sexta-feira, maio 20, 2022

Djokovic e sua saga contra a tirania sanitária

Texto escrito por James Allan

Desde que o tenista Djokovic foi deportado da Austrália por não se vacinar, o mesmo tem se tornado um símbolo de resistência a tirania sanitária que não é eficaz no combate ao covid-19, como políticos tentam convencer.

A Austrália apostou na ditadura sanitária pra conter o covid e falhou totalmente

A resposta da Austrália ao Covid tem sido incrivelmente pesada. Sozinha entre as nações democráticas do mundo, a Austrália trancou seus próprios cidadãos dentro do país. Somente aqueles que receberam permissão burocrática especial para deixar o país tiveram permissão para fazê-lo, e foram poucas essas permissões concedidas.

Praticamente ninguém podia entrar também (a estranha exceção sendo feita para famosos de Hollywood fazendo filmes e estrelas do esporte). Enquanto isso, o Estado de Victoria, o segundo mais populoso do país, tinha um dos mais longos e rigorosos lockdowns do mundo, tendo a cidade de Melbourne sofrido seis lockdowns totalizando 262 dias, desde março de 2020 a outubro de 2021.

Tudo isso foi feito, implicitamente, sob a tola égide de uma política “covid zero”. Sim, alguns estados australianos foram muito menos despóticos que Victoria, mas a atitude geral de “podemos erradicar este vírus” foi compartilhada tanto pelos políticos da direita quanto pelos da esquerda, pois ambos fizeram dos casos Covid e das mortes a única matriz de preocupação que contou na elaboração de políticas públicas durante quase dois anos. Eles também elevaram um quadro de “autoridades” de saúde pública ao papel de decisores. Tenho escrito amplamente contra este iliberalismo e este despotismo da saúde pública durante toda a pandemia, com efeito zero.

Mas há alguns meses tudo parecia mudar à medida que a realidade se instalava, as taxas de vacinação subiram mais de 80%, a Omicron começou a explodir, e o país se abriu e se soltou, pelo menos sem convicção. Ou assim parecia até que o melhor tenista masculino do mundo, Novak Djokovic, chegou para jogar no Australian Open.

Os leitores precisam perceber que os australianos levam o esporte a sério. E eles são muito bons nisso. Para um país de 25 milhões de pessoas, muito menos do que vive apenas na Califórnia, a Austrália têm os dez melhores jogadores de golfe da PGA; têm a jogadora de tênis feminina número um do mundo; as jogadoras de basquete da NBA; os melhores apostadores da NFL são australianos (devido à popularidade do futebol de regras australianas que se concentra em chutar uma bola de uma forma não muito diferente dos punts da NFL); e possuem um piloto de Fórmula 1 brilhante. E isso é apenas esporte no exterior.

A Austrália é a melhor equipe de críquete do mundo, um esporte que poucos americanos admitem seguir, mas que possui mais seguidores e participantes no mundo inteiro do que o beisebol e o futebol. Depois há o rúgbi e a lista continua. Acredite em mim, os australianos amam o esporte de uma forma que os americanos que seguem o futebol universitário da SEC poderiam entender. E o maior evento esportivo internacional realizado a cada ano na Austrália é o Grand Slam Open de tênis australiano.

O começo da luta de Djokovic contra a tirania sanitária

Isso me leva à saga Djokovic, ou mais apropriadamente, ao fiasco. O atual número um mundial, Djokovic solicitou e recebeu um visto para ir jogar no torneio. Todos sabiam que o tenista (atualmente empatado para a maior parte das vitórias na carreira com Roger Federer e Rafael Nadal) não tinha sido vacinado, embora ele tenha se prevenido de forma meio convicta sobre o assunto.

O que poucos na mídia dizem é que nem uma única estrela esportiva profissional morreu de Covid durante toda a pandemia e que este vírus é de risco próximo a zero para pessoas em forma, magras e saudáveis. Mesmo na Austrália, não é ilegal (ainda não) ser não vacinado. Djokovic havia testado negativo para Covid e tinha mostrado prova de uma infecção recente. Isso foi suficiente para que ele conseguisse a aprovação do visto original. (E embora a ciência esteja sempre inquieta e em debate, a preponderância das provas aponta para a imunidade natural – que se apóia e sobrevive às doenças – como sendo pelo menos tão protetora quanto qualquer número de vacinas, e muito provavelmente muito melhor e mais duradoura).

