O FMI está entrando em pânico à medida que o público escolhe criptomoedas em vez de CBDCs

IMF Bi

No próximo ano, os sul-coreanos terão a oportunidade de usar tokens de depósito baseados em uma CBDC (moeda digital do banco central) por meio de um programa piloto operado pelo BOK (Banco da Coreia) e pelas autoridades financeiras.

100.000 pessoas comprarão bens com tokens de depósito emitidos por bancos comerciais na forma de CBDCs, semelhante ao uso de um voucher em lojas.

Os anúncios do BOK foram feitos apenas uma semana depois que Kristalina Georgieva, diretora-gerente do FMI (Fundo Monetário Internacional), pediu que os países fossem mais proativos em seu impulso em direção aos CBDCs.

Até o momento, 11 países – alguns no Caribe e incluindo a Nigéria – lançaram CBDCs. Mais de 120 países estão explorando os CBDCs.

Durante um discurso em Cingapura, Georgieva disse,

“Talvez estejamos em um ponto em que o setor público precise oferecer um pouco mais de orientação. … Não para excluir, não para atrapalhar. Mas para agir como um catalisador, para garantir a segurança e a eficiência – e para combater a fragmentação.”

O FMI também publicou recentemente a primeira parte de um “manual virtual” para ajudar os países a implementar CBDCs interoperáveis.

No entanto, os países que tentaram implementar CBDCs tiveram pouca adoção.

Comparando os esforços a uma jornada náutica, Georgieva disse,

“Na verdade, precisamos levantar outra vela para ganhar velocidade. O mundo está mudando mais rápido do que a maioria imaginava.”

O FMI teme que a falta de um acordo sobre uma plataforma comum para CBDCs possa levar a um vácuo que provavelmente seria preenchido pelas criptomoedas.

A advertência do FMI ocorre em um momento em que as criptomoedas estão ganhando mais atenção e adoção, o que sugere que elas podem vir a se tornar uma alternativa viável às moedas fiduciárias tradicionais.

As criptomoedas podem preencher o vácuo deixado pela falta de acordo

Se as criptomoedas – que são descentralizadas e não estão vinculadas a nenhum governo ou autoridade central – preencherem o vácuo deixado pela falta de CBDCs e se tornarem o meio de troca preferido para o comércio internacional, todo o sistema financeiro global poderá ser revolucionado.

As criptomoedas podem oferecer transações mais rápidas e baratas do que os sistemas financeiros tradicionais, com o benefício adicional de maior privacidade.

O FMI adverte que isso poderia criar um caos nos mercados financeiros. No entanto, em um mundo em que os governos e os bancos centrais já gerenciam a economia global, o caos parece ser praticamente a regra de qualquer maneira – guerra, inflação, colapsos de moeda, bem-estar corporativo, corrupção etc.

O FMI adverte que as criptomoedas levam à manipulação do mercado, à lavagem de dinheiro e a outras atividades criminosas. Mas isso é apenas um alerta, pois tudo isso ocorre de qualquer forma no mundo atual.

As criptomoedas são normalmente construídas em redes descentralizadas, como a blockchain, em que nenhuma autoridade única tem controle total.

Essa descentralização pode proporcionar transparência, segurança e imutabilidade, pois as transações são registradas em um livro-razão distribuído.

Em contrapartida, os CBDCs são centralizados e dependem do controle e da supervisão de um banco central ou do governo e, portanto, são menos seguros ou propensos à manipulação..

Algumas criptomoedas, como o Bitcoin, permitem que os usuários realizem transações de forma pseudônima sem revelar suas identidades no mundo real.

Esse aspecto atrai as pessoas preocupadas com a privacidade e o possível uso indevido de informações financeiras pessoais.

Assim como os CBDCs, as criptomoedas podem facilitar as transações internacionais sem a necessidade de intermediários ou conversões de moeda.

Essa acessibilidade pode ser particularmente benéfica para indivíduos em países com acesso limitado a serviços bancários tradicionais ou moedas locais instáveis.

A adoção do CBDC pode variar de um país para outro, limitando sua acessibilidade global.

As criptomoedas estimularam a inovação em várias áreas, como DeFi (finanças descentralizadas), NFTs (tokens não fungíveis) e contratos inteligentes.

Esses avanços têm o potencial de remodelar os sistemas financeiros tradicionais, aumentar a inclusão financeira e capacitar os indivíduos com novas oportunidades econômicas.

Embora os CBDCs possam introduzir determinados recursos para aprimorar os serviços financeiros, o ritmo de inovação e experimentação pode ser mais lento devido à natureza centralizada de seu desenvolvimento.

O FMI teme as criptomoedas

O medo que o FMI tem das criptomoedas é palpável.

Georgieva acrescentou,

“É preciso que haja um impulso muito forte para a regulamentação. Se a regulamentação falhar, se você demorar para fazê-la, então não devemos deixar de proibir esses ativos porque eles podem criar um risco à estabilidade financeira.”

O FMI expressou uma série de opiniões sobre as criptomoedas e, com citações como a mencionada acima, talvez não seja impreciso dizer que eles têm medo delas.

O FMI pode expressar preocupações sobre as criptomoedas, como seu potencial para lavagem de dinheiro, financiamento do terrorismo, questões de proteção ao consumidor e volatilidade do mercado.

Mas talvez eles estejam realmente assustados com seu potencial para melhorar os serviços financeiros e promover a inclusão financeira.

Este artigo foi escrito por Kadan Stadelmann, originalmente publicado no Daily Hodl e traduzido por @rodrigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Uso comercial do Bitcoin
Criptomoedas

O estado de adoção comercial das criptomoedas em 2024

A criptomoeda não são mais um conceito marginal, mas uma tendência que cresce rapidamente no setor de varejo. As organizações de varejo estão se preparando e adotando os pagamentos em moeda digital. Quando um varejista on-line americano se tornou o primeiro grande comerciante do mundo a aceitar criptomoedas como pagamento em 2014, foi uma grande […]

Leia Mais
Amanda Pritchard
Criptomoedas

Chefe da NHS defende intervenção estatal para combater “vício” em negociação de criptomoedas

Na última quarta-feira (12), a chefe do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS), Amanda Pritchard, defendeu uma maior intervenção do estado britânico sobre o comércio de criptomoedas. Pritchard alega que a medida ajudaria a combater o “vício” em negociações de criptoativos. O discurso de Pritchard foi realizado durante o ConfedExpo, que é uma […]

Leia Mais
Bitcoin Coreia do Sul
Criptomoedas

Prêmio do Bitcoin na Coreia do Sul aumenta, refletindo a forte demanda local

Recentemente, o bitcoin (BTC) viu seu infame prêmio na Coreia do Sul cair abaixo de 1%, depois de quase atingir 10% em meados de abril. Os dados atuais indicam que o prêmio no país está se recuperando. As métricas do cryptoquant.com revelam que, após atingir uma baixa de 0,62% em 4 de junho, quando os […]

Leia Mais