A Confissão Impressionante do New York Times sobre a Resposta da Suécia à Pandemia

Resposta da Suécia à pandemia

Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Há algumas semanas atrás, o The New York Times publicou um artigo que teria sido impensável alguns anos atrás.

“Como a Suécia sem mandado algum acabou com uma pandemia tão mediana?” a manchete pergunta.

O escritor do Times, David Wallace-Wells, não aceita as alegações de que a Suécia – que foi alvo de intensas críticas por se recusar a entrar no lockdown em 2020 – tenha a mais baixa taxa de excesso de mortes na Europa com apenas 3,3% a mais de mortes do que o esperado, a porcentagem mais baixa entre os países da OCDE. Mas ele admite que “é difícil argumentar, com base na experiência epidemiológica da Suécia, que seu curso político foi desastroso”.

Isto pode não parecer um grande reconhecimento, mas é. Abaixo, um gráfico mostrando a mortalidade por covid nos países europeus.

A Dama Cinzenta relatou em 2020 que “a Suécia se tornou o Conto de Cautela do Mundo” por sua resposta ao Covid, e ao Times se juntou um coro de veículos de mídia (incluindo o presidente Donald Trump ) que alegava que a Suécia havia “atropelado a pandemia” e amplificado o vírus.

Hoje sabemos que este não foi o caso. E, embora Wallace-Wells pareça invejar Anders Tegnell – o arquiteto da política sueca – que tomou uma “volta de vitória através da mídia”, vale a pena ressaltar que o epidemiologista recebeu ameaças de morte por sua resposta pandêmica, que parece melhor a cada semana que passa.

O sucesso da abordagem da Suécia continua sob debate. Embora Wallace Wells esteja cético sobre a afirmação de que a Suécia tenha a menor taxa de mortalidade excessiva da Europa – o conjunto de dados, diz ele, não é perfeito e não foi ajustado para a demografia – é claro que a Suécia está fazendo melhor do que muitos países em confinamento. Ele se refere aos dados da Organização Mundial da Saúde mostrando que a taxa de excesso de mortalidade para os suecos é em média 56/100.000, muito melhor que a Itália (133), Alemanha (116), Espanha (111) e o Reino Unido (109).

Quaisquer que sejam os dados escolhidos, um fato é imbatível: isto não é o que os modelistas previram. Segue abaixo um gráfico com o estudo estimando quantos poderiam morrer caso a Suécia não impusesse lockdown.

É importante lembrar que uma das razões pelas quais as nações entraram em isolamento em primeiro lugar foi devido a uma previsão do Imperial Colege de Londres de que até 40 milhões de pessoas morreriam em nove meses se o vírus não fosse controlado. Esses mesmos modelistas previam que a Suécia iria sofrer 96.000 mortes até julho de 2020, se o país não fechasse.

Isso não aconteceu. (A contagem real de mortes até julho de 2020 foi de 5.700).

Portanto, quer você aceite a alegação de que a Suécia teve a menor taxa de mortalidade excessiva da Europa, ou se ela apenas alcançou um resultado “mediano”, é claro que os modelistas cometeram um grande erro.

Enquanto Wallace-Wells não aborda esses erros de modelagem, ele destaca a ineficácia das regulamentações governamentais, admitindo que “os mandados podem importar um pouco menos do que o comportamento social e a própria doença – e certamente menos do que queremos acreditar”.

As pessoas continuarão a debater os mandados, é claro. Eles indicarão que países como a Finlândia e a Noruega tiveram uma mortalidade por Covid inferior à da Suécia, ignorando que (como Wallace-Wells também observa) esses países realmente tiveram políticas menos rigorosas do que a Suécia durante grande parte de 2020, de acordo com o Coronavirus Government Response Tracker de Oxford. (Os vizinhos foram aparentemente rápidos em adotar a abordagem de “toque mais leve” da Suécia).

