sábado, dezembro 3, 2022

Como “Vida de Inseto” revela a imoralidade do socialismo

Não há razão ética ou moral para que alguém trabalhe incansavelmente para apoiar um bando de burocratas, e o sucesso da Pixar de 1998 parece compreender isto.

Se você ainda não viu “Vida de Inseto“, posso lhe assegurar que você perdeu um dos melhores filmes já feitos. Na verdade, este clássico animado produzido pela Pixar, que estreou em 1998 e provavelmente não obtém o reconhecimento que merece, é provavelmente uma das produções mais libertárias já vistas.

Hoje é difícil encontrar um filme que represente bons ideais e exponha as práticas do totalitarismo. Nas últimas décadas, os grandes produtores de cinema deixaram de lado, em grande parte, as histórias de heróis e modelos para se concentrarem nas vítimas e seu sofrimento nas mãos dos opressores, sem nenhuma mensagem positiva ou esperançosa, exceto para reforçar a cultura da vitimização.

Este não é o caso de Vida de Inseto, pois embora o filme também apresente um dos maiores vilões de quadrinhos de Hopper – um gafanhoto retratado por Kevin Spacey – ele apresenta Flik como um inovador que nunca desiste, que explora constantemente novas idéias e que eventualmente decide se opor ao totalitarismo de Hopper para libertar sua colônia da exploração do gafanhoto.

Vários meios de comunicação publicaram artigos afirmando falsamente que o filme é uma crítica ao “capitalismo” porque, de acordo com eles, trata-se de uma luta de classes entre trabalhadores explorados. Mas isto tem pouco a ver com a realidade. Nos sistemas capitalistas e de mercado livre, as pessoas cooperam mutuamente sem coerção; os direitos de propriedade privada são respeitados, ao contrário do que é retratado no filme, pois as formigas lutam para proteger sua produção (privada) de alguns gafanhotos (militaristas) que tentam tirar deles os frutos de seu trabalho pela força (expropriá-los).

Curiosamente, Flik, que só pensa em libertar sua comunidade da opressão, é constantemente repudiado e rejeitado por outras formigas devido à sua falta de obediência e respeito pela autoridade dos gafanhotos; nisto, podemos encontrar grandes paralelos com as sociedades atuais, cada vez mais servil diante do poder inclemente dos estados sobre os esteróides e seus refinados burocratas. No entanto, Flik está convencido de que poderá salvar sua colônia da escravidão e não descansará até que a consiga.

Hopper: A representação máxima do socialismo

Hopper, o vilão de Vida de Inseto, é a coisa mais próxima que temos de ditadores coletivistas nos últimos 100 anos. Stalin, Castro, Chávez, Mao, Pol Pot, Hitler, todos podem ser identificados com Hopper, pois em sua visão de mundo as formigas são a escória que deve trabalhar para sustentar os gafanhotos. É basicamente a mesma lógica que os regimes socialistas seguem: o povo deve trabalhar para alimentar os burocratas. A suposta “redistribuição da riqueza” nada mais é do que uma desculpa para apropriar-se da produção do “povo” para que os burocratas possam dispor dela, deixando apenas migalhas para os produtores.

Em uma de suas conversas apaixonadas, Hope fala com a princesa da colônia. “Há um mundo de insetos que come insetos lá fora, princesa. É uma daquelas coisa do Ciclo da Vida. Agora deixe-me dizer-lhe como as coisas devem funcionar. O sol faz crescer o alimento, as formigas escolhem o alimento, os gafanhotos comem o alimento …”.

A princesa formiga é completamente intimidada pelas ameaças de Hopper, e ele exerce seu controle sobre os pequenos insetos através do medo da violência e exige obediência absoluta, no mais puro estilo Castro.

Em outra parte do filme, os gafanhotos mais próximos do líder o enfrentam quando ele lhes diz para sair e fazer mais pressão sobre as formigas para conseguir seus alimentos, então Hopper reage raivoso: “Se você deixar uma formiga se levantar contra nós, talvez todas se levantem! Essas formiguinhas nos superam em cem para um, e se alguma vez descobrirem, é o fim do nosso modo de vida! Não se trata de comida, trata-se de manter essas formigas na linha”.

A esperança e o anseio por liberdade de Flik

Flik, como o resto da colônia, é apenas uma pequena formiga que não é forte o suficiente para enfrentar Hopper e os gafanhotos, mas ele tem grandes idéias e muita coragem.

Após viajar para longe para encontrar ajuda para sua colônia e recrutar um grupo de insetos do circo, Flik retorna à colônia para pôr um fim aos planos de Hopper de mantê-los como escravos até seu último dia. Infelizmente, o plano da Flik falha, mas sua coragem permanece intacta, e consegue inspirar o resto das formigas.

Na parte final do filme, quando o confronto se aproxima, Hopper grita à Flik. “Seu pedaço de sujeira! . Não, eu estou errado. Você é mais baixo que a sujeira. Você é uma formiga! Que isto seja uma lição para todas vocês formigas. . Idéias são uma coisa muito perigosa! Vocês são uns perdedores idiotas que foram colocados nesta terra para nos servir!”.

Então Flik responde: “Você está errado, Hopper. As formigas não são feitas para servir gafanhotos. Eu já vi essas formigas fazerem grandes coisas. E ano após ano, elas de alguma forma conseguem colher comida para si mesmas e para você. Então, quem é a espécie mais fraca? As formigas não servem aos gafanhotos. São vocês que precisam de nós. Nós somos muito mais fortes do que você diz. E você sabe disso, não é mesmo?”

Depois das palavras de Flik, os gafanhotos começam a ficar inquietos, as formigas começam a avançar contra seus escravistas, Hopper se mantém firme, mas seu exército começa a se dispersar. O líder dos gafanhotos dá a ordem de contra-atacar, mas as formigas já perceberam que estão em vantagem e que não precisam dos gafanhotos. Por fim, as formigas esmagam seus exploradores, e a princesa diz ao vilão: “Veja, Hopper, a natureza tem uma certa ordem. As formigas recolhem a comida, as formigas guardam a comida, e os gafanhotos vão embora”.

No final, tudo o que as formigas precisavam era um pouco de coragem para se libertarem de seus captores, e Flik lhes deu a inspiração para derrotar o exército de gafanhotos.

A mensagem que Vida de Inseto nos deixa é bastante esperançosa, e todos devemos seguir Flik e sua colônia; não há razão ética ou moral pela qual alguém deva trabalhar incansavelmente para apoiar um bando de burocratas.

A riqueza que é criada deve pertencer a seus criadores, não àqueles que ditam as leis das sociedades injustas e intimidam os cidadãos com o uso da força.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA