Terror no RN mostra como o estado é incapaz de combater o crime

Sindicato do RN aterroriza cidades potiguares

Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Já é o terceiro dia em que membros do Sindicato do RN vem aterrorizando municípios do Rio Grande do Norte por meio de uma série de crimes. Os primeiros ataques ocorreram nesta terça-feira, onde os criminosos atearam fogo em vários ônibus e depredraram vários estabelecimentos e até mesmo residências. Esses ataques já aconteceram em mais de 39 cidades.

Apesar dos policiais terem prendido alguns dos autores desses crimes, a maioria deles permanecem livres e aterrorizando a população potiguar. A governadora Fátima Bezerra chegou à pedir reforço à união, já que as forças policiais locais não estão dando conta da situação, que está cada vez mais fora de controle.

As motivações dos ataques

Em vídeos que andam circulando em grupos de Whatsapp, alguns homens mascarados e fazendo uso de armas de grosso calibre se apresentam como autores dos ataques. Os criminosos estão buscando chamar a atenção do estado para reivindicar melhores condições nos presídios. Dentre as reivindicações, estão a disponibilização de celas maiores, mais limpas, televisão e visitas íntimas.

De forma previsível, os defensores dos Direitos Humanos (ou “Direitos dos Manos”, nesta caso) denunciaram o que consideram condições degradantes para os criminosos.

E o terror continua

Na madrugada deste sábado, criminosos invadiram três casas e expulsaram ao todo nove moradores, todos da mesma família. Em seguida, atearam fogo em todos os pertences das vítimas.

Além destes crimes, outros ataques se seguiram, incluindo incêndios de ônibus e caminhões e até mesmo depósitos de medicamentos.

O estado é incapaz de nos proteger contra o crime

Mais de cinco dias se passaram desde que os ataques do Sindicato do RN começaram, e a população potiguar continua aterrorizada sem saber quando tudo isso acabará. Muitas empresas de ônibus reduziram suas frotas com medo dos ataques, prejudicando seus passageiros.

Muitos estabelecimentos tiveram enormes prejuízos, e algumas pessoas chegaram a ficar sem sua fonte de renda. A população segue aterrorizada com o clima de insegurança, e mesmo o estado tendo o monopólio da força, ele continua incapaz de resolver tal situação.

Dos presídios, os líderes das facções mantém sua influência nas ruas, angarinhando cada vez mais membros. Ao mesmo tempo, o estado não consegue manter a segurança nas ruas, o que contribui para o sentimento de insegurança que cresce cada vez mais no RN.

O estado brasileiro ao mesmo tempo em que não protege os cidadãos, os impede de buscarem seus próprios meios de se defender. Ao restringir o acesso às armas por parte dos civis e dificultar o surgimento de serviços de segurança efetivos e acessíveis, o estado se mostra como um cúmplice na violência contra os cidadãos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Samourai Wallet
Ética

A prisão de desenvolvedores de carteiras Samourai mostra que o governo dos EUA odeia privacidade e liberdade

Em 24 de abril, dois desenvolvedores líderes da Samourai Wallet (SW), a carteira centrada na privacidade mais avançada do ecossistema bitcoin, foram presos e acusados de crimes de lavagem de dinheiro e violações na transmissão de dinheiro por ordem do Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DOJ). Este é apenas o mais recente ataque de […]

Leia Mais
Caminhão do MTST
Ética

Caminhão do MTST que levava marmitas para desabrigados no RS é apreendido por estar com IPVA vencido

Na última segunda-feira, um caminhão do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) que transportava marmitas para desabrigados em Porto Alegre foi guinchado pela Brigada Militar. Segundo a BM, o veículo foi apreendido na Avenida Bento Gonçalves por estar com o IPVA, o Imposto sobre a Propriedade de Veículo Automotores, vencido. O ocorrido foi divulgado no […]

Leia Mais
William Ling
Ética

Família Ling quer reconstruir pontes e estradas no Rio Grande do Sul

A família Ling — cujo patriarca começou a vida do zero e fez fortuna no Rio Grande do Sul — se comprometeu a doar R$ 50 milhões para obras emergenciais de infraestrutura. A iniciativa visa ajudar as comunidades a reconstruírem pontes e estradas destruídas pelas inundações. “Quando meu pai chegou no Rio Grande do Sul […]

Leia Mais