Afegãos estão utilizando criptomoedas para se blindar do Talibã

Com a volta do Talibã em agosto do ano passado, diversas empresas e instituições financeiras que atuavam no Afeganistão, foram impedidas de continuarem exercendo suas atividades legalmente no país. Isso acabou deixando os civis afegãos sem alternativas para enviar e receber remessas do exterior, o que é extremamente grave para um povo que já sofre por muitos outros fatores.

E como era de se esperar, muitos afegãos começaram a recorrer a serviços envolvendo criptomoedas, já que elas possibilitam a intermediação financeira sem fronteiras e livre de restrições.

Grande parte dessa motivação pelo uso das criptos, vem da necessidade de pessoas receberem ajuda de parentes e amigos que moram no exterior, e não estavam conseguindo transacionar com a saída das empresas.

Como eles adquirem as criptomoedas?

Como muitas empresas não podem atuar no país, inclusive as Exchanges de criptoativos, eles recorrem a revendedores locais, que são vendedores paralelos que obtém os ativos via remessas diretas em suas carteiras e posteriormente eles enviam as moedas para a carteira do cliente. O pagamento geralmente é feito em Afegane (moeda local) ou dólar.

E o Talibã nessa história?

Por enquanto, o Talibã não se manifestou abertamente sobre essa questão, mas, moradores locais e usuários, creem que quando isso ocorrer pode ser uma situação de ”8 ou 80”. Ou eles irão reprimir de todas as formas, ou podem enxergar como uma maneira de voltarem ao comércio internacional, já que eles encontram muitas barreiras implementadas por diversos países e a adoção os colocaria de volta ao cenário.

Uma salvação para os afegãos?

Além de estarem servindo como fontes de remessa do exterior para afegãos, surgiram empresas do exterior como a Bookblocks.io e a organização ” Woman for Afghan Woman” que realizam projetos onde são enviados recursos para a população através de criptos, para ajudar a grave crise na qual o país passa. Outros projetos semelhantes estão atuando em busca de solucionar as dores locais.

Sem dúvidas, a situação é muito difícil para os afegãos e deve permanecer por um longo período de tempo, até que tenha uma mudança brusca na direção da nação. Porém, eles podem ter encontrado uma luz no fim do túnel, uma vez que se não existissem as criptomoedas, a situação deles poderia está pior ainda. Quanto mais conseguirem difundir o conhecimento sobre a tecnologia, mais liberdade e uma melhor qualidade de vida virá para o povo no geral.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pavel Durov
Criptomoedas

O CEO do Telegram, Pavel Durov, diz que mantém algumas centenas de milhões de dólares em bitcoin há 10 anos

Durante uma entrevista com Tucker Carlson, que foi ao ar na terça-feira, o cofundador e CEO do Telegram, Pavel Durov, disse que manteve algumas centenas de milhões de dólares em moeda fiduciária ou bitcoin nos últimos 10 anos. Em resposta a uma pergunta sobre o fato de a plataforma de mensagens criptografadas não aceitar dinheiro […]

Leia Mais
Lula imposto sobre o Bitcoin
Criptomoedas

Governo Lula quer aumentar para 22,5% os impostos para todos os usuários de Bitcoin no Brasil

O governo Lula anunciou que pretende aumentar os impostos para todos os usuários de criptomoedas em até 22,5%. Segundo o governo, a proposta não é criar um novo imposto, mas aumentar ainda mais as taxas para os usuários que possuem criptoativos. A ideia é ‘fechar o cerco’ com àqueles que estão usando criptoativos para driblar […]

Leia Mais
Halving do Bitcoin
Criptomoedas

O halving do Bitcoin está cada vez mais próximo, com menos de 2.900 blocos restantes

No momento, restam menos de 2.900 blocos até o próximo halving do Bitcoin. Para compreender o conceito de halving, é bom entender primeiro como surgem os novos bitcoins, principalmente por meio do processo de mineração de bitcoins. Isso envolve entidades, conhecidas como mineradores, que validam blocos repletos de transações que aguardam confirmação. Em sua busca […]

Leia Mais