No entanto, quando Djokovic chegou à Austrália, uma das nações mais vacinadas do mundo, o governo federal começou a entrar em pânico. Este é um governo supostamente de centro-direita sob o Primeiro Ministro Scott Morrison. Foi eleito em 2019 e deve realizar uma nova eleição antes de maio deste ano. No entanto, durante seu mandato até agora, ele tem governado de forma iliberal, aparentemente sem se preocupar com assuntos relacionados à liberdade.

Tem sido também um grande consumidor durante toda a pandemia. O governo Morrison gastou mais do que o governo Justin Trudeau do Canadá em termos per capita, o que diz tudo o que você precisa saber. Isto causou uma hemorragia em sua base à direita, ao mesmo tempo em que não ganhou quase nenhum apoio à esquerda. E uma vez que o Twitter entrou em erupção sobre esta estrela esportiva não vacinada, o Sr. Morrison, que se formou em cessão às máfias do Twitter, entrou em pânico.

O governo decidiu deportar o Sr. Djokovic. A primeira audiência na quadra foi sobre a questão de saber se ele havia obtido seu visto de forma adequada. A corte decidiu que ele tinha sim, e na minha opinião, uma grande vitória do Djokovic seria o correto. Naquele momento, o governo tinha uma escolha: recuar com um pouco de graça ou tentar de novk.

Eles optaram por este último e revogaram seu visto por decreto ministerial, o que Djokovic novamente contestou no tribunal. Ao contrário dos mal-entendidos de algumas pessoas, esta segunda audiência não teve nada a ver com o fato do visto original ser duvidoso, ter erros de fato, ou ter contado com isenções médicas errôneas. Desta vez, o ministro alegou que o tenista teve que deixar o país por causa de suas crenças sobre vacinação. A alegação, não apoiada por qualquer evidência, era de que a presença de Djokovic na Austrália iria provocar um sentimento anti-vax.

Devemos ser claros: trata-se de um governo que suprime uma visão que não lhe agrada. Foi, à sua maneira, um ataque à liberdade de expressão. Pelo que vale, Morrison não é amigo da liberdade de expressão, uma vez afirmando que a revogação das leis opressoras do discurso de ódio não era sua preocupação, pois “esta questão não cria um só emprego” (o que é errado tanto por princípios como empiricamente).

De qualquer forma, na segunda audiência, o tribunal federal decidiu contra o Sr. Djokovic e ele foi deportado.

O que o caso Djokovic nos ensina

Se você quer ser capaz de lidar com a imigração ilegal que está vendo na Grã-Bretanha e nos EUA, este é o tipo de lei que você gostaria de ter. Em outras palavras, no caso Djokovic, os juízes simplesmente concederam ao Ministro o poder de fazer isso. Não foi um endosso judicial de que a lei fosse sensata, justa, ou qualquer outra coisa. A decisão não foi nenhuma dessas coisas.

Um governo supostamente de centro-direita ficou para trás nas pesquisas de curto prazo que mostraram que a maioria dos australianos queria que o Djokovic desaparecesse. Essa reação pública generalizada é compreensível, dadas as regras despóticas sob as quais os australianos tiveram que viver: se nossa família e amigos não podem entrar ou não podemos ter empregos lá fora, por que este tenista multimilionário deveria entrar?

Mas, em minha opinião, esta decisão só será bem vista por um curto período de tempo. É uma política míope e ineficaz (e pode até mesmo pôr em risco os direitos de hospedagem da Austrália por aquilo que informalmente é considerado como “o Major Asiático”). Por si só, ele fará mais para anunciar a posição anti-vax do que deixar o tenista jogar tranquilamente, já que Djokovic nunca tentou fazer propaganda de suas opiniões.

Basicamente, esta foi uma peça política de um governo supostamente conservador que por mais de dois anos não fez uma única coisa conservadora. Precisando de popularidade, ele tentou desesperadamente um pouco de populismo, mas até mesmo nisso errou, acho eu. Isto não foi um fracasso judicial. Foi um fracasso político de políticos que abandonaram a liberdade.

Esse texto foi escrito por James Allan e traduzido pelo Gazeta Libertária

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

CONFIRA