Novo estudo revela o custo total para atacar o Bitcoin e a Ethereum

Bitcoin e Ethereum

Um artigo recém-publicado na Social Science Research Network (SSRN) por Lucas Nuzzi, Kyle Waters e Matias Andrade apresenta uma nova abordagem para calcular o custo total de ataque (TCA) ao Bitcoin e ao Ethereum. A análise abrangente lança luz sobre as barreiras econômicas para ataques de 51%, desafiando as suposições anteriores sobre a vulnerabilidade da blockchain.

Revelando o custo do comprometimento: um estudo abrangente sobre o ataque ao Bitcoin e ao Ethereum

Na quinta-feira, o chefe de pesquisa e desenvolvimento da Coinmetrics, Lucas Nuzzi, revelou um novo artigo que escreveu em conjunto com Kyle Waters e Matias Andrade. “Quanto custa atacar 51% do Bitcoin e do Ethereum?” Nuzzi postou na plataforma de mídia social X. “Para descobrir, simulamos como seria um ataque. Nosso artigo, Breaking BFT, foi publicado hoje com alguns resultados interessantes.”

O estudo apresenta um modelo de Custo Total de Ataque (TCA), uma métrica essencial que combina as despesas operacionais e de capital envolvidas na execução de um ataque de 51% ou na quebra da Tolerância a Falhas Bizantinas (BFT). Essa métrica oferece uma nova lente por meio da qual a viabilidade econômica de tais ataques pode ser avaliada, fornecendo insights sobre as fortes medidas de segurança da Bitcoin e da Ethereum.

A pesquisa analisa meticulosamente vários cenários, inclusive a possibilidade de invasores de estados-nação comprometerem essas blockchains. Essa exploração detalhada de vários vetores de ataque ressalta as complexidades e os custos envolvidos, enfatizando ainda mais a resiliência dessas redes contra possíveis ameaças.

“Como alternativas de código aberto e sem nação para sistemas como as moedas digitais do banco central (CBDCs), os estados-nação podem ser motivados a desativar permanentemente esses sistemas”, observa o estudo. “No entanto, isso entra em uma questão fundamental com relação aos ataques de 51%: é muito difícil torná-los permanentes. Mesmo em um cenário em que os invasores simplesmente extraem blocos vazios e atacam perpetuamente, a rede pode reagir.”

Entre outros cenários discutidos, o documento investiga as implicações do declínio das recompensas de bloco na segurança da rede. Ao contrário das crenças comuns, as descobertas sugerem que a segurança da rede pode não estar diretamente relacionada à receita da taxa de transação, desafiando as narrativas predominantes na comunidade de criptomoedas.

“A diminuição dos subsídios tem sido uma preocupação particularmente importante no contexto da segurança do Bitcoin a longo prazo e sua suscetibilidade percebida a ataques”, explica o documento. “A preocupação está relacionada à segurança do Bitcoin, que depende da substituição dos subsídios por taxas de usuário.” Os autores do artigo acrescentam:

“A suposição implícita que justifica essas preocupações é que as taxas do Bitcoin estão correlacionadas com a segurança. Quanto mais altas as taxas coletadas pelos mineradores, mais segura é a rede. Surpreendentemente, embora isso faça sentido intuitivamente, descobrimos que não se trata de um fenômeno observado historicamente. Outros fatores influenciam o comportamento dos mineradores e parecem desafiar essa suposição”.

O estudo também explora as motivações por trás dos possíveis invasores, distinguindo entre atores com fins lucrativos e atores com motivações ideológicas. Essa distinção é fundamental para compreender as diferentes ameaças à segurança do blockchain e a inviabilidade econômica dos ataques para ambos os grupos.

A aplicação do modelo TCA ao Bitcoin e a Ethereum revela que, apesar da infinidade de vulnerabilidades teóricas, o custo real de lançar um ataque bem-sucedido de 51% é proibitivamente alto. Isso fornece evidências empíricas que apoiam a noção de Equilíbrio de Nash nessas redes.

“Como as ações adversárias se tornam pouco atraentes quando comparadas a outras estratégias, como a participação honesta na rede ou a abstenção de ataques, fornecemos a primeira evidência empírica do Equilíbrio de Nash no Bitcoin e no Ethereum”.

explica o documento

Por fim, o artigo contribui para o discurso em andamento sobre a sustentabilidade de longo prazo das políticas monetárias deflacionárias da Bitcoin e da Ethereum. Ao destacar os comportamentos especulativos dos mineradores e o impacto desses comportamentos na segurança da rede, os autores oferecem uma visão diferenciada de como os incentivos econômicos sustentam a resiliência do blockchain.

À medida que o Bitcoin e a Ethereum continuam a evoluir, as descobertas ressaltam a importância da pesquisa e da adaptação sustentadas para proteger a fronteira das criptomoedas contra ameaças adversárias. Ao desafiar a sabedoria convencional, a pesquisa normalmente abre caminho para redes mais resilientes e economicamente viáveis, afirmando a força desses protocolos contra o espectro de vulnerabilidades teóricas.

Artigo escrito por Jamie Redman, publicado em News.Bitcoin.com e traduzido por Rodrigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Lula imposto sobre o Bitcoin
Criptomoedas

Governo Lula quer aumentar para 22,5% os impostos para todos os usuários de Bitcoin no Brasil

O governo Lula anunciou que pretende aumentar os impostos para todos os usuários de criptomoedas em até 22,5%. Segundo o governo, a proposta não é criar um novo imposto, mas aumentar ainda mais as taxas para os usuários que possuem criptoativos. A ideia é ‘fechar o cerco’ com àqueles que estão usando criptoativos para driblar […]

Leia Mais
Halving do Bitcoin
Criptomoedas

O halving do Bitcoin está cada vez mais próximo, com menos de 2.900 blocos restantes

No momento, restam menos de 2.900 blocos até o próximo halving do Bitcoin. Para compreender o conceito de halving, é bom entender primeiro como surgem os novos bitcoins, principalmente por meio do processo de mineração de bitcoins. Isso envolve entidades, conhecidas como mineradores, que validam blocos repletos de transações que aguardam confirmação. Em sua busca […]

Leia Mais
União Europeia ALM Criptomoedas
Criptomoedas

Novas leis contra lavagem dinheiro da UE visam transações em criptomoedas

Como parte das novas leis contra lavagem de dinheiro, o Parlamento da União Europeia proibiu carteiras de criptografia de autocustódia não identificadas para transações na região. A proibição tem como alvo as transações anônimas em dinheiro que excedam € 3.000 e as carteiras de auto-custódia em várias plataformas. Em uma publicação recente nas redes sociais, […]

Leia Mais