Azerbaijão inicia nova ofensiva militar em Nagorno-Karabakh

O Azerbaijão lançou nesta terça-feira o que chamou de “atividades antiterroristas” na região separatista de Nagorno-Karabakh. A ofensiva militar teria sido supostamente em resposta à morte de seis pessoas em dois acidentes, quando seus veículos passaram por minas terrestres em uma das áreas recapturadas durante a guerra de 2020; minas terrestres supostamente instaladas pelas forças de segurança da Armênia.

O Ministério também acusa a Armênia de fortificar suas posições militares na região disputada. Com isso, a escalada militar foi iniciada para “neutralizar e garantir a retirada das formações armadas inimigas de nossos territórios, restaurando a ordem constitucional da República do Azerbaijão”.

O Ministério da Defesa do Azerbaijão exigiu em uma declaração a “retirada completa das tropas armênias étnicas e a dissolução do regime fantoche em Stepanakert, sendo essa a única maneira de alcançar a paz e a estabilidade na região”. Também informando que os civis estavam livres para sair por corredores humanitários, incluindo em direção à Armênia.

Explosões foram ouvidas na capital Stepanakert. Relatos de dentro da região falam em ataques em larga escala de artilharia. Sirenes de ataque aéreo e disparos de morteiros foram ouvidos na capital. A extensão dos conflitos ainda não é conhecida.

O Ministério da Defesa do Azerbaijão declarou que apenas instalações militares estão sendo alvejadas e incapacitadas pelo uso de armas de alta precisão. Relatos indicam, contudo, que áreas residenciais também foram atingidas. As forças de paz russas foram alertadas sobre a ação militar poucos minutos antes de seu início.

A agência de notícias Armenpress informou que o exército de Karabakh, não pertencente às forças armadas da Armênia, está demonstrando resistência às tentativas de avanço dos militares azeris. O Ministério da Defesa da Armênia rejeitou as alegações de possuir pessoal ou equipamento militar em Karabakh.

A rápida escalada de tensões ocorreu apenas um dia após a entrega de mantimentos ao território separatista e a abertura temporária de duas estradas para servir de corredor humanitário. A entrada de suprimentos foi comemorada como uma importante redução de tensões momentânea e elevou as esperanças de uma resolução que não necessitasse de conflito militar. Com as ações de hoje, no entanto, o Azerbaijão mostra que essas esperanças eram infundadas. A qualquer momento, por qualquer motivo, real ou não, uma nova campanha militar pode ser justificada.

Novos artigos poderão ser escritos para acompanhar os desdobramentos dessa situação ainda em andamento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gabriel Camargo

Autor e tradutor austrolibertário. Escreve para a Gazeta com foco em notícias internacionais. Suas obras podem ser encontradas em https://uiclap.bio/GabrieldCamargo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sinais eletromagnéticos no cérebro
Política

A “Síndrome de Havana” é uma agressão russa ou outra teoria da conspiração da mídia?

Na noite de domingo, o programa 60 Minutes da CBS publicou um segmento sobre a série de episódios médicos misteriosos sofridos por oficiais de inteligência dos Estados Unidos e funcionários do governo que receberam o apelido de “Síndrome de Havana”. Por quase uma década, as autoridades e suas famílias relataram ouvir sons repentinos de zumbidos […]

Leia Mais
Lula Macron Urânio
Política

Governo Lula assina acordo com a França para explorar urânio no Brasil

Representantes dos governos brasileiro e francês assinaram nesta quinta-feira (28), em Brasília, um acordo que prevê colaboração para geração de energia nuclear. Segundo reportagem da CNN, um dos destaques do texto do acordo é um entendimento para a exploração de reservas de urânio no Brasil. O acordo é de grande interesse para o governo francês, […]

Leia Mais
Lula e Maduro
Política

De forma inesperada, governo Lula endurece o tom contra governo Maduro na Venezuela

De forma inesperada, O governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) endureceu o tom com o governo venezuelano de Nicolás Maduro, tradicional aliado das gestões petistas. A repreensão do governo foi feita por meio de uma nota divulgada na última terça-feira (26/3), pelo Itamaraty, onde foi manifestada uma preocupação com o andamento das eleições […]

Leia Mais