Bolsonaro veta distribuição gratuita de absorventes

O Presidente Jair Bolsonaro, sem partido, sancionou nesta quinta-feira (7) a Lei que institui o Programa de Proteção e Promoção da Saúde Menstrual.

Contudo, vetou alguns trechos em que previa a distribuição de absorventes a estudantes de baixa renda de escolas públicas e as mulheres em situação de rua ou vulnerabilidade extrema.

O Presidente também vetou trechos em que previa a inclusão dos itens em cestas básicas distribuídas pelo Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional.

O Congresso poderá manter ou vetar a decisão do Presidente. Isso pode ser feito no prazo de até 30 dias após a publicação no Diária Oficial.

A justificativa de Jair Bolsonaro, é que a proposta não indica fonte de custeio ou medida compensatória.

Segunda a nota divulgada pela Secretaria Geral da Presidência da República, isso afrontaria a Lei de Responsabilidade Fiscal, a Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2021 e a Lei Complementar nº 173, que estabelece o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus.

Ainda de acordo com a nota, Bolsonaro levou em consideração as “manifestações técnicas dos ministros competentes”.

A PL 4968/2019, de autoria da deputada Marília Arraes (PT/PE) e de outros 34 deputados, foi aprovado pelo Senado em Setembro, e previa a distribuição gratuita dos itens de higiene pessoal da mulher.

O texto incluía também presidiárias e adolescentes internadas em unidades para cumprimento de medida socioeducativa.

Todavia, devemos salientar que não existe distribuição de absorventes gratuito. O que seria mais um programa “gratuito”, custaria aos pagadores de impostos 84,5 milhões ao ano tendo por base 8 absorventes por mês/mulher de acordo com o levantamento do Senado.

O brasileiro enfrenta hoje um Brasil com uma economia deteriorada e altos índices de inflação, além de terem sofrido com a perda de suas rendas e economias por consequência dos longos lockdowns, enfrentar mais um aumento nos impostos para sustentar mais esse programa empurraria a população ainda mais para a miséria.

Além do mais, não faz o menor sentido discutir sobre a gratuidade de absorventes para mulheres e meninas carentes diante de um cenário em que o número de brasileiros passando por necessidade e entrando na miséria cresce cada vez mais, ou quando metade da população brasileira não tem o serviço de saneamento básico.

Os governantes deste país, ao que parece, preferem trazer soluções custosas a problemas não tão urgentes e ignorar, ano após ano, problemas graves e reais.

No entanto, não podemos ignorar o fato de que apesar de não haver mais a possibilidade de a população sustentar mais esse fardo no aumento de impostos, e de não haver mais previsão orçamentária, o Presidente Jair Bolsonaro encontrou uma maneira para aumentar seu próprio salário e o salários de sua cúpula acima do teto constitucional, o que nos mostra, mais uma vez, que apesar de seus discursos populistas a favor dos pobres.

Quando há a necessidade de corte de gastos, quem vê seus benefícios cortados é a própria população carente que sustenta todo esse aparato estatal e os salários  e benefícios cada vez maiores da elite política e de seus funcionários.

O melhor programa para a população carente seria acabar de vez com imposto sobre o consumo, pois sabemos que o imposto sobre os bens de consumo provoca uma diminuição do poder de compra da população e transfere essa riqueza para sustentar a casta política e os funcionários do estado.

Ao deixar de cobrar impostos dos pobres, removemos de cima deles a carga que pesa sobre suas atividades produtivas e seu poder de compra.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escola cívico-militar
Política

Sobre a polêmica em torno do projeto das escolas cívico-militares

Foi aprovado pela Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) nesta terça-feira (21), o projeto de lei que viabiliza a implementação de escolas cívico-militares nas redes municipais e estaduais de educação do estado de São Paulo. Para muitos preocupados com a doutrinação esquerdista sobre as crianças nas escolas, o projeto é visto como uma saída. No […]

Leia Mais
Emchentes no Rio Grande do Sul
Política

Municípios atingidos pelas inundações no RS enfrentam burocracia para receber ajuda do governo federal

Em um artigo da CNN, diversas entidades municipais informaram que estão enfrentando uma enorme burocracia para receber verbas do governo federal para lidar com os impactos das inundações no Rio Grande do Sul. A informação contrasta com a acusação por parte da grande mídia e agentes públicos, de que a afirmação de tal burocracia na […]

Leia Mais
Dique de Mauá
Política

Bombeiros usam sacos de areia de improviso para impedir inundação no RS

Em um vídeo que está circulando na internet, uma equipe de bombeiros usa sacos de areia como improviso para impedir que um determinado lugar no Rio Grande do Sul fosse inundado. Um perfil popular no X chamado Peregrino publicou o vídeo e fez uma comparação com diques construídos por holandeses há mais de 100 anos. […]

Leia Mais