Graças ao estado estamos protegidos do contrabando de mel

Graças ao estado estamos protegidos do contrabando de mel

Uma das coisas em que o estado brasileiro é eficiente, é em nos proteger de produtos baratos e da possibilidade de reter mais dinheiro por não pagar imposto. Em um caso recente de apreensão de contrabando de mercadoria pela polícia federal, é possível perceber a importância do braço do estado, nos protegendo de um produto extremamente perigoso: mel!

Os perigosos contrabandistas de mel

Segundo reportagem do Correio do Povo, por meio de uma operação realizada nesta quinta-feira, a Polícia Federal havia realizado o grande feito de apreender um grupo que fez algo imperdoável: contrabando de mel na fronteira entre o Rio Grande do Sul e o Uruguai sem pagar os devidos impostos (que como sabemos, são essenciais para garantir a comodidade dos nossos heróicos políticos e burocratas, e algumas sobras para população, claro).

O valor apreendido foi de mais de R$ 3,2 milhões que iriam ser enviados ao Uruguai por parte do grupo, valor esse que iria ser enviado para importar mais do mesmo mel para o país. Por sorte a Polícia Federal nos protegeu deste mal!

Os heróicos agentes cumpriram sete mandados judiciais de busca e apreensão nos municípios de Santana do Livramento e de São Gabriel, além, é claro, realizaram o devido bloqueio de contas bancárias, bem como indisponibilização de bens imóveis e sequestro e arresto de veículos de luxo. Fora isso, ainda foram apreendidos quatro automóveis e quatro caminhões, incluindo um Audi TT Cabriolet, de cor vermelha, em uma residência com piscina, em São Gabriel. Bem feito aos contrabandistas!

Quem mandou tentarem enriquecer por meios pacíficos e não pagar devida parte em impostos aos nossos políticos e burocratas respeitáveis? Afinal, auxílio terno, auxílio hospedagem, lagostas para o STF e outros luxos outras comodidades indispensáveis à eles!

A operação Iratim II, é continuação da chamada operação Iratim I, realizada no ano passado. Na época, a operação havia descoberto o mesmo esquema de contrabando realizado por empresários do ramo da apicultura, enviando remessa de dinheiro para o Uruguai e com isso fazendo importação “irregular” de mel no país. A importação era realizada na fronteira entre Santana do Livramento e a cidade uruguaia de Rivera.

Além da neutralização patrimonial dos suspeitos, a operação Iratim II teve como objetivo o aprofundamento das investigações, notadamente para identificação de outros envolvidos.

A identificação das atividades de contrabando investigadas foi potencializada pelo mapeamento do mercado informal de câmbio e das atividades de operadores do mercado financeiro paralelo

destacou a Polícia Federal.

Protegidos do crime hediondo do contrabando de mel

Graças à Polícia Federal, agora nós brasileiros podemos respirar aliviados. Com a prisão destes meliantes, estamos protegidos de produtos relativamente mais baratos, e esses malfeitores receberam a justa pena por ousar enriquecerem por meio de atividades pacíficas. Onde já se viu, enriquecer enquanto embolsa a parte devida à máfia aos nossos honestos e competentes políticos e burocratas?

E não podemos nos esquecer do feito heróico da Polícia Federal, que abriu mão de combater criminosos menos perigosos, como assassinos, sequestradores e estupradores, e garantiu nossa segurança e bem estar nos protegendo de produtos baratos fornecidos por meio de atividades não violentas! O Brasil precisa cada vez mais dos seus serviços!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bem-estar
Ética

Bem-estar fora do estado

Uma razão frequentemente citada para a necessidade do estado é que ele é o único meio pelo qual os pobres podem ter acesso a bem-estar suficiente para aliviá-los das duras realidades que podem acompanhar suas circunstâncias. No entanto, apesar das promessas feitas ao longo de muitas décadas e das enormes somas gastas em programas de […]

Leia Mais
Ética

A CIA na Guerra Fria — MKULTRA

Em uma madrugada de novembro de 1953, Frank Olson se jogava da janela de seu quarto de hotel, atormentado e depressivo. Olson era um trabalhador civil da inteligência americana. Dias antes, sem aviso e sem consentimento, foi utilizado na série de experimentos coletivamente conhecidos como MKULTRA. O coletivo de 149 projetos sob a denominação MKULTRA […]

Leia Mais
Anitta
Ética

Anitta e sua defesa socialista de um teto de riqueza

Durante uma conversa no podcast On Purpose with Jay Shetty, nos EUA, a cantora de funk Anitta defendeu que deveria haver um “teto de riqueza” limitando até quanto uma poderia manter consigo de renda. Em seguida, ela afirmou que o valor restante confiscado (obviamente pelo estado) deveria ser usado para “beneficiar a sociedade”. Com seu […]

Leia Mais