sábado, novembro 26, 2022

A nova antieconomia

A economia é sobre a ação humana e a escolha dentro do contexto de escassez. O problema que os economistas enfrentam é como entender e explicar a melhoria humana, que é outra maneira de dizer produção. A questão crítica, colocada corretamente pelo economista Per Bylund, começa com a escassez como o ponto padrão para a compreensão do comportamento humano intencional.

“O que causa a #pobreza? Nada. É o estado original, o padrão e o ponto de partida. A verdadeira questão é: O que causa a #prosperidade?”. Tweet do economista Per Bylund.

A antieconomia, por outro lado, começa com abundância e funciona de trás para frente. Ele enfatiza a redistribuição, não a produção, como seu foco central. No coração de qualquer antieconomia está uma visão de mundo positivista, a suposição de que indivíduos e economias podem ser comandados por decreto legislativo. Os mercados, que acontecem sem organização centralizada, dão lugar ao planejamento da mesma forma que o direito comum dá lugar ao direito estatutário. Essa visão é especialmente predominante entre os intelectuais de esquerda, que veem a economia não como uma ciência, mas sim como um exercício pseudointelectual para justificar o capital e os interesses comerciais dos ricos.

A antieconomia não é nova; até a alquimia pode ser considerada uma versão medieval da busca interminável para conseguir algo do nada. Tem um apelo duradouro na política e na academia modernas, onde o comunismo, o chartalismo, o keynesianismo e o monetarismo representam variações do século XX sobre o tema central da atividade econômica dominante.

Mas a versão mais visível da antieconomia de hoje toma a forma da teoria monetária moderna. O MMT apareceu fortemente em um perfil lisonjeiro recente da professora Stephanie Kelton no New York Times intitulado “É assim que se parece a vitória?”. “Vitória” neste contexto refere-se ao crescente apelo popular do MMT, com Kelton como o rosto público após seu livro de 2020 The Deficit Myth (O Mito da Dívida).

O MMT de Kelton é um programa político e fiscal, não uma teoria macroeconômica. Ela argumenta que os déficits não importam porque o dinheiro emitido por um governo soberano nunca é limitado (ao contrário dos recursos, como Kelton admite). Assim, os governos não “pagam” as coisas da maneira que indivíduos ou empresas fazem e, além disso, a dívida pública é, na verdade, um benefício privado para alguém. O problema não é pagar por programas governamentais, mas sim identificá-los – obras públicas robustas, garantias de emprego, renda básica universal, alimentação e moradia, programas Green New Deal, Medicare for All, etc. –e, mais importante, criar a vontade pública para apoiá-los politicamente.

Nas palavras de Kelton, o MMT “nos ensina a não perguntar ‘Como você vai pagar por isso?’ mas ‘Como você irá abastecê-lo?’ Isso nos mostra que, se tivermos o “know-how” tecnológico e os recursos disponíveis – para colocar um homem na Lua ou embarcar em um Green New Deal para combater as mudanças climáticas, o financiamento para realizar essas missões sempre poderá ser disponibilizado. Conseguir o dinheiro é a parte fácil.” O Mito do Déficit, em suma, é o que um comentarista chamou de “um apelo para usar a mobilização permanente em tempo de guerra para fins civis”. O estímulo sem fim, e não a produção melhor e mais barata, é o objetivo da política fiscal (ou monetária).

Isso é antieconomia em sua expressão mais plena. Os recursos existem (de onde?); são comandados ou pelo menos disponíveis para o estado, se não são propriedade do estado (impostos? apreensão? confisco?); e depois são colocados a serviço de um mandato político indefinido (o que “nós” queremos). O financiamento é uma reflexão tardia, pois a autoridade fiscal cria dinheiro conforme necessário. Mas, para ser justo com Kelton, o governo federal dos EUA em 2020 gastou cerca de US$ 6,5 trilhões, o dobro do que arrecadou em impostos (US$ 3,4 trilhões). Em um sentido muito restrito, o MMT “funciona” no curto prazo em benefício de grupos politicamente favorecidos.

Este é o visto. Mas a economia adequada, como explicaram Henry Hazlitt e Frédéric Bastiat, requer olhar para os efeitos a longo prazo de uma política sobre todos. Este é o invisível. Para os praticantes de MMT, os vastos custos de oportunidade dos gastos do governo, mesmo quando a economia não está nem perto do “pleno emprego”, passam despercebidos.

Perversamente, os críticos da mídia defenderam as críticas ao artigo de Kelton no Times com base no sexismo. Ela é elogiada, não surpreendentemente, como um raro destaque no campo dominado por homens da economia acadêmica. Os ataques ao seu trabalho, nos dizem, vêm de homens brancos mais velhos e ciumentos (por exemplo, o ex-secretário do Tesouro Larry Summers) que não apreciam a “nova” economia que ela propõe e que invejam a atenção que ela trouxe não apenas para si mesma e para a MMT, mas para o impulso mais amplo por justiça econômica igualitária. Kelton, afinal, serviu como consultor econômico do candidato presidencial socialista democrata Bernie Sanders e apoiou Elizabeth Warren. Antigos neoliberais como Summers, por outro lado, ainda apoiam a ideia ultrapassada de restrições fiscais.

Mas além das alegações absurdas de sexismo – certamente Kelton sabe como o Twitter e outras plataformas são impiedosas com todos – está a sugestão mais alarmante de que a prática da economia é muito masculina e precisa de uma versão feminina. A economia é muito adversária, muito preocupada em estar certa e precisa de uma abordagem mais colaborativa (leia-se: feminina). As implicações disso para todas as ciências sociais, não apenas para a economia, são impressionantes: derrubaríamos a busca por conhecimento para refletir uma lógica diferente entre homens e mulheres — o que Mises chamou de ” polilogismo “. Isso não exigiria uma epistemologia inteiramente nova em todas as disciplinas científicas?

Nenhum desses desvios nos permitirá escapar da realidade. A economia começa e termina com a escassez, uma característica inescapável da realidade humana. Qualquer concepção de liberdade de restrições materiais e humanas requer um mundo pós-econômico, seja uma utopia terrena ou uma abundância celestial. Em nosso mundo, por mais rico em relação ao passado, a escassez é o ponto de partida da análise econômica. Em nosso mundo, os atores humanos individuais fazem escolhas “racionais” apenas dentro do contexto de restrições: tempo, capital, inteligência, habilidade, saúde e localização. E toda escolha tem um custo de oportunidade.

A economia profissional está com grandes problemas – como as várias formas de antieconomia – e apenas uma nova geração agressiva de praxeologistas treinados na Áustria pode desfazer o dano causado pelos antieconomistas e políticos.

Texto por Jeff Deist. Traduzido e adaptado por Gazeta Libertária.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceMises org
spot_img

CONFIRA