sexta-feira, julho 1, 2022

Vacinados transmitem covid a mesma taxa que não vacinados, diz estudo

Vários governos na Espanha descartaram os passaportes de vacina após o lançamento do estudo.

A descoberta mais importante da pesquisa foi que as vacinas não parecem reduzir a propagação da Omicron

O primeiro estudo espanhol sobre como a variante Omicron da COVID-19 infecta, incuba e transmite foi recentemente concluído pelo Observatório de Saúde Pública de Cantábria.

Resultados do estudo mostra que vacinados e não vacinados transmitem o covid na mesma proporção

Os resultados, que ainda não foram revistos por pares, mostram que a variante foi responsável por quase metade das infecções registradas durante toda a pandemia. Uma razão pela qual a Omicron provou ser tão transmissível, descobriram os pesquisadores, é que a janela de transmissão é mais cedo do que as variantes anteriores.

“Metade das infecções ocorreu antes do início dos sintomas”, disseram os pesquisadores. A transmissão em estágio inicial, complicam alguns esforços de mitigação, observam.

“Isso implicaria que a eficácia de medidas como triagem, testes rápidos ou isolamento diminuiria significativamente na ausência de medidas preventivas, como distanciamento, limitação de reuniões em massa ou reuniões sociais”, disseram os pesquisadores.

Talvez a descoberta mais importante da pesquisa, no entanto, seja que as vacinas não parecem reduzir a propagação do vírus.

“Os vacinados parecem ter a mesma capacidade de transmissão que os não vacinados”, concluíram os pesquisadores, de acordo com a EITB Radio Televisión Pública Vasca (Serviço Público de Transmissão da Comunidade Autônoma Basca).

Este é um desvio da variante Delta, disseram os pesquisadores, onde as diferenças de transmissão foram encontradas em residências e locais de trabalho onde as pessoas estavam vacinadas.

O estudo foi baseado em 622 casos Omicron (e seus 1.420 contatos) detectados na Cantábria, uma região da costa norte da Espanha, em dezembro de 2021.

Eliminação dos passaportes de vacina

As descobertas da Espanha são apenas o exemplo mais recente de porque o COVID-19 continua a se espalhar, apesar da engenhosidade humana e dos esforços generalizados dos planejadores centrais para domar o vírus.

Ao contrário de pandemias anteriores, os governos de todo o mundo tomaram medidas radicais para restringir as liberdades básicas, por medo do patógeno mortal. Negócios foram fechadas, o discurso restrito, a livre reunião negada e a autonomia corporal foi violada.

Apesar desses esforços, o vírus, agora em seu terceiro ano, continua em fúria, e em muitas partes do mundo os governos têm sido lentos em rescindir políticas prejudiciais apesar de sua ineficácia.

Para seu crédito, partes da Espanha têm se mostrado muito mais receptivas do que outros lugares do mundo.

Na semana passada, funcionários da saúde pública na Catalunha, uma província autônoma no nordeste da Espanha, e várias outras províncias, anunciaram que estavam descartando passaportes de vacinas à luz desta nova evidência.

Um comitê de cientistas disse ao governo regional da Catalunha que, devido à natureza da Omicron, “uma grande parte da população está novamente suscetível a ser infectada, esteja ou não vacinada ou já tenha tido a doença”.

“A eficácia do uso obrigatório do passaporte vacinal é reduzido como um nível extra de segurança”, acrescentaram os cientistas.

A exigência de apresentar o passaporte estava em vigor desde novembro na Catalunha, a segunda comunidade mais populosa da Espanha, com cerca de 7,7 milhões de pessoas. Regiões menores na Espanha, como Cantábria e Astúrias, também anunciaram que não exigirão mais passaportes vacinais para a entrada de pessoas em bares, restaurantes e outros espaços públicos.

A mídia europeia aponta que a Espanha sofreu com surtos generalizados de Omicron, embora o país tenha uma das maiores taxas de vacinação do mundo.

“Apesar dos altos níveis de vacinação na Espanha, onde 90,7% das pessoas com mais de 12 anos estão totalmente imunizadas”, relata o The Local, “os casos de coronavírus explodiram na Espanha durante os feriados de Natal, dando-lhe uma das maiores taxas de incidência da Europa.”

A decisão de retirar o passaporte vacinal segue-se a protestos generalizados na Espanha contra passaportes vacinais e mandatos sobre o uso máscara.

A Preeminência de Seu Próprio Plano

Embora a eficácia das vacinas para diminuir a propagação seja questionável, ainda há muitas evidências sugerindo que as vacinas podem reduzir significativamente a probabilidade de adoecer gravemente com a COVID-19.

O Dr. Jay Bhattacharya, professor de medicina que estuda epidemiologia na Universidade de Stanford, credita sua rápida recuperação do COVID às vacinas e as elogiou como “uma conquista maravilhosa”.

Mas Bhattacharya disse que as vacinas são principalmente uma questão de saúde pessoal, não de saúde pública, uma vez que os benefícios da vacinação dependem principalmente do indivíduo, e argumentou que os esforços para exigir a vacinação corroem a confiança no governo.

“A oposição aos mandatos discriminatórios de vacinas não é o mesmo que a oposição às vacinas”, disse Bhattacharya no ano passado. “Pelo contrário, o apoio a mandatos de vacinas é uma posição antivacina porque gera desconfiança e ressentimento em relação à saúde pública”.

A nova pesquisa da Espanha, combinada com dados recentes do CDC que mostram que a imunidade natural confere mais proteção do que as vacinas, revela a loucura dessas políticas coercitivas.

As províncias da Espanha que estão rescindindo suas políticas sobre o passaporte vacinal devido essas novas evidências merecem algum crédito, porque isso não é natural para os estatistas.

Em seu trabalho, o Socialismo: Uma Análise Econômica e Sociológica, compre aqui, o economista Ludwig von Mises observou como é difícil para os burocratas abrirem mão do controle sobre seus próprios planos.

“O que aqueles que se autodenominam planejadores defendem não é a substituição da ação planejada por deixar as coisas acontecerem. É a substituição do plano do próprio planejador pelos planos de seus semelhantes”, escreveu Mises. “O planejador é um ditador em potencial que quer privar todas as outras pessoas do poder de planejar e agir de acordo com seus próprios planos. Ele visa apenas uma coisa: a preeminência absoluta de seu próprio plano”.

Para aqueles que se perguntam por que muitos países continuam a usar políticas coercitivas mesmo com essas novas evidências, as palavras de Mises oferecem um feixe de luz.

Felizmente, muitos países ao redor do mundo – incluindo o Reino Unido, a Dinamarca e República Tcheca – estão começando a ver o erro e a injustiça dessas medidas coercitivas.

Texto por Jon Miltimore, traduzido e adaptado por Gazeta Libertária.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceFee.org

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

CONFIRA