quarta-feira, agosto 17, 2022

O “Jornalismo Objetivo” sempre foi um mito

Um dos grandes mitos do jornalismo moderno é que é possível para os jornalistas relatar fatos e fazer julgamentos de forma objetiva. Tal mito tem sido cada vez mais atacado nos últimos anos, No entanto, muitos dentro e fora da profissão se agarram à idéia de que é possível fazer reportagens “objetivas”.

Ouvimos falar deste ideal freqüentemente dos próprios jornalistas – o que não é surpreendente – que se imaginam como investigadores e pesquisadores que estão acima dos vieses humanos comuns. Em vez disso, eles simplesmente comunicam informações, tornando-as digeríveis para o homem comum e dizendo ao leitor todas as informações mais importantes sobre um determinado tópico.

Esta idéia remonta pelo menos à década de 1920 e é freqüentemente atribuída a Walter Lippmann, que explica longamente este ideal de jornalismo objetivo em seu livro Opinião Pública de 1922.[1]

O problema começa com uma população ignorante que exige um disseminador “objetivo” de informações. Lippmann conclui, de forma bem resumida por Jørn Henrik Petersen, que:

…a cidadania em geral não tinha tempo, capacidade ou inclinação para se informar sobre questões importantes. A sociedade era demasiado complexa, o poder dos estereótipos demasiado grande, o ambiente imediato do homem demasiado dominante. O remédio – pelo menos em Lippmann – tinha que ser conselhos de especialistas que pudessem destilar as provas e oferecer os fatos residuais.

“Uma vez que os verdadeiros efeitos da maioria das leis são sutis e ocultos”, argumenta Lippmann, “eles não podem ser compreendidos pela filtragem da experiência local através das mentalidades locais”. Eles só podem ser entendidos através de relatórios controlados e análises objetivas”.

Mas como esta “análise objetiva” pode ser realizada? A resposta para Lippman está em tornar o jornalismo mais científico, e em tornar os fatos “fixos, objetivados, medidos, [e] nomeados”.

Certamente não é coincidência que Lippmann tenha escrito isto no início da década de 1920. Esta foi a era progressista tardia e, como tal, foi uma era de “maternidade científica” e um movimento de toda a sociedade para convencer infinitamente os americanos a deixar todas as decisões importantes para os “especialistas”. Assim, as mães deveriam entregar a educação dos seus filhos a “especialistas” educacionais, os pais deveriam entregar o privilégio de criar seus filhos a “especialistas”, e a economia deveria ser controlada por “especialistas” em políticas públicas.

O historiador do jornalismo Richard Streckfuss observa que Lippmann estava entrando na mesma onda:

O uso das palavras “objetivo”, “ciência” e “científico” por Lippmann é significativo. A adaptação dos métodos científicos para os assuntos humanos – incluindo o jornalismo – foi central para o pensamento da década.

A influência de Lippmann sobre as aspirações da profissão nunca diminuiu realmente. Até hoje, o modelo Lippmann levou a esforços contínuos para melhorar a objetividade, incluindo a promoção de métodos como o ‘jornalismo de precisão’, popularizado por Philip Meyer. Meyer ressalta que os jornalistas muitas vezes se desviam dos ideais de Lippmann, em grande parte devido à dificuldade de coletar informações. Meyer vê uma solução para este problema como:

…empurrar o jornalismo para a ciência, incorporando tanto as poderosas ferramentas de coleta e análise de dados da ciência quanto sua busca disciplinada por verdades verificáveis.

Este ideal continua a ser bastante popular entre os jornalistas. Eles continuam a se fantasiar como especialistas em fornecer informações objetivas e equilibradas sobre informações críticas e como os únicos em quem se pode confiar para fornecer um ponto de vista imparcial.

Nem mesmo os cientistas são sempre objetivos

No entanto, esta filosofia é falha mesmo em seus fundamentos. Lippmann, como um defensor da objetividade científica, ele mesmo abraçou uma idéia imaginária de investigação científica e objetividade. Esta noção de que as ciências naturais estavam acima do preconceito era quase universal na época de Lippmann. Mas nas últimas décadas houve numerosas fendas na fachada da objetividade científica, mesmo entre os cientistas naturais. Graças à pesquisa nos campos da “sociologia da ciência” e da “economia da ciência”, há cada vez mais documentação disponível que ilustra o que deveria ter ficado claro por muito tempo – isto é, que os cientistas não são imunes aos efeitos de seus próprios preconceitos pessoais.

Por exemplo, cientistas e pesquisadores frequentemente afirmam que os cientistas não são significativamente influenciados, digamos, porque receberem grandes subsídios governamentais ou confiarem em certas políticas públicas para sua subsistência. Ou, eles insistem que os cientistas não serão desviados da busca incessante da “verdade”, mesmo que as verdades reveladas ponham em questão as próprias teorias das quais os cientistas dependem. Em outras palavras, é-nos dito para acreditar que o ego ou as necessidades materiais de um cientista não têm nenhuma relação com a maneira como ele se comporta. Isto faz sentido, está implícito, porque o cientista é dotado de um tipo especial de integridade e dedicação à investigação científica.

Acreditar nisso, é claro, requer um nível quase heróico de ingenuidade, bem como ignorância sobre os fundamentos econômicos da pesquisa científica – ou sobre as pressões sociais sob as quais os cientistas agem.

Não há dúvida de que muitos cientistas tentam ser objetivos. Mas isto não significa que eles sejam realmente objetivos.

