sábado, dezembro 3, 2022

O que aprendi sobre o embargo cubano na minha viagem a Havana

É hora de acabar com o embargo cubano – e seus sucessores.

Tempo estimado de leitura: 8 minutos

Cuba é um país tão empobrecido que o povo não implora por dinheiro nas ruas. Eles imploram por roupa íntima, lápis e aspirina. E este é um país que era um dos mais ricos da América Latina antes da Revolução Comunista Cubana, para não mencionar um famoso destino turístico conhecido pelo glamour e pelo luxo, tudo isso você pode ver agora se deteriorando nas ruas de Havana.

Claro que, se você perguntar ao governo cubano, a situação econômica deles é toda por causa das sanções dos EUA. Promulgado em 1960 em resposta à nacionalização das refinarias de petróleo de propriedade americana pelo governo Castro, bem como ao confisco de várias outras propriedades e empresas de propriedade americana, o embargo cubano é o mais longo de seu tipo na história moderna e famoso por impedir os cidadãos americanos de viajar para o país, exceto em circunstâncias especiais.

Em 11 de julho de 2021, protestos em massa irromperam pelo país devido à escassez de alimentos, medicamentos e até água, resultando na detenção arbitrária de ativistas, alguns deles menores de idade. Em julho, viajei a Cuba para o aniversário, e era mais evidente do que nunca que é hora de acabar com esse embargo. Não só custa tanto aos cidadãos americanos como cubanos, agravando a pobreza de uma nação já sofrendo com as políticas comunistas, mas é contraproducente.

Uma economia em colapso e ‘o embargo’

Cuba é o exemplo quintessencial de uma economia baseada na ingestão de suas sementes. Ela pode ser vista nos milhares de edifícios, máquinas e peças de infra-estrutura que eram claramente top de linha há 50 anos e que agora foram empurrados aos seus limites e estão em ruínas.

Em uma pesquisa com especialistas da University of Chicago Booth School of Business, 98% concordaram que as dificuldades econômicas de Cuba foram devidas às políticas do próprio governo cubano e não às sanções dos EUA. Isso porque, embora haja certamente um embargo que interrompe o comércio entre os EUA e Cuba, dificilmente é o bloqueio que o governo cubano gosta de afirmar que é.

De fato, o governo estadunidense até deu aprovação a uma empresa americana para construir uma fábrica em Cuba para máquinas agrícolas, o tipo de capital de que o país precisa desesperadamente. No entanto, o governo cubano a rejeitou, já que os indivíduos privados não estão autorizados a possuir fábricas no país. De fato, um cidadão cubano alegou que a frequente escassez de água que experimentam, mesmo em áreas turísticas preferidas, se devia ao fato de que, embora Cuba tenha água em abundância, eles não têm sequer infra-estrutura industrial suficiente para produzir algo tão simples quanto garrafas plásticas.

Com o planejamento estatal absoluto tendo destruído quase toda a produção da ilha, Cuba deve contar com importações para quase tudo. Entretanto, a importação é difícil porque ninguém confia no governo cubano para pagar devido a décadas de inadimplência. Por exemplo, a China teve que perdoar quase 5 bilhões de dólares da dívida de Cuba, apenas cerca da metade do total da dívida perdoada a seus parceiros comerciais. Como resultado, o comércio com a China diminuiu, assim como com numerosas outras nações que tentaram ajudar Cuba, como Rússia, Venezuela e México.

Um memorando do Departamento de Estado americano revela o propósito pretendido do embargo: “O único meio previsível de alienar o apoio interno [ao regime Castrista] é através do desencanto e do descontentamento baseado na insatisfação e nas dificuldades econômicas”.

Mas se o próprio governo cubano é responsável pela pobreza da nação (a taxa de pobreza de Cuba é estimada em cerca de 50%) e o regime permaneceu no poder por mais de seis décadas, o embargo não cumpriu muito de nada. Entretanto, teve uma série de conseqüências negativas.

Punindo cubanos e americanos de igual forma

Embora os males econômicos de Cuba sejam o resultado de suas políticas comunistas e não do embargo dos EUA, não se pode negar que as sanções fazem pouco para ajudar a situação na ilha. As estimativas são abundantes. Alguns afirmam que o embargo custou à economia cubana bem mais de US$ 1 trilhão; a Cuba Policy Foundation fornece um valor inferior de US$ 685 milhões por ano, ou quase US$ 50 bilhões no total

Além disso, com a economia abismal do regime Castrista, a única maneira de os cubanos deitarem as mãos a produtos estrangeiros de qualidade é com moeda estrangeira. Os turistas americanos poderiam colocar dólares nos bolsos dos cidadãos cubanos particulares se não fossem confrontados com o absurdo burocrático de obter uma “licença” apenas para viajar para lá e se submeterem a uma potencial auditoria.

