MPSP pede que Monark pague R$ 4 milhões em multa sob a acusação de “defender” partido nazista

Monark

O Ministério Público de São Paulo (MPSP) entrou com uma ação civil pública contra o influenciador Monark cobrando uma indenização de R$ 4 milhões com base na acusação do influencer ter defendido a criação do partido nazista, durante uma fala na edição do Flow Podcast, em fevereiro de 2022.

O pedido de indenização foi apresentado na Justiça paulista na quinta-feira (21/3) e obtido pelo site Metrópoles. No pedido, o promotor Reynaldo Mapelli Júnior, de Direitos Humanos do MPSP, afirma que Monark fez “expressa defesa da criação de um partido nazista” e ainda o acusou de defender e “a possibilidade de se declarar e agir como antijudeu”.

Segundo Reynaldo Mapelli Júnior:

“A criação de um partido nazista representa, em síntese, a criação de um partido político feito para perseguir e exterminar pessoas, notadamente judeus, mas também pessoas com deficiência, LGBTQIAP+ e outras minorias”, registrou. “Os comportamentos antissemitas não podem ser aceitos como meros inconvenientes abrangidos pela liberdade de expressão.”

O promotor tambem comentou que o comentário de Monark aconteceu em um “contexto de crescimento de células neonazistas no Brasil”. Para embasar sua afirmação, ele citou um estudo que extima a presença de até 10 mil nazistas no país e o aumento de 270% desses grupos criminosos no período entre 2019 e 2021.

O episódio

Em 7 de fevereiro de 2022, durante uma edição do Flow Podcast, o até então sócio do Igor, Monark, havia defendio a possibilidade de existir um partido nazista no país. Como justificativa, Monark havia citado o fato da esquerda radical (cujos regimes foram responsáveis pelos maiores massacres do século XX) podiam ter partido enquanto os nazistas não.

“A esquerda radical tem muito mais espaço que a direita radical, na minha opinião. Eu sou muito mais louco que todos vocês. Acho que o nazista tinha que ter o partido nazista reconhecido”

afirmou Monark

A fala gerou uma ampla repercussão negativa, a ponto de Igor, até então sócio de Monark, ser pressionado pelos patrocinadores a retirá-lo do Flow. Após sua saída do Flow, Monark iniciou um novo canal na plataforma Rumble, o Monark Talks, onde pretendia recomeçar sua carreira.

Monark como bode expiatório

Após a repercusão negativa da fala de Monark, o promotor de justiça chegou a propor como punição alternativa ao processo judicial, a participação do influencer a uma série de eventos. Dentre eles, uma visita ao Museu Judaico, na capital paulista, e ao museu Yad Vashem, em Israel. Monark também teria que conhecer um campo de concentração e ainda realizar um podcast sobre o tema, com duração de 3 a 4 horas.

Uma reunião para tratar do acordo chegou a ser realizada em dezembro de 2022. No entanto, Monark com razão discordou da acusação de ter sido antissemita, porém demonstrou demonstrou interesse na proposta. Ainda assim, segundo o MPSP, Monark não teria respondido a proposta.

De toda forma, como o próprio Monark deixou claro, ele já havia “pago” pela sua fala, que foi em grande parte mal compreendida. Afinal, Monark não havia defendido o nazismo. Apenas questionou porque a esquerda radical, mesmo com um histórico de crimes bem maior que o nazismo, possuía partidos e este último não.

Mesmo Felipe Neto (quem diria) comentou em um vídeo que o Monark havia sido mal interpretado pelo público. Confira o trecho abaixo:

E como Felipe Neto mesmo confirmou, Monark já arcou com as consequências do que falou ao perder patrocinadores e ser demitido do Flow. O que mostra como boicote é uma ferramenta além de ética, também efetiva para punir ações não agressivas.

E de todo modo, mesmo que o Monark tenha colocado seu questionamento de uma maneira equivocada, ele continua válido: por quê o comunismo não recebe o mesmo tratamento que o nazismo e o fascismo? É o que escrevemos neste artigo que você pode ler clicando aqui.

Também é absurdo além da ameaça de processo, o Monark ter sido obrigado a participar de eventos que não eram de seu interesse, por mais importantes que sejam do ponto de vista moral e histórico. Ele não cometeu nenhum crime de fato e por isso não deveria estar sujeito a nenhuma punição ou coerção.

Ainda tem a velha obcessão da esquerda progressista com uma possível ascensão do nazismo de grandes proporções no Brasil. Por mais que o número de neonazistas tenha crescido e sejam muito mais ativos online hoje em dia, ainda são um número insignificante, chegando no máximo a 0,005% da população brasileira.

Mesmo seus ataques físicos a indivíduos pacíficos são extremamente raros em comparação aos crimes mais comuns e graves, como assaltos, estupros e assassinatos. O estado brasileiro sequer está combatendo os crimes mais comuns e que mais ameaçam os brasileiros no dia a dia. Essa preocupação exagerada com células neonazistas que jamais chegarão ao poder não possui outra explicação a não ser usar tal suposta ameaça como alarme para expandir mais ainda seu poder sobre a sociedade.

Pretexto para extorsão

E é claro, não poderia faltar o principal motivo: dinheiro. O estado brasileiro sob o governo Lula está com mais fome do que nunca. E qualquer oportunidade para extorquir alguem será mais do que bem vinda para os políticos e burocratas.

Com a acusação de que o Monark cometeu um crime gravíssimo que merece indenização, o estado brasileiro tem uma oportunidade de ganhar mais um dinheiro extra. Como sempre, o estado brasileiro sempre arrumando uma justificativa para sugar os cidadãos pacíficos cada vez mais.

Nada de novo. Mas torço para que o Monark possa evitar mais esse novo ataque â sua liberdade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Elon Musk Senado
Direito

Após críticas a Moraes e Lula, Elon Musk é convidado a falar em comissão do Senado

Após uma série de críticas dirigidas ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Elon Musk, dono do X (antigo Twitter) foi convidado a participar de uma audiência pública na Comissão de Segurança do Senado. O convite foi aprovado em sessão realizada na terça-feira […]

Leia Mais
Elon Musk e Alexandre de Moraes
Direito

PF quer convocar representantes do X após críticas de Elon Musk a Moraes e Lula

Após críticas de Elon Musk a Lula e Alexandre de Moraes, a Polícia Federal (PF) quer convocar representantes do X (antigo Twitter) para prestar esclarecimentos sobre as ações do bilionário na plataforma. Investigadores afirmam que os depoimentos não têm data prevista. A medida é uma das estratégias da investigação da Polícia Federal, que apura se […]

Leia Mais
Neto de Lula
Direito

Neto de Lula desafia críticos a provarem que seu avô é ladrão

Em um vídeo no Instagram publicado no dia 1° de abril (conhecido como Dia da Mentira), o neto do presidente Lula, Thiago Trindade, fez um desafio aos críticos do petista: provar que seu avô é ladrão. “Fica o meu desafio a essas pessoas que acham que podem ficar fazendo o Brasil de refém com ameaças. […]

Leia Mais