segunda-feira, outubro 3, 2022

Não podemos interpretar dados econômicos a menos que conheçamos a teoria econômica

A maioria dos comentaristas econômicos acredita que os dados históricos são a chave para avaliar o estado da economia. Assim, se uma estatística como o produto interno bruto real ou a produção industrial mostra um aumento visível, então a economia está mais forte. Por outro lado, um declínio na taxa de crescimento indica que a economia está enfraquecendo.

Parece que se pode estabelecer o estado das condições econômicas simplesmente olhando os dados. Os chamados dados que os analistas estão examinando, no entanto, são uma exibição de informações históricas. De acordo com Ludwig von Mises em Ação Humana:

A história não pode nos ensinar nenhuma regra geral, princípio ou lei. Não há como abstrair de uma experiência histórica a posteriori quaisquer teorias ou teoremas relativos à conduta e políticas humanas.

Além disso, em O Fundamento Último da Ciência Econômica, Mises argumenta que:

O que podemos “observar” são sempre fenômenos complexos. O que a história econômica, a observação ou a experiência podem nos dizer são fatos como estes: Durante um período definido do passado, o mineiro John nas minas de carvão da empresa X na vila de Y ganhou p dólares por um dia de trabalho de n horas. Não há como conduzir da reunião de tais e similares dados a qualquer teoria sobre os fatores que determinam a altura dos salários.

Portanto, para dar sentido aos dados é preciso uma teoria para orientar a interpretação dos dados. O propósito de uma teoria é estabelecer a essência do objeto de investigação.

De acordo com Ayn Rand, uma teoria é um conjunto de princípios abstratos que pretendem ser uma descrição correta da realidade ou um conjunto de diretrizes para as ações do homem.

Em seu ensaio Origens Filosóficas da Escola Austríaca de Economia , David Gordon escreve como Eugen von Böhm-Bawerk sustentou que os conceitos empregados na economia devem se originar dos fatos da realidade, pois eles precisam ser rastreados até sua fonte última.

Uma teoria que se baseia na ideia de que os seres humanos estão agindo conscientemente e propositalmente atende a esse critério. Que os seres humanos estão agindo conscientemente e propositalmente não pode ser refutado, pois qualquer um que tente fazer isso o faz conscientemente e propositalmente – ou seja, ele se contradiz. Mises, o iniciador dessa abordagem, a rotulou de praxeologia. O conhecimento de que as ações humanas são conscientes e propositais permite dar sentido aos dados históricos. De acordo com Murray N. Rothbard:

Um exemplo que Mises gostava de usar em sua aula para demonstrar a diferença entre duas maneiras fundamentais de abordar o comportamento humano era observar o comportamento da Grand Central Station durante a hora do rush. O behaviorista “objetivo” ou “verdadeiramente científico”, ele apontou, observaria os eventos empíricos: por exemplo, pessoas correndo para frente e para trás, sem rumo em certas horas previsíveis do dia. E isso é tudo que ele saberia. Mas o verdadeiro estudioso da ação humana partiria do fato de que todo comportamento humano é intencional, e ele veria que o propósito é ir de casa ao trem para trabalhar de manhã, o contrário à noite, etc. alguém descobriria e saberia mais sobre o comportamento humano e, portanto, qual seria o verdadeiro “cientista”.

Por que o método das ciências naturais não é aplicável a economia

A maioria dos economistas acredita que a introdução dos métodos das ciências naturais, como experimentos de laboratório, pode levar a um grande avanço em nossa compreensão do mundo da economia. Rothbard discorda:

Esta metodologia, resumidamente, é olhar para os fatos, então formular hipóteses cada vez mais gerais para explicar os fatos, e então testar essas hipóteses verificando experimentalmente outras deduções feitas a partir delas. Mas esse método é apropriado apenas nas ciências físicas, onde começamos conhecendo os dados dos sentidos externos e depois prosseguimos para nossa tarefa de tentar encontrar, o mais próximo possível, as leis causais do comportamento das entidades que percebemos. Não temos como conhecer essas leis diretamente; mas, felizmente, podemos verificá-los realizando experimentos controlados de laboratório para testar proposições deduzidas deles. Nesses experimentos, podemos variar um fator, mantendo todos os outros fatores relevantes constantes. No entanto, o processo de acumulação de conhecimento em física é sempre bastante tênue; e, como aconteceu, à medida que nos tornamos cada vez mais abstratos, há maior possibilidade de que alguma outra explicação seja inventada que se ajuste mais aos fatos observados e que possa então substituir a teoria mais antiga.

