Exército Brasileiro estabelece diretrizes contra comentários “negativos” em suas redes sociais

Exército Brasileiro

Com o aumento das críticas de muitos brasileiros contra o Exército, que cada vez mais o percebem como apenas mais um braço do estado que os oprime, a entidade resolveu implementar diretrizes contra comentários considerados “negativos”.

Entre os tipos de comentários considerados negativos, estariam aqueles que:

  • Usem linguagem inapropriada, obscena, caluniosa, grosseira, abusiva, difamatória, ofensiva ou de qualquer outra forma reprovável;
  • Concretizem apologia a práticas ilícitas; – Incitem o ódio, a violência, o racismo ou façam discriminação de qualquer ordem;
  • Contenham ameaças, assédio, injúria, calúnia ou difamação, ou configurem qualquer outra forma de ilícito penal;
  • Divulguem conteúdos na forma de spam ou “correntes”; – Caracterizem intuito comercial ou publicitário;
  • Estejam repetidas, desde que publicadas pelo mesmo autor; – Sejam ininteligíveis ou descontextualizadas;
  • Contenham propagandas político-partidárias; – Manifestações ou opiniões de cunho político ou ideológico;
  • Contenham links suspeitos ou representem ameaça à segurança da informação;
  • Usem informações e imagem de pessoas e instituições indevidamente;
  • Contenham dados pessoais do autor ou de terceiros; – Violem os direitos de imagem e de propriedade intelectual;
  • Sejam fraudulentas ou promovam conteúdo inverídico.

O Exército Brasileiro ainda informa que quem violar tais diretrizes poderá, a critério do CComSEx, ser bloqueado imediatamente, independentemente de justificativa, consulta ou aviso. A entidade também informa que “conforme o conteúdo, as mensagens poderão ser encaminhadas às autoridades competentes”. Ou seja, o indivíduo poderá ser multado, processado ou até mesmo preso.

Exército Brasileiro não aceita a verdade

O Exército Brasileiro simplesmente não consegue aceitar que um número cada vez mais crescente de brasileiros está insatisfeito com ele. E tal insatisfação surge justamente da percepção cada vez maior de muitos brasileiros, de que tal entidade é apenas um mero insutrumento de coerção contra todos que não aceitam quem está no poder.

Excluir comentários ofensivos, bloquear contas e até mesmo denunciar pessoas ao judiciário, não irá anular um fato cada vez mais evidente: o Exército não é, e nem nunca foi, uma entidade a serviço da população que os sustenta via impostos.


5 thoughts on “Exército Brasileiro estabelece diretrizes contra comentários “negativos” em suas redes sociais

  1. Achei a reportagem meio fora da realidade, busca criticar uma instituição do Estado, como o libertário comum deve fazer, mas não dá solução nem tampouco busca a justiça moral afinal é um perfil e alguém administra, logo qualquer um tem direito de falar, mas a consequência é inevitável e uma delas é o bloqueio da rede, não vejo agressão a ninguém nesse caso e o autor ainda nem leva em consideração que o praça (funcionário subalterno das FA) é o mais criticado e zombado nesses perfis e o general nem citado é, aliás é aplaudido até no erro. Em suma, a reportagem leva a zombaria, mas não traz ninguém para a verdade do libertarianismo, nem o criticado praça e nem quem lê. É uma massagem do ego do autor. Fraco.

    1. Deixa eu explicar uma coisa: o artigo realmente seria fraco se o foco dele fosse apresentar uma solução. Mas esse não era o foco dele. O foco dele é apresentar este caso e fazer um BREVE comentário sobre. E óbvio, sendo um site libertário, meu comentário teria um viés libertário.

      Mas vendo os comentários onde o artigo foi divulgado, eu duvido muito que muitos além de você o tenham achado “fraco”.

      E acho que você está um pouco perdido, pois são os oficiais hoje os mais criticados. Não os praças. E ainda assim, quando vão obedecer ao estado eles não exitam, não é mesmo?

      E sobre agressão: eu não sei se você se atentou ao texto, mas eu cito justamente a possibilidade de alguém ser punido pelo crime sem vítima de “ofender” o Exército. E sobre eles estarem em “seu direito” de removerem conteúdo ofensivo, lembre-se de quem os sustenta via impostos. Eles serem sustentados coercitivamente, errarem e ainda se acharem cheios de razão, não dá.

      E por último, o artigo também servia para reforçar ou mostrar o que Exército estatal é na verdade. Não era para ser um tratado sistemático sobre o Exército.

      E por fim, obrigado pelo seu comentário 🙂

    2. Sobre a solução: a única é o fim do monopólio da força sob o estado. Mas uma vez que o estado, bem como o exército como seu braço armada ainda existem, e enquanto existirem agirão conforme os interesses de seus representantes, e somente um ILUDIDO acharia que seria diferente, o que resta é a indignação legítima contra tal instituição e levar as pessoas a retirarem seu apoio, o enfraquecendo, como La Boeti mostrou há 500 anos atrás

  2. O exército é uma instituição séria e honrada, infelizmente alguns mancharam a cor da farda, deixando se influenciar pela política. O certo seria mudar a constituição não permitindo que os militares participem da vida pública ocupando os cargos legislativos, evitando se corromper por maus políticos, e mudando e alterando o poder do magistrado tanto civil como militar para julgarem somente os casos de terceira estância e cumprindo literalmente a constituição promulgada pelo legislativo. Também esses juízes seriam admitidos por concurso público e não por indicação do presidente com tempo de mandato, ou seja com prazo inicial e final acabando com o SALVO PELO Sup Trib. Fed.!

    1. Na verdade é só mais um instrumento coercitivo do estado que mantém a população passiva e obediente. Isso de “instituição séria e honrada” é que ensinaram a você e a mim. Mas não é a realidade. Eu não chamaria o braço armado da gangue estatal de instiuição “séria e honrada”. Lembre-se a quem eles servem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escola cívico-militar
Política

Sobre a polêmica em torno do projeto das escolas cívico-militares

Foi aprovado pela Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) nesta terça-feira (21), o projeto de lei que viabiliza a implementação de escolas cívico-militares nas redes municipais e estaduais de educação do estado de São Paulo. Para muitos preocupados com a doutrinação esquerdista sobre as crianças nas escolas, o projeto é visto como uma saída. No […]

Leia Mais
Emchentes no Rio Grande do Sul
Política

Municípios atingidos pelas inundações no RS enfrentam burocracia para receber ajuda do governo federal

Em um artigo da CNN, diversas entidades municipais informaram que estão enfrentando uma enorme burocracia para receber verbas do governo federal para lidar com os impactos das inundações no Rio Grande do Sul. A informação contrasta com a acusação por parte da grande mídia e agentes públicos, de que a afirmação de tal burocracia na […]

Leia Mais
Dique de Mauá
Política

Bombeiros usam sacos de areia de improviso para impedir inundação no RS

Em um vídeo que está circulando na internet, uma equipe de bombeiros usa sacos de areia como improviso para impedir que um determinado lugar no Rio Grande do Sul fosse inundado. Um perfil popular no X chamado Peregrino publicou o vídeo e fez uma comparação com diques construídos por holandeses há mais de 100 anos. […]

Leia Mais