Isto não significa, no entanto, que não temos respostas claras. No início da pandemia, eu havia feito uma pergunta pró-ativa: “poderia a abordagem do laissez-faire da Suécia para o coronavírus funcionar de fato?”

Embora Wallace-Wells nunca diga que sim, ele inclui uma citação reveladora de François Balloux, diretor do Instituto de Genética da UCL e professor de biologia computacional na University College London.

“O que o ‘modelo sueco’ realmente sugere é que as medidas de mitigação da pandemia podem ser efetivamente implementadas de uma forma respeitosa, em grande parte não coerciva”, escreve Balloux.

Isto é o mais próximo de uma admissão de “Desculpe, estávamos errados”, como provavelmente veremos no New York Times.

Afinal, as medidas não coercivas às quais Balloux se refere são exatamente o que os defensores da abordagem sueca, incluindo os signatários da Declaração da Grande Barrington, têm defendido desde o início. (Wallace-Welles aponta, com razão, que a Suécia nunca adotou uma abordagem de “laissez-faire”, como muitos afirmam).

Infelizmente, a maioria dos países, em vez disso, adotou medidas altamente coercivas, mesmo tirânicas. Acreditava-se que eles tinham o conhecimento para planejar a sociedade. Ao fazê-lo, ignoraram o aviso do economista ganhador do Prêmio Nobel F.A. Hayek, que adverte que “para que o homem não faça mais mal do que bem em seus esforços para melhorar a ordem social, ele terá que aprender que neste, como em todos os outros campos onde prevalece a complexidade essencial de um tipo organizado, ele não pode adquirir o conhecimento completo que tornaria possível o domínio dos eventos”.

Esta é a maior lição da pandemia: Os planejadores centrais não possuem os conhecimentos para organizar efetivamente a sociedade, mas possuem o poder de arruinar rapidamente a ordem social. É precisamente por isso que Hayek disse que era imperativo que aqueles com poder se aproximassem da sociedade com humildade.

Algumas pessoas parecem ter aprendido esta lição. Wallace-Wells disse que é “humilhante reconhecer” que os mandados simplesmente não foram capazes de fazer o que muitos acreditavam ser possível.

Esperemos que outros aprendam esta lição também e ofereçam aos suecos e ao Dr. Tegnell um merecido pedido de desculpas.

Artigo escrito por Jon Miltimore, publicado em FEE, é traduzido e adaptado por @rodrigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escravidão Africana
Ética

Entendendo a história da escravidão africana: os europeus não foram os únicos traficantes de escravos

No vasto panteão da história, os negros foram ao mesmo tempo vítimas e opressores. No entanto, a história tem sido tão politizada que ouvimos infinitamente sobre a primeira e quase nunca sobre a segunda. A retórica eclipsou os fatos. É fato, por exemplo, que os africanos participavam do tráfico transatlântico de escravos. A narrativa agora […]

Leia Mais
Renato Moicano
Ética

Renato Moicano: “Se você se preocupa com seu… país, leia Ludwig von Mises”

Na noite do último sábado, o lutador brasileiro Renato Moicano viralizou após sua vitória sobre JalinTurner no UFC 300, fazendo uma saudação ao próprio Ludwig von Mises. “Eu amo os Estados Unidos, amo a Constituição… quero portar… armas. Amo a propriedade privada. Vamos lhe dizer uma coisa. Se você se preocupa com seu país, leia […]

Leia Mais
Elon Musk e Alexandre de Moraes
Ética

Elon Musk ataca censura de Alexandre de Moraes e deixa esquerda em polvorosa

Na última sexta-feira, o CEO da rede social X, Elon Musk, respondeu a uma publicação de Alexandre de Moraes questionando o porque dele estar impondo tanta censura no Brasil. Na publicação em questão, Moraes parabenizava o ex-ministro do STF, Ricardo Lewandowski pelo novo cargo de Ministro da Justiça e Segurança Pública. Confira abaixo: Elon Musk […]

Leia Mais