Dilma é indicada para a presidência do Banco dos BRICS. O que esperar?

Dilma Rousseff indicada para ser presidente do Banco do BRICS

Por decisão do presidente Lula, a ex-presidente, Dilma Rousseff, foi indicada para a presidência do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), o Banco dos BRICS. O atual governo vem negociando com o atual presidente do banco, Marcos Troyjo, para que ele renuncie ao cargo.

O NBD foi criado em 2014 e começou a funcionar em 2016. O objetivo do banco seria financiar projetos e obras que os representantes do BRICS acreditassem contribuir para o crescimento dos países que compõem tal grupo, no caso: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Segundo o governo Lula, há bons sinais de que os representantes dos demais países-membros estejam de acordo com a indicação de Dilma para a presidência do NBD. Caso assuma o cargo, a petista irá presidir o banco até 2025, ano em que termina o mandato do atual presidente, Marcos Troyjo.

Uma breve nota sobre o Banco do BRICS

Como já dito, o NBD foi criado com o intuito de investir em projetos que os representantes do BRICS julgam como “importantes” para o crescimento dos seus respectivos países. No fim, as decisões sobre quais projetos financiar dependerão dos caprichos dos governantes. Independente da narrativa que eles tentem incutir.

Além disso, como diria o economista Murray Rothbard, “não há nenhuma maneira de medir a qualidade e o sucesso de um produto pelo qual os consumidores são forçados a pagar“.

O que esperar de Dilma na presidência do NBD?

O economista Ludwig von Mises nos dá um parecer: “é impossível prever (com total certeza) a ação humana. No entanto, com base no histórico de um indivíduo é possível estimar qual seria a conduta mais provável”.

Se tratando de Dilma Rousseff, as expectativas não são nada boas. Durante seu governo, Dilma não renegou em nenhum momento seu apego ao forte intervencionismo estatal na economia. Por isso, só podemos esperar mais do mesmo modelo aplicado aqui no Brasil, principalmente em sua última gestão como Presidente da República. Crédito barato com juros baixos artificialmente, visando estimular empreendimentos que ela considere importantes, pode ser a meta de Dilma, numa eventual presidência do BRICS.

As consequências disto? As mais previsíveis.

Empreendimentos que nas condições existentes seriam inviáveis sem a ajuda do estado começam a drenar recursos que poderiam ir para os empreendimentos que refletem melhor a demanda dos consumidores. Isso leva a uma consequente redução dos bens e serviços mais essenciais e o respectivo aumento dos seus preços.

Enquanto isso, os empreendimentos mantidos artificialmente pelo estado tornam-se dependentes contínuos da ajuda estatal. Isso leva o estado a retirar mais recursos de onde eles, de fato, são demandados pelo público, enquanto os pagadores de impostos continuam subsidiando os maus investimentos.

Além disto, agravam a situação do consumidor que sofre em dobro, arcando com o aumento dos preços dos produtos e serviços, e também dos impostos.

Resumindo: com Dilma ou sem Dilma, o NBD é um problema. Com ela, a situação fica ainda pior.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Haddad afirma que memes que estão criando sobre ele são baseados em “desinformação”

Os memes feitos em crítica ao aumento de impostos atribuído ao ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), estão tomando conta da internet no Brasil. O ministro, porém, afirma que tais memes em crítica a ele são baseados em “desinformação“. Os memes Após a criação de novos impostos, o ministro Haddad se tornou alvo de diversos […]

Leia Mais
Política

Aumenta a pressão sobre Biden para que ele repense sua candidatura

Na quarta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, viu crescer a pressão para que reconsiderasse sua candidatura à reeleição, que é questionada tanto por membros de seu partido quanto por apoiadores importantes, como o ator George Clooney. Em meio à cúpula da OTAN, que de terça a quinta-feira reúne em Washington os chefes de […]

Leia Mais
Política

O Fórum Econômico Mundial ainda está conspirando contra sua liberdade

Em janeiro passado, a elite da humanidade se reuniu novamente em Davos, na Suíça, para planejar o resto de nossas vidas. Os líderes do Fórum Econômico Mundial (FEM) são moralmente superiores porque se dedicam a destruir sua liberdade de salvar a Terra ou, pelo menos, proteger o habitat das plantas. Sessenta chefes de governo de […]

Leia Mais