É claro que não são só os cubanos. O livre comércio é sempre benéfico economicamente, portanto é irônico que um país como a América que geralmente defende o livre comércio global (com notáveis exceções) esteja disposto a sufocá-lo para seus próprios cidadãos, proibindo-os de negociar com cubanos. A Câmara de Comércio Americana estima que o embargo custa aos americanos US$ 1,2 bilhões por ano, o que significa que ele custou aproximadamente US$ 75 bilhões desde sua criação.

Além disso, isso coloca os americanos em grave desvantagem para o futuro. Durante minha visita, não falei com ninguém em Cuba que tivesse algo positivo a dizer sobre seu próprio governo, e é improvável que o regime comunista dure muito mais tempo. Quando inevitavelmente cair, os investidores de outras nações desenvolvidas terão um avanço. Após a decisão de Raul Castro de permitir a propriedade da casa própria, os cubanos estão vendendo suas casas aos europeus em massa por quase nada, a fim de conseguir euros apenas para alimentar suas famílias. Os americanos não recebem as mesmas oportunidades por causa de nosso próprio governo.

O Embargo apenas Apoia o Regime Castrista

Os custos econômicos são os menores, no entanto. O pior efeito do embargo americano a Cuba é que ele ajuda a manter o regime Castrista no poder. Isso porque o Partido Comunista de Cuba – para não mencionar seus apoiadores em todo o mundo – pode usá-lo como bode expiatório para todos os seus problemas.

Os protestos do 11J e o sentimento geral anti-governamental entre o povo cubano são a prova perfeita disso. Agora que a internet forneceu aos cubanos um meio de ver o mundo exterior e disseminar informações, como o noticiário clandestino Cibernoticias, os cubanos acreditam que o bloqueo desculpa cada vez menos. Um cidadão particularmente apaixonado até me disse: “Bloqueio? Não há bloqueios. Os frangos dizem ‘Produto dos EUA’ bem ao lado”.

No entanto, até recentemente, os cubanos não tinham acesso à internet, de modo que o regime pôde culpar o embargo por todos os problemas que o próprio regime causou. O levantamento do embargo eliminaria esta desculpa e provaria que Cuba é apenas mais um exemplo de um Estado comunista fracassado.

A definição de insanidade

As sanções dos EUA contra Cuba simplesmente não funcionaram. Sessenta e três anos depois, os comunistas ainda estão no poder enquanto a maioria dos envolvidos com a revolução original, tanto dos EUA como de Cuba, estão mortos há muito tempo.

Apesar do fracasso total do embargo cubano, a ponto de levar exatamente ao oposto de seu objetivo declarado, os políticos têm estado ansiosos para repetir a estratégia sempre que possível. Basta considerar a resposta da administração Biden à invasão russa da Ucrânia: “sanções sem precedentes”. Supostamente, estas iriam virar o povo russo contra Putin. Contudo, em abril de 2022, a taxa de aprovação doméstica de Putin havia subido de 67% antes da invasão para quase 82%.

A administração Biden não precisava ter olhado tão longe quanto Cuba para saber que isso aconteceria. Eles poderiam ter analisado as sanções que os EUA e a UE aplicaram à Rússia e a Putin após a anexação da Crimea em 2014. Neste caso, a taxa de aprovação de Putin subiu de um de seus pontos mais baixos para 89%.

Parece que há um padrão quando se trata de sanções. Elas ajudam o regime no poder. No entanto, nossos governos continuam nos dizendo que são a solução para frustrar os regimes autoritários.

Se as autoridades realmente querem ajudar a acabar com os regimes autoritários, quer estejam em Cuba ou na Rússia, seria muito melhor sair do caminho e deixar o mercado livre funcionar.

Ao encorajar a paz, o livre comércio e a imigração, ficará muito claro o que cria prosperidade e o que inflige a pobreza. Estes regimes não sobreviverão à verdade.

Artigo escrito por Christian Monson, publicado em FEE.org e traduzido e adaptado por @joaquim-gabriel

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceFEE.org
spot_img

CONFIRA