E então Rothbard prossegue:

Enquanto os experimentos de laboratório são válidos nas ciências naturais, não é assim na economia. No estudo da ação humana, por outro lado, o procedimento adequado é o inverso. Aqui começamos com os axiomas primários; sabemos que os homens são os agentes causais, que as idéias que adotam por livre-arbítrio governam suas ações. Portanto, começamos conhecendo completamente os axiomas abstratos, e podemos então construir sobre eles por dedução lógica, introduzindo alguns axiomas subsidiários para limitar o alcance do estudo às aplicações concretas que nos interessam. Além disso, nos assuntos humanos, a existência do livre arbítrio nos impede de realizar quaisquer experimentos controlados; pois as ideias e avaliações das pessoas estão continuamente sujeitas a mudanças e, portanto, nada pode ser mantido constante. A metodologia teórica adequada nos assuntos humanos, então, é o método axiomático-dedutivo.
As leis deduzidas por esse método são mais, não menos, firmemente fundamentadas do que as leis da física; pois como as causas últimas são conhecidas diretamente como verdadeiras, seus consequentes também são verdadeiros.
Embora o cientista possa isolar várias partículas, ele não conhece as leis que regem essas partículas. Tudo o que ele pode fazer é levantar hipóteses sobre a “verdadeira lei” que governa o comportamento das várias partículas identificadas. Ele nunca pode ter certeza sobre as “verdadeiras” leis da natureza.

Ao contrário das ciências naturais, os fatores relativos à ação humana não podem ser isolados e decompostos em seus elementos simples. No entanto, em economia sabemos que os seres humanos estão agindo de forma consciente e proposital. Esse conhecimento, por sua vez, nos ajuda a entender o mundo da economia. O fato de um indivíduo estar buscando ações intencionais implica que as causas no mundo da economia emanam de seres humanos e não de fatores externos.

Por exemplo, ao contrário do pensamento popular, os gastos individuais em bens não são causados pela renda real como tal. Em seu próprio contexto único, cada indivíduo decide quanto de uma determinada renda será usado para consumo e quanto para investimentos. Embora seja verdade que as pessoas responderão às mudanças em seus rendimentos, a resposta não é automática. Cada indivíduo avalia o aumento da renda em relação ao conjunto específico de metas que deseja alcançar. Ele pode decidir que é mais benéfico para ele aumentar seu investimento em ativos financeiros do que aumentar seu consumo.

Conclusão

A confiança em dados históricos como base para a formação de uma visão sobre o estado da economia é problemática. Pois os dados não podem produzir muita informação sobre os fatos da realidade sem uma teoria que “se apóie em seus próprios pés” e não seja derivada dos dados.

Tal teoria torna-se uma ferramenta para o estabelecimento dos fatos da realidade através da avaliação dos dados históricos. Vários métodos matemáticos e estatísticos não podem ajudar um analista a estabelecer causas no mundo da economia. Tudo o que esses métodos podem fazer é descrever coisas. Para determinar as causas subjacentes, é preciso uma teoria. Por exemplo, de acordo com a teoria econômica, os indivíduos atribuem maior importância ao consumo de bens no presente do que ao consumo no futuro.

Essa preferência decorre do fato de que, para manter suas vidas e bem-estar, as pessoas devem consumir no presente e não no futuro. Nessa forma de pensar, a taxa de juros não pode ser negativa. Se, no entanto, observarmos taxas de juros negativas, essa discrepância em relação à teoria aumenta a probabilidade de que essas taxas venham de políticas deliberadas do banco central.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA