terça-feira, julho 5, 2022

Hoje a Casa Branca diz que nunca apoiou lockdowns

Um repórter pediu à secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, que respondesse ao estudo da Johns Hopkins, mostrando que os lockdowns não trouxeram benefícios reais em termos de prevenção de doenças.

Em resposta, Psaki se esquivou de abordar o estudo diretamente, mas depois passou a alegar que o governo Biden nunca havia apoiado os lockdowns. “Não estamos forçando lockdowns”, ela insistiu. “Não somos a favor do lockdown – a maioria dos lockdowns realmente aconteceu sob o presidente anterior.”

Assista:

Chegamos agora ao ponto que, na mídia e na narrativa política, os fãs do isolamento social perceberam que os lockdowns estão cada vez mais impopulares e agora afirmam que nunca os apoiaram.

Mas como Psaki pode se safar dizendo isso? Todos sabemos que Joe Biden sempre apoiou os lockdowns. Bem, não é bem isso, e ela não está completamente errada. Quando Biden realmente tomou posse como presidente, ele já havia parado de pressionar por lockdowns como uma opção “anticovid”.

Por outro lado, certamente é verdade que, no início de novembro de 2020, conselheiros de alto escalão de Biden ainda mantinham lockdown como uma possibilidade naquele momento. Por exemplo, em 11 de novembro de 2020, o Dr. Michael Osterholm, membro do Conselho Consultivo sobre a Covid-19 de Biden, sugeriu que o país poderia exigir um “lockdown por 4 a 6 semanas” e recomendou que o governo dos EUA gastasse trilhões adicionais para “pagar todos os salários perdidos dos trabalhadores”.

Osterholm também fez referência a uma coluna de agosto de 2020 que ele escreveu com o presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari, na qual os autores concluíram: “Para ser eficaz, o lockdown deve ser o mais abrangente e rigoroso possível”.

Por sua parte, Biden estava mantendo os lockdowns na mesa pelo menos até agosto de 2020. Joe Biden declarou em uma entrevista conjunta com Kamala Harris que se os números de covid aumentassem novamente “Eu fecharia. Eu ouviria os cientistas…. Faremos o que for preciso para salvar vidas”.

Em novembro, no entanto, o governo parece ter mudado para uma política de usar lockdowns mais como uma ameaça do que como um provável plano de ação. Essa posição também se refletiu nos comentários de Zeke Emanuel, um defensor de longa data de lockdowns, que também permaneceu como conselheiro de Biden em novembro. No início de 2020, Emanuel havia defendido lockdown de longo prazo, sugerindo que eles precisariam durar dezoito meses ou mais. No entanto, em novembro, ele insistiu que os lockdowns adicionais ocorreriam ou não dependendo “do que fizermos agora”.

Em outras palavras, se um número suficiente de pessoas usasse máscaras e estivesse vacinado, o governo não seria “forçado” a pressionar por lockdown novamente. Essa posição já foi afirmada com bastante clareza por Anthony Fauci em agosto, quando disse em uma audiência:

Acredito firmemente nisso e vou dizer de forma clara: não temos que nos trancar completamente se fizermos as coisas certas. E se fizermos essas coisas direito, acredito que podemos abrir os comércios, recuperar empregos, tirar as pessoas do confinamento – se fizermos isso com prudência, cuidado e da maneira que as diretrizes dizem.

Para Fauci, você não precisa de lockdown se – e isso é um “se” importante – todos fazem exatamente o que ele manda. De qualquer forma, Fauci ainda não estava desistindo dos confinamentos no final de novembro, afirmando que era “muito cedo para dizer” se os lockdowns poderiam ser descartados.

Apesar disso, em 19 de novembro – enfrentando uma dura batalha eleitoral – o governo estava dizendo abertamente que não planejava tentar implementar lockdowns novamente, mas com o subtexto de que isso dependia da vacinação suficiente da população.

De fato, em sua própria negação dos lockdowns, Psaki segue essa mesma linha de raciocínio afirmando que “a abordagem do presidente está usando as ferramentas que temos para evitar [lockdowns]”. Tradução: Enquanto as vacinas e o uso de máscaras forem adotados, os lockdowns não serão necessários. Em nenhum lugar dessas palavras, no entanto, há uma admissão de que os lockdowns fazem mais mal do que bem ou que são inaceitáveis. Não, parece que a administração pode ter as duas coisas. Ele dirá que não é a favor dos lockdowns, ao mesmo tempo em que insiste que os lockdows podem ser acionados porque as pessoas não estão “usando as ferramentas” que “impedem” os lockdowns.

Portanto, Psaki está certa de que, uma vez que Biden foi empossado na Casa Branca, não houve um impulso geral dos funcionários do governo para lockdown. O foco mudou para máscaras e vacinas.

Hoje, esse fato permite que o governo afirme que os lockdowns são principalmente algo que “aconteceu sob a presidência anterior”. De fato, Donald Trump fez pouco para evitar lockdowns e fez muito para fornecer cobertura política aos governadores estaduais que desejavam os impor. Foi no mandato de Trump que os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) pressionaram fortemente por lockdowns. Trump deu uma plataforma nacional diária para tecnocratas pró-lockdown como Fauci e Deborah Birx. Trump alegou discordar desses burocratas – que ele poderia ter demitido facilmente – mas ele era covarde demais ou incompetente demais para intervir. Em vez disso, dezenas de governadores estaduais impuseram lockdowns em suas populações, ajudados pelo fato de poderem simplesmente dizer que estavam seguindo as diretrizes do CDC de Trump.

Graças à fraqueza de Trump, Psaki está certa de que os lockdowns são algo que todos podemos lembrar da era Trump.

Legalmente, é claro, é improvável que qualquer administração – seja de Trump ou de Biden – possa realmente se safar por muito tempo impondo diretamente qualquer tipo de lockdown nacional, se quisesse. Os tribunais federais já enviaram uma mensagem bastante clara de que ações policiais como bloqueios são prerrogativas dos governos dos estados.

Além disso, com disputas governamentais em 36 estados em novembro, apenas candidatos absolutamente loucos considerariam dizer aos eleitores: “Como governador, estou prestes a impor novos lockdowns ao primeiro sinal de hospitais lotados. Oito semanas para achatar a curva!” Isso ainda pode funcionar na Europa ou na China, mas é difícil ver muito apoio dos eleitores americanos neste momento.

Mas, como vimos, não devemos esperar que aqueles que apoiaram os lockdowns admitam que os estados que implementaram essa medida não mostraram resultados melhores do que os estados que não a usaram. Em vez disso, os fãs do isolamento social apenas “deram uma de doidos” para dizer que eles nunca forçaram os lockdowns ou que “a ciência mudou”. Em vez disso, essas pessoas passarão a promover uma nova versão do lockdown: passaportes de vacina e exílio para os desobedientes. Quer tenham funcionado ou não, os lockdowns claramente caíram em desuso tanto que o governo Biden nem mesmo admite apoiar a ideia. Essa é uma vitória para os amigos da liberdade e dos direitos humanos. A próxima parada é desferir um golpe semelhante contra as vacinas.

Veja mais textos relacionados a lockdowns e vacinas aqui no Gazeta Libertária.

Autor Ryan McMaken, Mises Institute. Traduzido e adaptado por Gazeta Libertária.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

CONFIRA