliminar?

Talvez o Governador Whitmer e outros tenham ouvido falar do que aconteceu no Vietname. Num artigo da Reason de maio de 2024, o autor Rainer Zitelmann relata,

Em 1990, com um produto interno bruto (PIB) per capita de 98 dólares, o Vietname era o país mais pobre do mundo, atrás da Somália e da Serra Leoa. Cada má colheita levava à fome e o Vietname dependia da ajuda alimentar das Nações Unidas e da assistência financeira da União Soviética e de outros países do Bloco de Leste. Em 1993, 79,7% da população vietnamita vivia na pobreza.

Em 2020, a taxa de pobreza terá descido para 5%. O Vietname é agora um dos países mais dinâmicos do mundo, com uma economia vibrante que cria grandes oportunidades para pessoas trabalhadoras e empresários. Outrora um país incapaz de produzir arroz suficiente para alimentar a sua própria população, tornou-se um dos maiores exportadores de arroz do mundo e também um importante exportador de produtos electrónicos.

O que aconteceu? Um milagre comunista? Você sabe muito bem.

Assim como Lênin, na União Soviética dos anos 1920, o regime comunista do Vietnã decidiu recuar um pouco em sua ideologia. Suas reformas no início da década de 1980 se resumiram a tornar legais certos “desenvolvimentos espontâneos” que vinham ocorrendo há muito tempo em vários vilarejos. “Os agricultores se recusavam a trabalhar em coletivos e concentravam seu trabalho na pequena terra que possuíam, porque podiam vender os bens que produziam aqui a preços de mercado.”

Os agricultores estavam dando CPR ao mercado: “‘Sem esses procedimentos ilegais ou piloto’, escreveu Tran Thi Anh-Dao no livro Rethinking Asian Capitalism (Repensando o capitalismo asiático), de 2022, ‘há evidências de que os mecanismos de mercado nunca poderiam ter surgido tão rapidamente'”.

O movimento do mercado cresceu gradualmente:

As reformas adotadas nos dois anos seguintes incluíram a permissão para que os fabricantes privados empregassem até 10 trabalhadores (posteriormente aumentada), a abolição dos postos de controle alfandegários internos, a eliminação do monopólio estatal do comércio exterior, a redução das restrições à iniciativa privada, a eliminação de praticamente todos os subsídios diretos e controles de preços, separação entre o banco central e o banco comercial, desmantelamento dos principais elementos do planejamento central e das burocracias de preços, devolução das empresas do Sul que haviam sido nacionalizadas em 1975 aos seus antigos proprietários ou parentes e devolução das terras confiscadas na campanha de coletivização dos anos 70, caso fossem “ilegalmente ou arbitrariamente apropriadas”. “

Moral para os jardineiros domésticos americanos: Continuem assim.

Mesmo que more em um apartamento ou condomínio, você pode cultivar tomates em grandes vasos no seu terraço, mas certifique-se de escolher a variedade certa. Este ano, delicie-se com uma boa alimentação enquanto saboreia o gosto da independência – e lembre-se dos corajosos vietnamitas.

Artigo escrito por George Ford Smith , publicado em Mises.org e traduzido por Rodrigo


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Praça de Maio
Economia

Mises na Argentina: lições do passado para hoje

Ludwig von Mises visitou a Argentina em junho de 1959 a convite do Dr. Alberto Benegas Lynch. As palestras que Mises proferiu na Universidade de Buenos Aires foram reproduzidas no livro ‘Economic Policy: Thoughts for Today and Tomorrow‘ (Política Econômica: Pensamentos para Hoje e Amanhã, lançado no Brasil como ‘As Seis Lições‘). Como o título […]

Leia Mais
Caridade
Economia

Entendendo o Verdadeiro Significado da Caridade

Na edição de janeiro-fevereiro da revista The Misesian, o economista Jörg Guido Hülsmann fala sobre os insights que o levaram a escrever seu livro ‘Understanding the True Meaning of Charity’ (‘Entendendo O Verdadeiro Significado da Caridade’, ainda sem tradução no Brasil). Confira abaixo a entrevista. The Misesian (TM): A economia das doações e da caridade […]

Leia Mais
Economia

A conta chegou: alta de inflação e dos juros e queda do PIB

Analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Banco Central (BC) mostraram um maior pessimismo em relação a economia do país, voltando a revisar para cima as projeções de juros e inflação para este ano. As informações foram divulgadas no Boletim Focus desta segunda-feira, 20. As previsões pessimistas são reflexo das políticas keynesianas nas quais o governo […]

Leia Mais