segunda-feira, outubro 3, 2022

De El Salvador para a África: a próxima guerra monetária coloca os populistas contra os banqueiros

Primeiro, uma década de dinheiro fácil e a percepção de inflação de preços baixos convenceu nossa geração atual de banqueiros centrais de que não havia custo para uma política agressiva. O resultado foi uma farra monetária durante o lockdowns conta o covid que desencadeou crises monetárias em todo o mundo, inclusive na Turquia, no Japão e em toda a América Latina.

Estas questões precederam a invasão da Rússia na Ucrânia. Esta ruptura maciça da economia global tem pressionado ainda mais as cadeias de abastecimento e os mercados de energia. Os legisladores reconhecem agora que a escassez de alimentos – e as mortes que se seguirão – são inevitáveis, mesmo que a imprensa empresarial os ignore em grande parte. A solidariedade com a Ucrânia significa não apenas que muitos governos europeus não saberão como se manter aquecidos neste inverno, mas também que o sistema bancário europeu será forçado a comer a dívida russa.

Essas perdas são ainda mais preocupantes dado o impacto das políticas de juros negativos imprudentes do Banco Central Europeu, que exigiram maior exposição a ativos financeiros mais arriscados. Os formuladores de políticas européias estavam dependendo de um maior crescimento econômico para compensar os gastos de emergência. Ao invés disso, a União Européia está travando uma guerra econômica que a empurrou para a beira de uma nova recessão.

É claro que, em última instância, é o dólar que sustenta a ordem monetária atual, mas a Reserva Federal está enfrentando seu próprio conjunto de desafios sem precedentes. Enquanto os números oficiais da inflação do consumidor já estão oscilando em torno de 9%, os americanos atuais estão vendo aumentos de preços de 20 a 30% em necessidades como moradia, alimentação e gás. Isto levou os membros do Fed a sinalizar um compromisso institucional de aumentar as taxas de juros, incluindo a adoção de aumentos de 50 pontos e taxas mais altas.

Será que eles vão manter esta atitude à medida que a economia se aproxima de uma recessão? Será que os democratas irão revalidar Jerome Powell como presidente do Fed se eles acharem que ele irá?

O que quer que os bancos centrais façam no futuro, o fato é que o mundo está à beira de uma crise econômica global e a confiança nas instituições do governo é merecidamente baixa. Esta é a última de uma longa série de fracassos do “padrão PhD”, que enriqueceu a elite, roubou as massas e deu poderes incríveis a uma classe tecnocrática de uma forma que até mesmo a maioria dos funcionários eleitos não entende.

Estes desafios globais, por mais sérios que sejam, criaram um ambiente no qual soluções podem surgir. Neste contexto, está surgindo um padrão interessante que pode mostrar soluções práticas em um momento político em que tais soluções são muitas vezes inexistentes.

No ano passado, El Salvador se tornou o primeiro país a reconhecer o bitcoin como moeda corrente. Enquanto outros países – e mesmo alguns estados americanos – haviam criado estruturas regulatórias favoráveis para as criptomoedas, El Salvador, liderado pelo presidente Nayib Bukele, foi o primeiro estado a reconhecer oficialmente as criptomoedas. Embora existam críticas válidas aos detalhes do plano de El Salvador, as ramificações políticas são significativas.

Primeiro, esta medida foi imediatamente reconhecida como uma ameaça pelo Fundo Monetário Internacional e pelos Estados Unidos. O primeiro advertiu o regime de Bukele contra a implementação das novas regras, alertando que a política “apresenta riscos significativos para a integridade financeira e de mercado, estabilidade financeira e proteção ao consumidor”. Enquanto isso, um grupo bipartidário de senadores americanos propôs legislação destinada ao país latino-americano, legislação que dizem ser necessária para garantir que a adoção de bitcoin não enriqueça os maus atores (todos os senadores que patrocinaram o projeto continuam a apoiar o envio de bilhões de dólares de ajuda americana a grupos de milícias na Ucrânia).

No final de abril, o Presidente da República Centro-Africana anunciou que a CAR se juntaria a El Salvador para reconhecer o bitcoin. Ao fazer isso, um conselheiro próximo ao presidente justificou a decisão como algo que dará ao país uma vantagem sobre os outros.

“Nossa nação deve ser capaz de perseguir seu destino e juntar-se às fileiras daqueles que não só compreendem plenamente a importância da tecnologia de cadeias de bloqueio, mas estão ansiosos para legislar sobre ela”. Obed Namsio, diretor do gabinete do presidente, disse em uma declaração.

Embora parte do apelo do bitcoin para ambos os países seja o potencial para atrair investimentos da indústria de moedas criptográficas, há outra importante dinâmica em jogo: em ambos os casos, o impulso para a aceitação do bitcoin veio do poder executivo, não do banco central. Como relatou a Bloomberg, a mudança da CAR foi feita de forma completamente independente dos bancos centrais:

A decisão da República Centro-Africana de tornar o bitcoin legal veio como uma surpresa para um jogador-chave: a autoridade monetária da região….. O Banco dos Estados da África Central, que administra o franco CFA da África Central, a moeda regional utilizada por seis países, não havia sido informado, disse o porta-voz do banco na sexta-feira, sem dar mais detalhes.

Embora o Banco Central de Reserva de El Salvador tenha ajudado a facilitar o reconhecimento legal do Bitcoin no país, o ímpeto para este movimento veio somente do Presidente Bukele e foi fortemente criticado por ex-funcionários do banco. Bukele, que a certa altura se autodenominou “o ditador mais legal do mundo”, é controverso por outras razões além da competição de moedas e tem confiado fortemente em ser um líder populista da tecnologia.

O que é interessante aqui não são os motivos subjacentes de Bukele ou do presidente da CAR Faustin-Archange Touadéra, mas que estamos testemunhando uma era de líderes eleitos que reconhecem o benefício de liderar em questões monetárias independentemente das autoridades monetárias. Se a inflação continuar sendo um problema político global, é provável que continuemos a ver o impulso para alternativas monetárias vindo de populistas políticos, não especialistas em políticas bem qualificados.

Esta tendência vai continuar na política dos EUA? Isso ainda está para ser visto. Um artigo recente do Politico chamou o crescente interesse dos populistas de direita norte-americanos pelas criptomoedas de “A vingança de Ron Paul“. Figuras como Peter Theil e Steve Bannon, ambos grandes vencedores na vitória de J.D. Vance nas primárias republicanas desta semana para o Senado de Ohio, falaram ambos das criptomoedas como uma grande arma contra o regime. A imprensa corporativa já está se assustando com a idéia do Partido Republicano se transformando em uma moderna plataforma populista Jacksoniana.

A história mostra que poucas questões podem desafiar a ordem política como as conseqüências de uma inflação severa. Diante das dificuldades que se apresentam, os banqueiros centrais e as instituições globalistas exigirão mais poder para responder à crise que eles criaram. Bitcoin dá a seus oponentes políticos uma arma contra eles.

No futuro, será interessante ver se El Salvador e a República Centro-Africana continuam a ser aberrantes ou se se tornarão o modelo a ser seguido por outros.

Este artigo foi escrito por Tho Bishop, publicado no Mises.org e traduzido e adaptado por Gazeta Libertária

  • Se quiser entender melhor sobre criptomoedas e o potencial delas para salvarem o seu poder de compra, leia este nosso guia sobre o assunto!

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceMises.org
spot_img

CONFIRA