sexta-feira, maio 20, 2022

O plano “covid zero” dos especialistas foi um fracasso total

O regime chinês está dobrando sua estratégia de “covid zero”. Nas últimas semanas, novos casos de covid foram detectados em várias cidades.

Mas qual tem sido a resposta do Estado chinês? O mais do mesmo. Bloqueios, suspensões de viagem, dentre outros. Segundo Relatórios da NBC:

Tianjin, que detectou a primeira disseminação comunitária de Omicron na China no sábado, está realizando uma segunda rodada de testes em massa em seus 14 milhões de habitantes na quarta-feira. …O surto já se espalhou para Anyang, uma cidade na província de Henan a cerca de 482 quilômetros de distância, provocando um bloqueio total … Autoridades de Tianjin disseram em entrevista coletiva na terça-feira que todos os serviços de ônibus para Pequim foram suspensos. … Na quarta-feira, 425 voos foram cancelados no Aeroporto Internacional de Tianjin Binhai, representando 95% de todos os voos programados… As autoridades de Tianjin no domingo ordenaram aos cidadãos que não deixassem a cidade a menos que fosse absolutamente necessário. Quem quiser sair deve apresentar teste Covid negativo feito em até 48 horas…

É difícil acreditar que alguém ainda pensa que o covid desaparecerá se as autoridades governamentais simplesmente impuserem ”lockdowns mais rigorosos”. Mas a China não é o único exemplo de como essa ilusão pode conquistar muitos adeptos.

Afinal, não se esqueça que grande parte do mundo adotou desde cedo uma política de covid zero, e essa medida absurda durou anos. Na Europa, é claro, milhões e milhões de pessoas ficaram virtualmente trancadas em suas casas por meses a fio. Como Philipp Bagus relatou da Espanha na primavera de 2020, não era permitido sair sem enfrentar a ira dos executores do estado .

Nos Estados Unidos, os “especialistas” frequentemente se manifestavam a favor do covid zero, afirmando que os bloqueios poderiam erradicar a doença e que as pessoas teriam que ficar em confinamento até aquele momento.

Em 2 de abril de 2020, por exemplo, Anthony Fauci endossou essa ideia, afirmando que os requisitos de distanciamento social não poderiam ser relaxados até que “essencialmente não houvessem novos casos e nenhuma morte por um período de tempo”.

O Havaí abraçou explicitamente o covid zero e adotou uma política em 2020 baseada na ideia de que as escolas públicas nunca reabririam até que não houvesse mais “disseminação comunitária” e “nenhum novo caso” fosse detectado por um período de quatro semanas.

Desnecessário dizer que esses eram objetivos totalmente irrealistas. Eles refletiam apenas os planos de tecnocratas que estavam mais preocupados em viver seus fetiches bizarros por bloqueios e fechamentos de fronteiras do que em entender melhor a situação ou em respeitar os direitos humanos básicos . Até a Austrália – uma nação insular que talvez pudesse esperar de fato fechar suas fronteiras – desistiu da ideia .

Em outras palavras, os “especialistas” na América queriam recriar o despotismo chinês na América. Eles adotaram uma política de bloqueio que já havia sido rejeitada há muito tempo. Já se esperava que os bloqueios trouxessem efeitos colaterais de longo prazo, como surtos de problemas de saúde mental – alguns dos piores entre os jovens – agora sendo relatados pelos hospitais. A OMS chegou a concluir que os bloqueios deveriam ser rejeitados porque “não há uma justificativa óbvia para essa medida”.

Mas talvez a mídia e os funcionários do governo tenham sido tão bem-sucedidos em semear o pânico na população em geral na primavera de 2020 que os tecnocratas da saúde viram a chance de tentar um novo experimento de engenharia social que antes consideravam inviável.

Felizmente, porém, em meados de 2020, ficou claro que os bloqueios simplesmente não seriam tolerados por grande parte do público em geral. A maioria dos governos estaduais e locais nos EUA abandonou o covid zero rapidamente, embora os totalitários usuais na mídia tenham lamentado o fim da política, insistindo que o abandono dos bloqueios encharcaria de sangue as jurisdições não bloqueadas. Isso foi previsto para estados dos EUA como a Geórgia e para países como a Suécia – onde os bloqueios foram rapidamente descartados ou não foram impostos.

Com o passar do tempo, tornou-se óbvio que as jurisdições sem confinamento não se saíram significativamente piores do que as bloqueadas. Algumas áreas — Suécia, por exemplo — se saíram melhor. Alguns dos regimes de bloqueio mais severos do mundo – como os do Peru, Argentina, Reino Unido e Nova York – também tiveram algumas das piores taxas de mortes por milhão.

Para a galera do covid zero, a realidade atrapalhou.

Neo-Zero Covid: o pivô para as vacinas

A mentalidade covid zero perdura, no entanto. A segunda onda da mentalidade zero covid veio com a ideia de que com a vacinação universal a covid desapareceria.

E, claro, uma vez que as vacinas começaram a aparecer, foi saudado como uma bala mágica que garantiria que os vacinados não seriam capazes de espalhar a doença. Essa ideologia foi expressa em um discurso de Rachel Maddow, que em março de 2020 arengava seus espectadores com o “fato” de que “o vírus para com cada pessoa vacinada”. Ela continuou: “Uma pessoa vacinada é exposta ao vírus, o vírus não a infecta, ele não pode usar essa pessoa para ir a outro lugar”.

Isso tudo foi uma mentira completa. A vacina nunca impediu a propagação e, com o advento da variante omicron, agora aparentemente a vacina nem sequer diminui a propagação. O vírus está se espalhando rapidamente entre os vacinados.

Não é mais possível nem mesmo fingir que a vacinação previne a transmissão. O único argumento deixado para os defensores do mandato da vacina é que elas ajudam contra doenças graves e morte. Isso é excelente, mas não tem nada a ver com saúde pública porque está claro que os não vacinados não são a razão pela qual a doença não foi erradicada.

E depois há o fato de que a vacinação, em parte, provavelmente contribuiu para novas mutações de covid. Isso não é novidade. A ideia de que os tratamentos podem levar a novas mutações não é nova, e há muito tempo se sabe que, em várias situações, vacinas com vazamento podem produzir mutações resistentes a vacinas.

Isso também é conhecido por ocorrer no caso de covid. Por exemplo, em um artigo para o Journal of Physical Chemistry (dezembro de 2021), os autores observam que “mutações resistentes à vacina ou anticorpos fornecem um novo mecanismo de evolução viral”. E especificamente sobre covid, eles escrevem como as mutações costumam ser mais comuns em locais com taxas de vacinação mais altas:

revelamos que a ocorrência e a frequência de mutações resistentes à vacina correlacionam-se fortemente com as taxas de vacinação na Europa e na América. Prevemos que, como via de transmissão complementar, as mutações resistentes à vacina ou anticorpos, como as do Omicron, se tornarão um mecanismo dominante da evolução do SARS-CoV-2 quando a maior parte da população mundial estiver vacinada ou infectada.

Isso pode piorar ainda mais as coisas quando combinado com outras medidas de mitigação da covid. Como Vivek Ramaswamy e Apoorva Ramaswamy explicaram no Wall Street Journal na semana passada , simplesmente não é realista pensar que as vacinas podem ser constantemente ajustadas para acompanhar as novas variantes.

O artigo ainda diz que:

Enquanto isso, os mandatos de máscaras e as medidas de distanciamento social criarão um terreno fértil para novas variantes que evitam a vacinação de forma ainda mais eficaz. Mudanças antigênicas significativas podem criar novas cepas que são cada vez mais difíceis de atingir com vacinas. Não há vacinas para muitos vírus, apesar de décadas de esforço para desenvolvê-los.

Ou seja, a vacinação não está fazendo o covid ir embora. A versão politicamente correta da narrativa também nega completamente que o fracasso das vacinas em impedir a propagação seja mesmo um fator significativo na disseminação de novas mutações. Os fornecedores da narrativa ainda insistem que apenas os não vacinados têm alguma responsabilidade na existência contínua da doença.

Considere, por exemplo, uma recente reportagem da grande mídia citando um médico que obedientemente repetiu a política de que “sem uma grande porcentagem de pessoas vacinadas, o vírus poderá sofrer mutações”. Especificamente, ele afirmou ainda que, se “aproximadamente 70% da população” fosse vacinada ou naturalmente infectada, isso interromperia a propagação da doença por meio da “imunidade de rebanho”. Mas — como o médico agora entoa com uma voz desamparada — isso não pode ser alcançado porque não houve vacinação suficiente.

Mas, considerando seus critérios, devemos esperar que lugares com pelo menos 70% de taxa de vacinação tenham interrompido a propagação da doença, certo? Não surpreendentemente, isso não aconteceu.

Em Portugal, por exemplo, a taxa de vacinação completa é de 90%. No Chile, está em 87%. São 75% na França. Então, certamente a propagação do covid foi interrompida em todos esses lugares? A resposta é não. Novos casos estão ocorrendo em Portugal, Chile e França, com todos esses países atingindo novos recordes nos últimos dias.

Quer estejamos falando de mandatos de vacinas ou bloqueios, está claro que a estratégia de covid zero foi um fracasso. Eles ainda estão tentando isso em alguns lugares como a China, onde a propaganda do governo é amplamente inquestionável e onde as pessoas praticam obediência inquestionável ao regime em uma escala que faz o Ocidente complacente demais parecer totalmente rebelde em comparação.

Não espere que os “especialistas” de qualquer país desistam de seus slogans tão cedo. Mas é claro que a realidade acabará por alcançá-los. Se o respeito pelos direitos humanos permanece ou não no final de tudo isso é outra questão.

Texto escrito por Ryan McMaken e publicado no Mises.org e traduzido pelo Gazeta Libertária.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

CONFIRA