Brasil sobe posição no ranking de liberdade econômica e EUA caem

Brasil subiu sua posição no ranking de liberdade econômica e EUA caem

Segundo o relatório recente do The Heritage Foundation, Brasil subiu sua posição no ranking de liberdade econômica enquanto os EUA teve sua maior queda histórica durante o governo Biden.

O Brasil, que era a 140° posição em 2017, caiu para a 143° no ano de 2021. Com isso, o país ficou abaixo de outros países sul-americanos, como Colômbia, Paraguai e Uruguai. No entanto, de acordo com os dados mais recentes do The Herintage Foundation, o país subiu sua posição no ano anterior de 143° para a 133°.

Tal mudança pode ser atribuída à várias medidas de de liberalização da economia, como reforma trabalhista, privatização de algumas estatais, e outras medidas liberalizantes, o que trouxe uma relativa melhoria econômica no país. No entanto, o Brasil ainda sofre com uma alta carga tributária e é um dos países mais burocráticos para se abrir um negócio, o que ainda o mantém entre os últimos no ranking.

Como agravante, o país enfrentou duras restrições no comércio por meio do bloqueio de negócios julgados pelos políticos como “não essenciais”. Tal medida gerou desemprego, quebra de várias empresas e estagnação econômica, escassez de itens essenciais e redução de renda de boa parte da população.

EUA tem sua maior queda histórica no ranking de liberdade econômica

De acordo com o relatório recente da The Heritage Foundation, os EUA caíram no ranking de liberdade econômica durante a gestão Biden, onde o país enfrenta inflação, crise na cadeia de suprimentos e aumento da dívida pública.

Índice de Liberdade Econômica deste ano pinta um quadro perturbador, tanto no cenário interno quanto externo

O declínio da liberdade econômica norte-americana é um sério motivo de alarme

afirmou Kevin Roberts, presidente da Heritage.

Segundo o relatório, os EUA caíram 2,7 pontos no ranking, chegando a 72 pontos. Com isso, atingiram a classificação mais baixa em sua história (25º).

Entre os principais fatores, estão os fechamentos de comércios impostos durante a gestão de Biden para conter a pandemia, o que levou à uma estagnação econômica no país.

A situação econômica do país atualmente é preocupante. Em janeiro, os EUA registraram inflação de 7% — a mais alta em 40 anos. Além disso, ainda há uma crise na cadeia de suprimentos, perda da confiança do consumidor, sucateamento da indústria nacional e aumento da dívida pública, que superou os US$ 30 trilhões.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Inflação corrói situação financeira dos europeus

A massiva impressão de dinheiro como resposta à pandemia de COVID, bem como o conflito Rússia-Ucrânia no Leste Europeu, ainda geram impactos significativos na economia do continente. A Gazeta já havia reportado os efeitos nocivos da alta inflacionária. Uma pesquisa recente reforça o quadro. Um total de 10.000 europeus foi questionado em 10 países pesquisados, […]

Leia Mais
Economia

Órgão de fiscalização do Reino Unido bane anúncios da Toyota por “irresponsabilidade social”

A Autoridade de Padrões de Publicidade (APP) do Reino Unido proibiu dois anúncios da Toyota Hilux alegando que eles não possuem um senso de responsabilidade para com a sociedade. Em sua decisão, o órgão de fiscalização de publicidade julgou que os anúncios toleram conduta que desconsidera seu impacto ambiental. As propagandas em questão são o […]

Leia Mais
Monark
Economia

Monark desiludido com a realidade dos EUA?

Em um vídeo que anda circulando nas redes sociais, o influencer Monark aparece reclamando dos preços dos produtos nos EUA, além de outras situações. O vídeo se popularizou principalmente entre os perfis virtuais da esquerda política, com muitos comemorando a situação do podcaster. O vídeo foi disponibilizado pelo próprio Monark no Locals, com o título […]

Leia Mais