Por outro lado, os cientistas têm uma melhor pretensão de objetividade do que os jornalistas. Em muitos campos, os cientistas estão limitados pelo fato de seu conhecimento científico ser ou não realmente útil. Os medicamentos prescritos ou funcionam ou não. Novos materiais de construção e novas soluções químicas ou funcionam ou não.

Muitos cientistas são assim limitados na forma como podem satisfazer seus preconceitos pela aplicação bem sucedida de suas descobertas e conclusões.

O jornalismo não tem esse controle sobre seu próprio trabalho, e assim vemos a falha fundamental na tentativa de Lippmann de tornar o jornalismo “científico”. Não há nenhuma medida prática para saber se uma notícia foi ou não comunicada cientificamente ou não.

Jornalistas Cada vez mais admitem que a objetividade é inalcançável

Graças ao viés político cada vez mais explícito no discurso do jornalismo mainstream, tem se tornado cada vez mais difícil para a mídia continuar a afirmar que ela adota um modelo Lippmann de investigação científica desapaixonada.

Este afastamento do ideal científico tornou-se tão claro na última década, de fato, que até mesmo os principais jornalistas começaram a discuti-lo abertamente.

Por exemplo, em 2015, Matt Taibbi da Rolling Stone publicou uma opinião editorial no New York Times intitulado “‘Objective JournalismIs an Illusion” (Jornalismo Objetivo é uma Ilusão). Taibbi estava escrevendo por ocasião da aposentadoria de John Stewart do The Daily Show, e argumentou que parte da razão da popularidade de Stewart era que Stewart não fingia ser um jornalista objetivo. Ao contrário da maioria dos jornalistas que se escondem atrás de uma fachada de objetividade, Stewart é direto sobre sua parcialidade.

Embora muitos jornalistas ainda estejam em negação sobre isso, a esmagadora maioria dos que consomem a mídia estão bem cientes de que os preconceitos são desenfreados, de todas as direções. Assim, Taibbi conclui:

Vivemos em uma sociedade onde as pessoas querem saber quem é um jornalista antes de decidir se devem ou não acreditar em sua reportagem.

Tentar esconder o preconceito de alguém é, portanto, apenas cortejar a suspeita dos leitores.

Enquadramento e definição da agenda: A objetividade nunca existiu

Nada disso é uma surpresa para ninguém, nem mesmo um pouco familiarizado com o que tem sido estudado durante décadas em departamentos de ciência política ou de mídia de massa. Conceitos como “definição de agenda” e “enquadramento” há muito tempo caracterizam qualquer bolsa de estudos séria sobre como a mídia funciona. É absolutamente impossível se envolver em jornalismo sem se envolver em ambas essas atividades.

Considerando que há apenas tantas horas no dia, e apenas tantos recursos disponíveis para os jornalistas, torna-se necessário que as organizações jornalísticas se engajem na definição da agenda. Afinal de contas, as organizações jornalísticas não podem relatar tudo, então elas devem decidir sobre o que será relatado. Embora seja verdade que isto não dita aos telespectadores e leitores o que pensar sobre um determinado assunto, dita, no entanto, aos telespectadores e leitores sobre o que eles vão pensar. Se uma organização jornalística traz 50 histórias sobre a investigação do Mueller, mas apenas dedica uma única história ao bombardeio de crianças no Iêmen financiado pelos EUA, então a mídia está definindo a agenda. Os telespectadores tenderão a colocar grande ênfase em uma história enquanto ignoram em grande parte a outra.

Enquanto isso, os recursos limitados também significam que a organização de notícias deve se engajar em “enquadramentos”. Isto afeta o foco de uma história, e quais aspectos são cobertos. Também afeta quais “especialistas” são chamados para discutir um assunto. Por exemplo, se a mídia está noticiando sobre política externa, ela pode enquadrar a questão, apresentando principalmente militares aposentados que tendem a tomar o lado do estabeleshiment militar. Esta é uma situação muito diferente da que se a mídia apresentasse um grande número de especialistas antiguerra para a discussão. Além disso, mesmo se a mídia fosse capaz de alcançar um equilíbrio perfeito entre estes dois pontos de vista, ela ainda estaria engajada em enquadrar. Afinal, poucas questões contêm apenas duas formas possíveis de interpretar e analisar a questão. Ao escolher apenas dois lados, a mídia está retratando outros pontos de vista como sem importância ou como “extremistas” e fora do reino da discussão séria.

Este sempre foi o caso. Isso não significa que nenhum jornalista nunca tenha tentado ser objetivo. Muitos já tentaram. E muitos acreditaram ter alcançado a objetividade. Mas as realidades do enquadramento e do estabelecimento de agendas significam que mesmo aqueles que tentam a objetividade estão condenados ao fracasso.

De fato, o verdadeiro escândalo aqui pode não ser o fato de muitos jornalistas continuarem a se entregar a seus preconceitos ideológicos entrincheirados ao mesmo tempo em que afirmam ser objetivos. Talvez o verdadeiro problema, o tempo todo, tenha sido o fato do público ter sido tão crédulo a ponto de até mesmo alimentar a noção de que as informações que recebem através da mídia de notícias são objetivas ou livres de preconceitos. Hoje em dia, é extremamente difícil acreditar que já houve realmente um tempo em que o público assistiu aos noticiários noturnos das redes e foi embora pensando: “Nossa Senhora! Acho que agora tenho um relato imparcial e puramente factual dos eventos do mundo”! Na época de Walter Cronkite, é possível que algumas pessoas pensassem dessa maneira. Esperemos que esses dias tenham acabado.

Nota:

  • Este artigo foi escrito por Ryan McMaken, publicado originalmente no Mises.org em 28/03/2019, e traduzido e adaptado por Rodrigo D Silva

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA