Cidade da Guatemala limpa lago local usando mineração de Bitcoin

Bitcoin Lake usa mineração de Bitcoin pra despoluir lago Atitlán, na Guatemala

Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Uma economia circular de BTC da Guatemala conhecida como “Bitcoin Lake” está alavancando os ASICs (mineradores) de Bitcoin para limpar o Lago Atitlán nas proximidades, enquanto gera renda para a comunidade.

Como explicou Patrick Melder, fundador do Bitcoin Lake, o projeto de mineração “Kaboom” reutiliza o óleo de cozinha usado para minerar o BTC, em vez de poluir o ambiente local.

Mineração ajudando o meio ambiente?

Como disse Melder à Bitcoin Magazine, o projeto é uma continuação de tentativas anteriores de limpar o lago que acabaram sendo caras e malsucedidas.

“Nos últimos cinco anos, um grande esforço para limpar o lago, que custou mais de US$ 300 milhões, falhou porque era muito complexo, com tantas grandes partes interessadas que não conseguiam concordar com uma solução”

acrescentou ele

Por outro lado, o Bitcoin Lake adotou uma abordagem de baixo para cima para a sustentabilidade ecológica. Ela envolve o reaproveitamento de óleo de cozinha usado para minerar BTC, que de outra forma seria jogado na rua ou no aterro que ficava acima do Lago Atitlán.

“De qualquer forma, ele encontraria seu caminho para a bacia e para o lago”, disse Melder. Em contraste, enquanto o processo de mineração produz dióxido de carbono, ele reduz a poluição dos lagos.

O Bitcoin Lake compartilhou um vídeo do projeto em ação no início deste mês. Sob uma tenda, o fundador manteve vários recipientes de óleo de cozinha usado, um gerador, ASICs e um laptop rastreando os hashes que estavam sendo gerados. Tanto o gerador quanto os ASICs são modelos antigos e reciclados, mas encontraram uma “segunda vida” graças à “energia quase gratuita” fornecida pelos óleos de sementes.

O fundador espera popularizar a iniciativa nas comunidades vizinhas à medida que perceberem que podem limpar o meio ambiente de forma viável e lucrativa.

Nos Estados Unidos, as preocupações com o impacto negativo da mineração de Bitcoin no meio ambiente ainda são comuns entre os reguladores. No entanto, vários relatórios delinearam maneiras de ajudar a curar o meio ambiente, como queima de gás natural em excesso.

Difundindo a adoção do Bitcoin

O projeto “Bitcoin Lake” mais amplo de Melder – do qual “Kaboom” faz parte – tem três objetivos: limpar o lago, educar a comunidade sobre Bitcoin e criar uma economia circular de Bitcoin. Isso inclui disseminar a adoção do Bitcoin como reserva de valor, meio de troca e unidade de conta.

“A economia circular verdadeiramente virtuosa do #Bitcoin é usar todas as formas de energia desperdiçada para minerar BTC e proteger a rede. No processo – distribuindo renda DE VOLTA À COMUNIDADE”, twittou Bitcoin Lake em 12 de setembro.

O projeto foi inspirado na Bitcoin Beach de El Salvador, onde várias iniciativas amigáveis ​​ao Bitcoin se estabeleceram. No entanto, ao contrário do exemplo salvadorenho, o Bitcoin Lake não tinha grandes doações para iniciar suas operações. A mineração, no entanto, está ajudando a inserir o Bitcoin na economia.

Em relação à educação, o projeto já tem material relacionado ao Bitcoin no centro educacional local. Desde janeiro, as crianças da região estão aprendendo conceitos básicos como “o que é inflação” e até “o que é dinheiro” – ideias que alguns dizem que os operadores de Wall Street lutam para entender.

Encontros educativos para adultos, empresários e lideranças de comunidades indígenas também estão presentes. No geral, a iniciativa visa inspirar a adoção natural por meio da educação, em vez de coerção que pega as empresas desprevenidas.

Em El Salvador, muitos se opuseram à Lei do Bitcoin após sua implementação no ano passado, que incluiu uma estipulação para forçar as empresas a aceitar o Bitcoin. O presidente Bukele esclareceu mais tarde que, na prática, o detalhe só se aplicava a grandes corporações.

“Desde que começamos em janeiro deste ano, integramos mais de 60 empresas em Panajachel e nos arredores, e na Guatemala como um todo temos cerca de 200 empresas que aceitamos bitcoin”

explicou Melder

Artigo escrito por Andrew Throuvalas, publicado em Crypto Potato e traduzido e adaptado por Rodrigo D Silva

  • Se quiser entender mais sobre BTC e outras criptomoedas, clique aqui e acesse nosso guia essencial sobre o assunto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Lula imposto sobre o Bitcoin
Criptomoedas

Governo Lula quer aumentar para 22,5% os impostos para todos os usuários de Bitcoin no Brasil

O governo Lula anunciou que pretende aumentar os impostos para todos os usuários de criptomoedas em até 22,5%. Segundo o governo, a proposta não é criar um novo imposto, mas aumentar ainda mais as taxas para os usuários que possuem criptoativos. A ideia é ‘fechar o cerco’ com àqueles que estão usando criptoativos para driblar […]

Leia Mais
Halving do Bitcoin
Criptomoedas

O halving do Bitcoin está cada vez mais próximo, com menos de 2.900 blocos restantes

No momento, restam menos de 2.900 blocos até o próximo halving do Bitcoin. Para compreender o conceito de halving, é bom entender primeiro como surgem os novos bitcoins, principalmente por meio do processo de mineração de bitcoins. Isso envolve entidades, conhecidas como mineradores, que validam blocos repletos de transações que aguardam confirmação. Em sua busca […]

Leia Mais
União Europeia ALM Criptomoedas
Criptomoedas

Novas leis contra lavagem dinheiro da UE visam transações em criptomoedas

Como parte das novas leis contra lavagem de dinheiro, o Parlamento da União Europeia proibiu carteiras de criptografia de autocustódia não identificadas para transações na região. A proibição tem como alvo as transações anônimas em dinheiro que excedam € 3.000 e as carteiras de auto-custódia em várias plataformas. Em uma publicação recente nas redes sociais, […]

Leia Mais