Mineração de Bitcoin com eletricidade doméstica é mais lucrativa na Ásia, segundo estudo

Mineração de Bitcoin na Ásia

Um minerador individual precisaria de uma média de 266.000 quilowatts-hora (kWh) de eletricidade para cunhar um único bitcoin e o processo levaria aproximadamente sete anos para ser concluído, exigindo um consumo mensal de eletricidade de cerca de 143 kWh, estimaram os pesquisadores.

Embora admitam que já se foi o tempo em que o bitcoin (BTC) podia ser extraído com o mínimo de energia e em um computador de mesa, eles analisaram os custos de eletricidade doméstica em todo o mundo para apresentar perspectivas para mineradores individuais que operam em uma rede descentralizada.

De acordo com o estudo produzido pelo portal de agregação de ativos criptográficos Coingecko, o custo médio da eletricidade doméstica necessária para minerar 1 bitcoin é de US$ 46.291,24, 35% maior do que o preço médio diário do BTC em julho de 2023, ou US$ 30.090,08.

No entanto, as diferenças regionais nos custos da eletricidade doméstica em todo o mundo são significativas. Com um custo médio de US$ 20.635,62 por bitcoin, a Ásia “é o único território em que os custos médios de eletricidade doméstica tornam a mineração lucrativa para um minerador individual”, destacam os autores.

Eles também destacam a disparidade significativa entre os países da região, onde o Líbano tem o menor custo de eletricidade, de US$ 266,20, e o Japão tem o maior, de US$ 64.111,02. No entanto, metade dos 10 principais países onde a mineração de bitcoin é mais lucrativa são asiáticos.

Custos de eletricidade doméstica para minerar 1 BTC para mineradores individuais em todo o mundo | fonte: CoinGecko

Europa com o maior custo médio de eletricidade doméstica por mineração

Atualmente, apenas 65 países apresentam lucratividade para a mineração solo com base apenas nos custos de eletricidade doméstica. Apenas cinco deles estão na Europa, que tem o maior custo médio de eletricidade doméstica, de US$ 85.767,84. Nove dos 10 países mais não lucrativos para mineradores individuais estão nessa região, com o custo de eletricidade para cunhar 1 BTC na Itália chegando a US$ 208.560,33.

Vários fatores contribuíram para o aumento das tarifas de energia elétrica residencial no Velho Continente, incluindo o pico nos preços da eletricidade no atacado em meio à pandemia de Covid-19, a demanda crescente, as ondas de calor e a invasão da Ucrânia pela Rússia, que afetou o fornecimento de gás natural para vários estados-membros da UE.

Eles também destacam a disparidade significativa entre os países da região, onde o Líbano tem o menor custo de eletricidade, de US$ 266,20, e o Japão tem o maior, de US$ 64.111,02. No entanto, metade dos 10 principais países onde a mineração de bitcoin é mais lucrativa são asiáticos.

Artigo escrito por Lubomir Tassev, publicado em News.Bitcoin.com e traduzido por @rodrigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Lula imposto sobre o Bitcoin
Criptomoedas

Governo Lula quer aumentar para 22,5% os impostos para todos os usuários de Bitcoin no Brasil

O governo Lula anunciou que pretende aumentar os impostos para todos os usuários de criptomoedas em até 22,5%. Segundo o governo, a proposta não é criar um novo imposto, mas aumentar ainda mais as taxas para os usuários que possuem criptoativos. A ideia é ‘fechar o cerco’ com àqueles que estão usando criptoativos para driblar […]

Leia Mais
Halving do Bitcoin
Criptomoedas

O halving do Bitcoin está cada vez mais próximo, com menos de 2.900 blocos restantes

No momento, restam menos de 2.900 blocos até o próximo halving do Bitcoin. Para compreender o conceito de halving, é bom entender primeiro como surgem os novos bitcoins, principalmente por meio do processo de mineração de bitcoins. Isso envolve entidades, conhecidas como mineradores, que validam blocos repletos de transações que aguardam confirmação. Em sua busca […]

Leia Mais
União Europeia ALM Criptomoedas
Criptomoedas

Novas leis contra lavagem dinheiro da UE visam transações em criptomoedas

Como parte das novas leis contra lavagem de dinheiro, o Parlamento da União Europeia proibiu carteiras de criptografia de autocustódia não identificadas para transações na região. A proibição tem como alvo as transações anônimas em dinheiro que excedam € 3.000 e as carteiras de auto-custódia em várias plataformas. Em uma publicação recente nas redes sociais, […]

Leia Mais